Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Espelho


Isabel Madureira Andrade
Galeria Fonseca Macedo, Ponta Delgada

Imago Lisboa Photo Festival


Joakim Eskildsen
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Mais tarde


JORGE MOLDER
Galeria Belo-Galsterer, Lisboa

Perto da margem


Pedro Calapez
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Bom dia lua


Nuno Sousa Vieira
Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso, Amarante

Ciclo “Museu das Obsessões”


TATIANA MACEDO / HORÁCIO FRUTUOSO
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

Uma Figura Semelhante


Diogo Costa
Diogo Costa Atelier, Almada

Sombras do Tempo


MÁRIO MACILAU
Galeria MOVART, Lisboa

Lanhaslândia (Expandida)


Fernando Lanhas
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Polaris


Francisco Tropa
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


DAVID ADJAYE

URBAN AFRICA - Uma viagem fotográfica por David Adjaye




GALERIAS MUNICIPAIS - PAVILHÃO PRETO
Campo Grande, 245
1700-091 LISBOA

25 MAI - 31 JUL 2011


PRESS RELEASE


52 CIDADES CAPITAIS
NOVOS PADRÕES DE URBANISMO NO CONTINENTE AFRICANO


Um dos mais reputados arquitectos da sua geração, David Adjaye sai da sua linha de trabalho habitual para fotografar e documentar as principais cidades africanas, como parte de um projecto contínuo de estudo sobre a construção e os padrões de urbanismo em África. Esta colecção de fotografias é uma procura pessoal, motivada pelo escasso conhecimento existente dos ambientes urbanos no continente africano.

David Adjaye fotografou as características mais marcantes das principais cidades africanas, incluindo bairros suburbanos, urbanizações clandestinas e paisagens urbanas.

A exposição é introduzida por uma representação gráfica do projecto. Mapas de África em grande escala, políticos e geográficos, mostram o continente africano sob diferentes prismas: as línguas, as bandeiras, as zonas geográficas, a densidade populacional, as fronteiras e as cidades capitais que David Adjaye visitou. As fotografias, em pequeno formato, são depois apresentadas num longo mural, agrupadas por tipologia, cidade e paisagem e oferecem uma visão abrangente de cada cidade, onde estão presentes edifícios civis, comerciais, religiosos e habitacionais. Estas cerca de duas mil fotografias revelam as cidades em si, e analisam os edifícios e os lugares que têm um eco especial nas preocupações de Adjaye, como arquitecto. O projecto integral e a dinâmica do trabalho são dados a conhecer através de uma série de projecções, em escala alargada, que inundam o espaço criando um traço de união na diversidade entre arquitectura, cultura e paisagem urbana. Tudo isto sob o pano de fundo de ritmos africanos, compostos especialmente para a exposição por Peter Adjaye (irmão de David).

O olhar de um arquitecto, o olhar de um africano

Olhado muitas vezes apenas como um continente definido pelo subdesenvolvimento, a pobreza, a guerra e o turismo, através desta exposição, David Adjaye apresenta uma África sob uma perspectiva diferente. Este estudo detalhado irá revelar um quadro singular da vida actual em África, documentando a natureza da vida urbana em países em desenvolvimento. Um estudo geo-cultural único, que traça o perfil da cidade africana num contexto global.

Adjaye captou o desenvolvimento urbano de cidades como Kigali, a capital do Ruanda, mostrando os traços do seu passado colonial; Tripoli, na Líbia, muito invadida pela energia do presente; as urbanizações informais nas periferias de novas cidades, como Abuja, Nigéria; e os vestígios do apartheid ainda inscritos em Pretória, na África do Sul.



>>>>>>>
Com ascendência ganense mas nascido na Tanzânia, David Adjaye foi para Londres em 1979. Formado pelo Royal College of Art em 1993, Adjaye fez a sua formação na David Chipperfield Architects e com Eduardo Souto de Moura, no Porto. David Adjaye ganhou a Medalha de Bronze do Primeiro Prémio RIBA, em 1993, e instalou o seu estúdio, o Adjaye Associates, em 2000, tendo sido nomeado para um Prémio Stirling, em 2006, pelo seu Whitechapel Idea Store. Reunindo uma obra de grande riqueza, foi-lhe recentemente atribuída a prestigiosa tarefa de liderar a equipa FAB - Freelon Adjaye Bond/Smith Group, responsável pelo projecto do novo National Museum of African American History and Culture (Museu Nacional de História e Cultura Africano-Americana), em Washington DC, previsto para 2015.

