Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Outros Portos - Outros Olhares


Margarida Gouveia, Mina Ao, Peng Yun, Xing Danwen, O Zhang
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Exposição colectiva


Gonçalo Barreiros + John Wood and Paul Harrison
Galeria Vera Cortês (Alvalade), Lisboa

O Mergulho


Pedro Gomes
Casa das Artes de Tavira, Tavira

19_20


Sandra Baía
Travessa da Ermida, Lisboa

ARQUIVO DE DESTRUIÇÃO


PEDRO LAGOA
Culturgest, Lisboa

Neste corpo não há poesia


Bárbara Fonte
CAAA - Centro para os Assuntos de Arte e Arquitectura, Guimarães

Público/Privado - Doce Calma ou Violência Doméstica?


COLECTIVA
Centro de Artes de Sines, Sines

The Soft and Weak Are Companions of Life


Zheng Bo
Kunsthalle Lissabon, Lisboa

Pequenas Notas sobre Figuração


Eugénia Mussa, Daniel V. Melim e Thomas Braida
Monitor, Lisboa

Inhale, Exhale (self-breathing kit)


Paulo Arraiano
Travessa da Ermida, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


NELSON LEIRNER

Ponto de Partida




GALERIA GRAÇA BRANDÃO (LISBOA)
Rua dos Caetanos, 26
1200-079 LISBOA

10 OUT - 30 NOV 2019


Inauguração: 10 de Outubro, 19h


Nelson Leirner nasceu em São Paulo (Brasil) em 1932.
Entre 1947 a 1952 reside nos Estados Unidos. Aí estuda engenharia têxtil, no Lowell Technological Institute, em Massachusetts, mas não termina o curso. Entre 1956 e 1958, de regresso ao Brasil, tem aulas de pintura, mas ganha interesse por outros materiais e passa a trabalhar com objectos, elementos prontos, fabricados industrialmente. Em 1966, funda e integra o Grupo Rex, ao lado de Wesley Duke Lee, Carlos Fajardo, Geraldo de Barros, Frederico Nesser, José Resende, Olivier Peroy e Roland Cabot. O grupo lança o jornal “Rex Time” e cria a “Rex Gallery & Sons”, debruçando-se sobre as relações da arte com o mercado, as instituições e o público. Em 1967 integra a representação do Brasil na IX Bienal de Tóquio e recebe o prémio Mainichi Shimbum. Leirner recusou participar nas Bienais de São Paulo de 1969 e 1971, durante o período da ditadura. A partir da década de 1970, o seu trabalho passa pela criação de alegorias da situação política contemporânea. Em 1974, criticou o regime militar através da exposição da série “A Rebelião dos Animais”, pela qual recebe um prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA). De 1977 a 1997, lecciona na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo. Em 1997, muda-se para o Rio de Janeiro onde passa a dar aulas na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. A presença marcante, nos seus trabalhos, de elementos da cultura popular brasileira, desde os anos 1960, cresce a partir da década de 1980. Em 1985, realiza a instalação “O Grande Combate”, utilizando imagens de santos, divindades afro-brasileiras, bonecos infantis e réplicas de animais. Em 1998, uma série de trabalhos de Leirner, na qual o artista faz intervenções em fotografias de crianças da fotógrafa neozelandesa Anne Geddes, foi apreendida a pedido da 1a Vara da Infância e da Juventude do Rio de Janeiro, atitude que provocou um movimento de artistas contra a censura nas artes. Nelson Leirner tornou-se um dos mais expressivos representantes do espírito vanguardista dos anos 60, tanto no Brasil como no mundo. Leirner é considerado um artista polémico, que problematiza e critica constantemente o papel das instituições, do mercado e sistema da arte. O seu trabalho apropria-se de imagens artísticas banalizadas pela sociedade de consumo, reforçando a sua intenção de converter em arte imagens e objectos, do dia-a- dia, alheios à arte, popularizando o objeto de arte, aproximando o público do seu trabalho, fazendo-o até participar na construção da obra de arte.

Em 2007 realiza uma exposição conjunta com Albuquerque Mendes na Galeria Graça Brandão em Lisboa, e no ano seguinte apresentam uma nova mostra conjunta na Casa de América (Madrid), no Instituto Valenciano de Cultura (Valência) e no MEIAC (Badajoz), organizada por Isabel Durán e chamada “Camino de Santos”.

A exposição que inaugura agora na Galeria Graça Brandão (Lisboa) será comissariada, a pedido de Nelson Leirner, pelo seu amigo o Pintor Albuquerque Mendes, que certamente não se limitará a realizar uma mera curadoria.