Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Downtime / Tempo de Respiração


MANON DE BOER
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Red Lines with Landscapes: Portugal


Evan Roth
Espaço Fidelidade Mundial Chiado 8 - Arte Contemporânea, Lisboa

Aurora | Desenhos e outros materiais


Pedro A.H. Paixão
Galeria 111 (Lisboa), Lisboa

O Coração e os Pulmões


Francisco Tropa
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Electric - A Virtual Reality Exhibition


Coletiva
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

The I of the Beeholder


Musa paradisiaca
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Nuovo Cinema Galleria


Coletiva
Galeria Vera Cortês, Lisboa

Hangover + Be Part of Chaos (2016-2019)


Carla Filipe
Galeria Francisco Fino, Lisboa

Lendo resolve-se: Álvaro Lapa e a Literatura


ÁLVARO LAPA
Culturgest, Lisboa

2012 2020 Obras da Coleção António Cachola


COLETIVA
Museu de Arte Contemporânea de Elvas , Elvas

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


MARA CASTILHO

O vazio da minha alma




LIVRARIA SÁ DA COSTA
Rua Garrett n.º 100 (Chiado)


27 NOV - 23 DEZ 2019


Inauguração: 27 de novembro, às 18.30h, no Espaço Camões da Livraria Sá da Costa

Em “O vazio da minha alma”, Mara Castilho expõe fotografias pintadas e bordadas.
O vazio e a perda assombram as suas obras.
Entre o preto e branco e ouro, Castilho expõem imagens que navegam entre o belo e o feio, a dor e o amor, o vazio e a ruina, a vida e a morte.


:::


MARA CASTILHO trabalha nas áreas de vídeo, instalação, fotografia e performance. Da sua formação destacam-se o mestrado em Artes Visuais pela Universidade de Westminster, Londres, em 2007 e o bacharelato em Teatro e Dança, na Laban Center for Movement and Dance, Londres, em 2000. Frequentemente fazendo referência ao corpo, sua vulnerabilidade e resistência, a sua obra é permeada por justaposições de opostos como ternura e dureza, afeto e ódio e desejo e revolta.

Castilho foi nomeada em 1999 para o Stephen Arlen Memorial Award for Performance, National English Opera (Inglaterra/GB), em 2005 para o Beck’s Future Awards for Arts (Inglaterra/GB) e em 2006 para o International Prize of Performance, Galeria Cívica (Itália/IT). O seu filme ‘Process 5703/2000’ foi vencedor do Melhor Filme & Melhor Banda Sonora ‘Premio Europeu Massimo Troisi(Itália/IT), 2003. As suas obras tiveram diversas criticas de imprensa, alem de serem publicadas em livros, revistas internacionais e catálogos.