Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Alexandre Conefrey, “S/ título”, 2010. Grafite, têmpera de ovo e gouache s/papel.

Outras recomendações:

Ciclo de Exposições e Conversas "O Desenho como Pensamento”


Ana Vidigal, Luís Paulo Costa e Exposição Documental
Vários locais / Águeda, Águeda

Ventriloquismo


VERA MOTA
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

OBJETO INFINITO OU UM BEM MAIOR. Primeiro conjunto de dúvidas.


Alexandre A. R. Costa
ARTLAB24 Contemporary Art, Espinho

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

Cuir PopCreto


Lyz Parayzo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Luto


Gustavo Sumpta
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


ALEXANDRE CONEFREY

Que horas são?




GIEFARTE - GALERIA DE ARTE
Rua da Arrábida, 54 BC
1250-034 LISBOA

22 JAN - 16 MAR 2011


INAUGURAÇÃO:
Sábado, 22 de Janeiro de 2011, 17h00 às 21h00




PRESS RELEASE

Sob o título “Que horas são?”, a Giefarte apresenta um conjunto de 17 trabalhos sobre papel de Alexandre Conefrey, datados de 2010. Trata-se de imagens de flores, na sequência de várias séries anteriores, das quais as mais recentes se concentravam, sobretudo, em coroas funerárias e cruzes. São estas mesmas cruzes e coroas florais que surgem agora distorcidas, comprimidas, soltas ou espalhadas, como que sujeitas a invisíveis forças agregadoras e desagregadoras.

Abandonando a grafite como primeiro material estruturador da imagem (devendo delinear antecipadamente as áreas a preencher) o artista compõe a partir de um uso solto e veemente da tinta. A têmpera de ovo e o guache, usados directamente, conferem à imagem uma forte vibração cromática e um acrescido impacto visual, contrastando com o traço sumido da grafite na legenda ou legendas, que podem espalhar-se sob a forma de palavra ou frase, quase imperceptivelmente, pelo branco do papel.

Conefrey parece levar a um extremo, neste grupo de desenhos, o seu trabalho de reinvenção da Ilustração, ou de uma Ilustração que deixou há muito de o ser, para colocar as suas premissas, história e métodos ao serviço de uma criação plástica tão coerente quanto insólita.