Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Imagem do convite. Fotografia: Catarina Botelho.

Outras recomendações:

Casa Aberta


Henrique Neves
Arquivo Municipal de Lisboa/Núcleo Fotográfico, Lisboa

COLECTIVA


Finalistas de Pintura da Belas Artes 15´16
Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa

CASTAS


Colectiva
Herdade do Rocim,

ENSAIOS (SOBRE A MESA) - A partir da coleção do Museu de Lisboa


COLECTIVA - alunos da pós-graduação em Curadoria de Arte,
Galeria Quadrum, Lisboa

Sever


Ana Lupaș, Beatrice Marchi, Christodoulos Panayiotou, Eloise Hawser, Gonçalo Preto, Jason Dodge, Joanna Piotrowska, Namsal Siedlecki, Nick Bastis
Galeria Boavista, Lisboa

Um campo depois da colheita para deleite estético do nosso corpo


Alberto Carneiro
Culturgest (Porto), Porto

Now and Ever | Oliveiras


Renée Gagnon
Museu das Comunicações, Lisboa

Raio X de uma prática fotográfia


FERNANDO GUERRA
,

Where and When


Ana Jotta, Daniel Gustav Cramer, Gil Heitor Cortesão, Luís Paulo Costa and Paulo Brighenti
Galeria Pedro Cera, Lisboa

Cartazes Cubanos da OSPAAAL 1960-1980


Colectiva
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

ÂNGELA FERREIRA + MANUEL DOS SANTOS MAIA

Correspondência #3




ARTE CONTEMPO
Rua dos Navegantes, 46 A
1200-732 LISBOA

24 FEV - 26 MAR 2011


INAUGURAÇÃO:
24 de Fevereiro de 2011, 19h



PRESS RELEASE

A Arte Contempo tem vindo a apresentar o ciclo de exposições CORRESPONDÊNCIA. Desenvolvendo-se a partir de encontros desencadeados entre pares de artistas, de gerações distintas, com fortes afinidades formais, de pesquisa, ou de intenções. Não há uma equação de exposição pré-definida: cada encontro, implementado por uma terceira figura (a curadoria), desenvolver-se-á sob a influência de várias tomadas de vista: de identificação, de aproximação, de confluência, de conflito, etc. Uma exposição pode resultar em duas exposições individuais; uma exposição em que não se definem áreas autorais; uma exposição com obras criadas especificamente para o contexto; uma única obra concebida em conjunto; etc. Um projecto curatorial de Filipa Valladares e Maria do Mar Fazenda.


Uma das coisas que mais curiosidade me dá é que, o estado de vida criado pelo estado novo em Moçambique permitia que as pessoas vivessem lá numa espécie de amnésia daquilo que se estava a passar. Para mim isso é uma das questões que mais me aflige, como é que se gerava essa situação em que era permitido não saber? E a outra grande pergunta que me rói constantemente, como é que também nunca foi compreendido o processo de descolonização e como não foi criado um lobby inteligente de como gerir esse assunto, nem do ponto visto político, nem do ponto de vista da memória. (Ângela Ferreira)

A partir de certo momento começo a querer registar, de memória, as histórias de que me lembrava. E claro, nesta altura surge a questão da memória, é impossível ser completamente fiel, restituir tudo, acresce sempre de um ponto quem reconstrói determinada história. Interessa-me esta espécie de plasticidade. (Manuel dos Santos Maia)


Ângela Ferreira
Nasceu em Maputo (Moçambique), em 1958. Vive e trabalha em Lisboa (Portugal) e na Cidade do Cabo (África do Sul) desde 1992. Expõe regularmente desde 1990. Das suas exposições individuais destacam-se: Ângela Ferreira, Centro de Arte Moderna – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (1990); Sites and Services, South African National Gallery, Cidade do Cabo (1992); Double Sided I and II, Chinati Foundation, Marfa, e Ibis Art Centre, Nieu Bethesda (1996); Casa Maputo: Um Retrato Íntimo, Museu de Serralves, Porto (1999); Em Sítio Algum, Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, Lisboa (2003), Maison Tropicale, representação portuguesa na La Biennale di Venezia, Veneza (2007); e Hard Rain Show, Museu Colecção Berardo, Lisboa e La Crieé, Rennes (2008).


Manuel dos Santos Maia
Nasceu em Nampula (Moçambique) em 1970. Vive e trabalha no Porto. Das suas exposições individuais destacam-se: alheava – dentro o mar, Salão Olímpico, Porto (2003); alheava – reconstrução, Centro de Artes Visuais, Coimbra (2004); alheava – reconstrução, Centro de Artes Visuais, Coimbra (2004); alheava _ reconstituição, Espaço Campanhã, Porto (2009); non _ Extremo do Mundo, Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira (2010).