Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

FRIDAY 13TH


Coletiva
Movart, Lisboa

Walk the curve


Ayelen Peressini e Inês Teles
Alto de S. Bento,

No Chão do Paraíso


ALBUQUERQUE MENDES
Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar

Estancias de la pintura. Calavera resumida


Pedro Morales Elipe
Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

Tchiloli Family


RENÉ TAVARES
ELA - Espaço Luanda Arte, Luanda

Topografias Rurais


Alberto Carneiro, Ana Lupas, Lala Meredith-Vula e Claire de Santa Coloma
Vários locais/Lisboa, Lisboa

A Imagem da Palavra


EUGÈNE GREEN
Casa do Cinema Manoel de Oliveira, Porto

O vazio da minha alma


MARA CASTILHO
Livraria Sá da Costa, Lisboa

Prémio Sonae


Coletiva
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

O Ponto Perfeito


Maria Pia Oliveira
Fundação Portuguesa das Comunicações,

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PAULIANA VALENTE PIMENTEL

PAULIANA VALENTE PIMENTEL: Empty Quarter #2 (Rub Al’Khali)




GALERIA SALA117
R. de Damião de Góis 200


23 NOV - 18 JAN 2020


A Galeria sala117, no Porto, inaugura no próximo dia 23 de Novembro, pelas 18h00, a exposição Empty Quarter #2 (Rub Al’Khali) de Pauliana Valente Pimentel. Esta é a primeira vez que a artista expõe numa galeria portuense e traz consigo uma série fotográfica que retrata os Emiratis, os locais dos Emirados Árabes Unidos, os seus usos e costumes, a sua riqueza, a sua maneira excêntrica de viver, recriando no meio do Deserto tudo o que não têm.

Pauliana Valente Pimentel visitou o Dubai pela primeira vez em 2015, incursão essa que resultou numa exposição no projecto o - apartamento, em Lisboa. Voltou em 2017 e agora, em 2019, mostra na sala117 o resultado do seu trabalho cujo objectivo final é ter uma mostra no Dubai durante a Expo 2020. A mostra fica patente até 18 de Janeiro de 2020.

Decidiu-se que este projeto teria 5 anos, uma vez que o meu objectivo era retratar os Emiratis, os locais dos Emirados Árabes Unidos, os seus usos e costumes, a sua riqueza, a sua maneira excêntrica de viver, em que no meio do Deserto recriam tudo o que não têm. Para conseguir entrar dentro do mundo Árabe não é fácil, leva tempo, eles não gostam de ser fotografados, e são uma cultura fechada, com raízes muito próprias, e eu sendo uma mulher também não ajuda. Na realidade constatei com o tempo que quando te acolhem e aceitam, é para a vida. Vivi em ambientes de muito difícil acesso e inimagináveis para um ocidental e tratei retratá-los da forma mais fiel possível, mas para isso foi preciso voltar e ganhar a confiança. Mesmo não sendo obrigada a estar tapada, usei sempre véu e obedeci a todas as regras de etiqueta como forma de respeito e aceitação.

A ideia era um ano ir fotografar e o ano seguinte apresentar o trabalho, depois voltar e voltar a apresentar novo trabalho sendo que o objectivo final é ter uma mostra final no Dubai em 2020, durante a EXPO2020.

A minha primeira viagem foi em 2015, e resolvi fazer a primeira mostra num apartamento, em 2016, pois tal como lá, tudo é muito escondido, e é preciso conseguir entrar numa casa para os conhecer, e por isso fez sentido para mim fazer a primeira exposição num apartamento e onde as peças fizessem parte da decoração. O – apartamento, um projeto do Armando Ribeiro, em Lisboa, mostrou-se aberto para fazer esta exposição, e esteve aberta ao publico durante dois meses. Voltei ao Dubai em 2017, para fotografar, e agora em 2019, a sala 117 no Porto, convidou-me para mostrar este trabalho. Para além das peças antigas, tem novas peças e um
vídeo. Fica assim concluída a minha série “Empty Quarter, que é a tradução para inglês do nome do deserto deles “Rub Al`Khali”, deserto este que está nas suas origens, os Emiratis vêm de tribos do deserto, e foi do deserto que brotou (e que cresce como cogumelos) tudo o que eles construíram, graças à descoberta do petróleo, esse líquido tão desejado. Fui várias vezes ao deserto, um sítio em que eu própria tenho uma grande atração, e onde vi desde Árabes a treinarem os falcões para caçar, a uma duna gigante onde vão passar o fim de semana a “passear” os seus luxuosos carros. Nesta série, vemos os usos e costumes deste povo que veio do deserto. Apresentar agora o trabalho final numa galeria, faz todo o sentido para mim, o passar de um apartamento, mais privado, para um espaço aberto, uma galeria linda e de espaços abertos, com uma arquitetura muito semelhante às galerias que se encontram no Dubai – onde as peças vão conviver de certeza de uma forma sublime. Eu já pertenci a duas galerias em Lisboa, a Galeria 3+1 Arte Contemporânea durante 5 anos, e 7 anos na Galeria das Salgadeiras. Atualmente colaboro com diversas galerias não só em Portugal, como no estrangeiro. Vai ser a primeira vez que vou pertencer a uma galeria no Porto, a Sala 117, e estou muito optimista em relação a esta nova etapa. Este ano fiz uma residência artística nos Maus Hábitos, a convite do Daniel Pires, e realizei um trabalho sobre a juventude portuense que frequenta os Maus Hábitos, a série “Ask The kids” que foi apresentada em Agosto, e que teve muito sucesso, e agora vou ter o “Empty Quarter #2” em Novembro, e por isso estou muito feliz de começar a mostrar o meu trabalho no Porto.