Uma exposição itinerante do Design Museum, Londres




DAVID ADJAYE - Biografia
David Adjaye é actualmente um dos mais reputados arquitectos da sua geração. Reconhecido por uma grande sensibilidade e visão artística, a utilização engenhosa dos materiais, o design personalizado e a sua capacidade para esculpir e apresentar a luz, os seus trabalhos têm merecido a mais alta consideração, tanto por parte da comunidade de arquitectos como do público.
Depois de formar o seu estúdio, Adjaye Associates, em Junho de 2000, recebeu uma série de encomendas de grande prestígio. Projectos de escala, público e geografia variada, colaborações com artistas – incluindo Chris Ofili e Olafur Eliasson –, exposições de design, pavilhões temporários e residências particulares, tanto no Reino Unido como nos EUA. Mais recentemente, famosos centros de arte e importantes edifícios públicos, em Londres, Oslo e Denver, são prova da atenção que David Adjaye dedica à compreensão das necessidades dos habitantes de cada espaço e ao respeito pela integração dos edifícios no ambiente natural em que se enquadram. Ideias que assentam na premissa da qualidade de vida da sociedade nas cidades.

David Adjaye compreende o seu papel como modelo para os jovens e participa regularmente em diversas palestras. Foi ele o Professor Kenzo Tange de Arquitectura na Escola Superior de Design de Harvard, em 2007, tendo leccionado na Universidade de Princeton, em 2008. Anteriormente, tinha sido Unit Tutor na Architectural Association. Foi igualmente conferencista no Royal College of Art, onde recebeu o grau de mestre (MA) em arquitectura, em 1993 e recebeu a Medalha de Bronze do Primeiro Prémio RIBA. David Adjaye fez a sua formação na David Chipperfield Architects e, mais tarde, na Eduardo Souto de Moura Arquitectos, no Porto. As suas Idea Stores, em Crisp Street e Whitechapel receberam vários prémios e em 2005, David Adjaye recebe o prémio RIBA Building.

O seu projecto mais recente, concluído em 2010, é a SKOLKOVO - Moscow School of Management (Escola de Gestão de Moscovo), alvo de críticas muito positivas. Presentemente David Adjaye lidera a equipa FAB - Freelon Adjaye Bond/Smith Group, responsável pelo projecto do futuro National Museum of African American History and Culture (Museu Nacional de História e Cultura Africano-Americana), em Washington DC, previsto para 2015.

Em Maio de 2005, a Thames & Hudson publicou o primeiro livro de David – David Adjaye Houses: Recycling, Reconfiguring, Rebuilding (As casas de David Adjaye: Reciclar, Reconfigurar, Reconstruir), distribuído em todo o mundo. Em Janeiro de 2006, a Galeria Whitechapel, de Londres, foi palco da sua primeira exposição ‘David Adjaye: Making Public Buildings’ (David Adjaye: Fazer Edifícios Públicos), que foi acompanhada de um livro com o mesmo nome. A exposição esteve depois patente no Instituto de Arquitectura da Holanda, em Maastricht, no Studio Museum, em Harlem (Nova Iorque), no SCAD Savannah e no Museu de Arte Contemporânea, em Denver. David Adjaye co-apresentou duas séries de televisão da Dreamspaces, para a BBC, uma série de seis episódios sobre a arquitectura contemporânea, e apresentou dois programas da rádio BBC: no primeiro, apresenta uma entrevista com Oscar Niemeyer e, no segundo, com Charles Correa. Em Junho de 2005, David apresentou o programa de televisão «Building Africa: Architecture of a Continent» (Construir África: Arquitectura de um Continente). Neste contexto, prosseguiu o seu projecto pessoal de documentar cada uma das cidades capitais africanas, o qual culminou, em 2010, com a exposição «Urban Africa» (África Urbana) – uma viagem fotográfica por David Adjaye, apresentada pela primeira vez no Design Museum, em Londres. O livro foi editado em finais de 2010. Em Junho de 2007, David recebeu um OBE, pelos serviços prestados à arquitectura. Recebeu igualmente um doutoramento Honoris causa, em artes, da Universidade de East London, em Novembro de 2007. www.adjaye.com



AFRICA.CONT
O AFRICA.CONT é um projecto da Câmara Municipal de Lisboa e do Estado Português para a criação de um centro de culturas contemporâneas africanas em Lisboa. Propõe-se ser uma plataforma de desenvolvimento de diversas manifestações culturais nas diferentes expressões artísticas (cinema, teatro, dança, música e artes visuais, entre outras) entre a Europa, os Países Africanos e as suas diásporas.

Desde a sua criação, em 2008, o AFRICA.CONT promove um conjunto de iniciativas centradas nas culturas africanas, procurando sempre contribuir para a reflexão sobre questões proeminentes da actualidade africana e pensando na apresentação e fruição de conteúdos que colaborem para uma melhor compreensão das vivências africanas, na contemporaneidade.

Em três anos o AFRICA.CONT reúne já um importante conjunto de actividades com criadores e autores africanos, de onde se destacam entre outros Manthia Diawara e Lydie Diakhaté, Awam Amkpa, Salah Hassan e agora David Adjaye, também responsável pelo projecto de arquitectura das futuras instalações do AFRICA.CONT, no Palacete Pombal e Tercenas do Marquês. O projecto de arquitectura delineado prevê uma aproximação directa à vivência quotidiana da cidade, uma alusão e referência à forma como a cultura é vivida em África.