Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Imagem do convite. Fotografia: Catarina Botelho.

Outras recomendações:

Falésia. Tema e Variações


Manuel Baptista
Giefarte - Galeria de Arte, Lisboa

Boné


Josó Loureiro
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Filipe André Alves & Valério Ismaeli


TEST GROUND KICK #2
Plano Lisboa, Lisboa

Arquitectura de outro tempo


Victor Palla e Joaquim Bento d´Almeida
Garagem Sul, León

Outgaze


Pedro Henriques
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

O OLHAR DA SIBILA – CORPORALIDADE E TRANSFIGURAÇÃO


Colectiva
Museu do Oriente, Lisboa

Peso


Alexandre Conefrey
Galeria Belo-Galsterer, Lisboa

O BIGODE ESCONDIDO NA BARBA


Francisco Tropa
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Estranhos dias recentes de um tempo menos feliz


Colectiva
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

CANIBALIA, REDUX


Colectiva
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

ÂNGELA FERREIRA + MANUEL DOS SANTOS MAIA

Correspondência #3




ARTE CONTEMPO
Rua dos Navegantes, 46 A
1200-732 LISBOA

24 FEV - 26 MAR 2011


INAUGURAÇÃO:
24 de Fevereiro de 2011, 19h



PRESS RELEASE

A Arte Contempo tem vindo a apresentar o ciclo de exposições CORRESPONDÊNCIA. Desenvolvendo-se a partir de encontros desencadeados entre pares de artistas, de gerações distintas, com fortes afinidades formais, de pesquisa, ou de intenções. Não há uma equação de exposição pré-definida: cada encontro, implementado por uma terceira figura (a curadoria), desenvolver-se-á sob a influência de várias tomadas de vista: de identificação, de aproximação, de confluência, de conflito, etc. Uma exposição pode resultar em duas exposições individuais; uma exposição em que não se definem áreas autorais; uma exposição com obras criadas especificamente para o contexto; uma única obra concebida em conjunto; etc. Um projecto curatorial de Filipa Valladares e Maria do Mar Fazenda.


Uma das coisas que mais curiosidade me dá é que, o estado de vida criado pelo estado novo em Moçambique permitia que as pessoas vivessem lá numa espécie de amnésia daquilo que se estava a passar. Para mim isso é uma das questões que mais me aflige, como é que se gerava essa situação em que era permitido não saber? E a outra grande pergunta que me rói constantemente, como é que também nunca foi compreendido o processo de descolonização e como não foi criado um lobby inteligente de como gerir esse assunto, nem do ponto visto político, nem do ponto de vista da memória. (Ângela Ferreira)

A partir de certo momento começo a querer registar, de memória, as histórias de que me lembrava. E claro, nesta altura surge a questão da memória, é impossível ser completamente fiel, restituir tudo, acresce sempre de um ponto quem reconstrói determinada história. Interessa-me esta espécie de plasticidade. (Manuel dos Santos Maia)


Ângela Ferreira
Nasceu em Maputo (Moçambique), em 1958. Vive e trabalha em Lisboa (Portugal) e na Cidade do Cabo (África do Sul) desde 1992. Expõe regularmente desde 1990. Das suas exposições individuais destacam-se: Ângela Ferreira, Centro de Arte Moderna – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1990); Sites and Services, South African National Gallery, Cidade do Cabo (1992); Double Sided I and II, Chinati Foundation, Marfa, e Ibis Art Centre, Nieu Bethesda (1996); Casa Maputo: Um Retrato Íntimo, Museu de Serralves, Porto (1999); Em Sítio Algum, Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa (2003), Maison Tropicale, representação portuguesa na La Biennale di Venezia, Veneza (2007); e Hard Rain Show, Museu Colecção Berardo, Lisboa e La Crieé, Rennes (2008).


Manuel dos Santos Maia
Nasceu em Nampula (Moçambique) em 1970. Vive e trabalha no Porto. Das suas exposições individuais destacam-se: alheava – dentro o mar, Salão Olímpico, Porto (2003); alheava – reconstrução, Centro de Artes Visuais, Coimbra (2004); alheava – reconstrução, Centro de Artes Visuais, Coimbra (2004); alheava _ reconstituição, Espaço Campanhã, Porto (2009); non _ Extremo do Mundo, Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira (2010).