Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

MELANCOLIA PROGRAMADA | UNHARIAS RATÓRICAS


Gabriel Abrantes | Von Calhau
MAAT, Lisboa

Mutações. The Last Poet.


Joana Escoval
Museu Coleção Berardo, Lisboa

A mão que segura e que se eleva no ar


Isabel Baraona, Mafalda Santos e Susana Gaudêncio
Rampa, Porto

The eyes are not here


Orlando Franco
Galeria TREM, Faro

Meia década de resistência tipográfica e editorial - oficinal / projectual / autoral


COLECTIVA
Ar.Co Centro de Arte e Comunicação Visual (Xabregas), Lisboa

Desterrado


António Olaio
Galeria Ala da Frente, Vila Nova de Famalicão

Downtime / Tempo de Respiração


MANON DE BOER
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Red Lines with Landscapes: Portugal


Evan Roth
Espaço Fidelidade Mundial Chiado 8 - Arte Contemporânea, Lisboa

Aurora | Desenhos e outros materiais


Pedro A.H. Paixão
Galeria 111 (Lisboa), Lisboa

O Coração e os Pulmões


Francisco Tropa
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


FRANCISCO TROPA

O Coração e os Pulmões




GALERIA QUADRADO AZUL (NOVO ESPAÇO EM LISBOA)
Rua Reinaldo Ferreira, nº 20-A, em Alvalade.
1700-323 LISBOA

23 JAN - 21 MAR 2020


Inauguração:23 de Janeiro, pelas 22 horas, na Quadrado Azul, em Lisboa


Inauguração do terceiro e último momento expositivo do ciclo O Bigode Escondido na Barba: O Coração e os Pulmões, de Francisco Tropa


As obras expostas possuem mecanismos de movimento e iluminação que apenas estarão activos entre as 17 e as 19 horas.
(A galeria estará aberta no horário habitual, das 14 às 19 horas.)


:::


Francisco Tropa
Lisboa, Portugal, 1968. Vive e trabalha em Lisboa.

A escultura tem sido um interesse constante no percurso de Francisco Tropa, artista que começou a expor no início da década de noventa e cujo trabalho tem obtido uma significativa atenção por parte das instituições e da crítica. Foi o representante de Portugal na edição de 2011 da Bienal de Veneza, e participou ainda na Bienal de Rennes (2012), na Bienal de Istambul (2011), naManifesta (2000), na Bienal de Melbourne (1999) e na Bienal de São Paulo (1999).

Diversos meios são utilizados por Tropa, como a própria escultura, o desenho, a performance, a fotografia ou o filme, para convocar uma série de reflexões introduzidas por diferentes tradições da escultura. Temas como o corpo, a morte, a natureza, a paisagem, a memória, a origem ou o tempo, estão sempre presentes nos seus trabalhos, num processo interminável de remissão a ideias da história da arte, a outras obras de arte, a trabalhos anteriores do próprio artista, e a autores específicos.

Francisco Tropa está representado nas seguintes colecções: Philadelphia Museum of Art, EUA; Museu Reina Sofia, Espanha; MUDAM, Luxemburgo; CNAP (Centre National des Arts Plastiques), França; Museu de Serralves, Portugal; Fundação Leal Rios, Portugal; Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, Portugal; Fundação Calouste Gulbenkian, Portugal; Fundação EDP, Portugal; Fundação Carmona e Costa, Portugal; Caixa Geral de Depósitos, Portugal; Direcção-geral das Artes, Portugal; Fundação PLMJ, Portugal; Ar.Co, Portugal; Fundación ARCO, Espanha; Colecção da Câmara Municipal de Lisboa, Portugal; Colecção do Município do Porto, Portugal.