Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

O dia em que perdi o pé


Anabela Soares
Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa

Obras Inéditas


Julian Opie
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Dry


Pedro Valdez Cardoso
A Montanha, Lisboa

Suppose it is true after all, what then?


Vasco Araújo
Galeria Presença (Porto), Porto

Ar.Co - Exposição Bolseiros & Finalistas ’19


COLECTIVA
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

Dordio Zinco


Gonçalo Pena
Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos (CITA), Arraiolos

O estranho substituto


Jorge Molder
Galeria Pedro Oliveira, Porto

Mare Aethiopicum


PAULO QUINTAS
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Desvio


Sofia Arez
Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

A Tempestade


Francisco Vidal
Central Gerador, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ISABEL BARAONA, MAFALDA SANTOS E SUSANA GAUDÊNCIO

A mão que segura e que se eleva no ar




RAMPA
Pátio do Bolhão 125
4000-110

14 FEV - 28 MAR 2020


Inauguração: 14 de Fevereiro, 21h30



"A mão que segura e que se eleva no ar"
uma exposição colectiva de Isabel Baraona, Mafalda Santos e Susana Gaudêncio

Curadoria: Pessoa Colectiva



"A mão que segura e a que se eleva no ar" toma a poesia, a palavra e a arte como meios de resistência e liberdade, e como mote o conceito de escrita-imagem de Ana Hatherly.
Reúne três artistas nas suas diferentes vozes, unidas pela mão inteligente de Ana. A filiação não envolve um tributo, indica sim uma celebração. Susana, Mafalda e Isabel sob o signo da artista, mãos firmes, que seguram e fixam linhas, revoluções da imagem e do texto.
Desenhar e escrever, seja figura ou palavra, a mão executa uma acção hipnótica e muitas vezes de natureza mágica. Diz Paulo Pires do Vale que essa fronteira “é lugar de metamorfose, entre o texto como imagem e o desenho como escrita”. A mão é acção, faz surgir sobre uma superfície algo que era até então invisível e silencioso. Traça linhas negras e encantadas nesse lugar reserva da imaginação.
A criação poética existiu sempre como meio de resistência. Já o discurso político do status quo, que apresenta como característica uma voz única e mono direcionada, apoia-se num significado denotativo da linguagem, onde a ambiguidade deve estar ausente.
O acto artístico faz de nós seres voltados para a construção do futuro, transformando o nosso presente de múltiplas formas, sendo aqui, cremos, que arte e utopia se relacionam.

No âmbito do programa paralelo da exposição no dia 15 de março às 18h, a artista Sónia Neves realiza uma visita comentada com a presença das artistas. No dia 28 de Março às 18h, o artista Xana apresenta a performance "A correr com os olhos nas mãos".


:::



Isabel Baraona (Cascais, 1974) é licenciada em Pintura pela La Cambre (Bélgica) e Doutorada em Artes Visuais e Intermedia pela Universidade Politécnica de Valência (Espanha). Em 2001 iniciou o seu percurso profissional com uma exposição individual intitulada mythologies tendo participado em diversas exposições individuais e colectivas, em Portugal e no estrangeiro. Está representada em colecções nacionais como a Fundação EDP, Fundação D. Luís/C. M. Cascais, MGFR (Fernando Ribeiro), Safira e Luís Serpa, Centro Português de Serigrafia; e em colecções internacionais como Yolande De Bontridder, Galila Barzilaï-Hollander, Paul Gonze, Jean-Marie Stroobants, entre outras. Isabel Baraona lecciona na Escola Superior de Arte e Design Caldas da Rainha desde 2003.

Mafalda Santos (Porto, 1980) Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes do Porto. Expõe regularmente desde 2001 em exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro em instituições como oMuseu Colecção Berardo, em Lisboa; a Sala do Veado, no Museu de História Natural, em Lisboa; o Museu de Arte Contemporânea de Elvas; a Fundação Marcelino Botín, em Santander; o MUDAM – Centre D’art Moderne Gran-Duc Jean, no Luxemburgo; o Museu de Arte Contemporânea de Hildesheim,. O seu trabalho encontra-se incluído nas colecções portuguesas de António Cachola, das Fundações EDP e Ilídio Pinho, Grupo RAR, Fundação PLMJ, Câmara Municipal de Lisboa e Câmara Municipal do Porto.

Susana Gaudêncio (Lisboa, 1977). Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. Mestre em Belas Artes pelo Hunter College - City University of NewYork, em 2008, como bolseira da FCG e FLAD. Doutorada pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa com o apoio da FCT. O seu trabalho concentra-se na prática do desenho, da animação-vídeo, na instalação e nas publicações de artista, tendo exposto em Portugal e no estrangeiro em instituições como o Museu Nacional de Arte Contemporânea/Museu do Chiado; Museu da Electricidade; Centro de Arte Moderna Fundação Calouste Gulbenkian; Carlos Carvalho Arte Contemporânea; The Mews Project Space, Londres; Bowery Poetry Club, Nova Iorque; Chashama Gallery Visual Arts Program, Nova Iorque. Está representada em colecções nacionais como a Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação EDP, Fundação PLMJ, entre outras. Leciona ne na Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha.