Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Do Labirinto ósseo do homem ao eixo do Rochedo


Marcelo Moscheta
Museu de História Natural e da Ciência, Lisboa

ANAGRAMAS IMPROVÁVEIS. OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES. & C.A.S.A. COLEÇÃO ÁLVARO SIZA, ARQUIVO


COLECTIVA
Ala Álvaro Siza, Porto

Terra Estreita


COLECTIVA
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

a pele da água


Pedro Tudela e Zés Pereiras
VNBM – arte contemporânea, Viseu

QUID


Isabel Sabino
Centro Cultural de Cascais, Cascais

Álbum de Família


COLECTIVA
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Mirror Drumming


João Biscainho
Appleton Square , Lisboa

Double Jeu


André Cepeda
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Cores Vistas de Dentro para Fora


COLECTIVA
Fundação Gramaxo, Maia

Exposições dos 60 anos da Galeria 111


COLECTIVA
Galeria 111 (Lisboa), Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Mandei-o matar porque não havia razão




ESPAÇO AVENIDA 211
Avenida da Liberdade, 211, 1º Dto
LISBOA

17 JUN - 19 JUN 2011


Abertura: 17, 18 e 19 Junho de 2011, das 19 às 22h


Artistas:
Ana Pissarra
Cristina D’Eça Leal
Flávia Vieira
Lara Portela
Nuno Mendonça
PIDE
Rachel Korman
Tiago Mestre

Curadoria: Emília Tavares



PRESS RELEASE


A exposição “Mandei-o matar poque não havia razão” apresenta 10 trabalhos de 8 artistas, a partir da reflexão sobre o tema da (In) Tolerância, na sequência dum projecto inicial site specific na Torre do Tombo, em Março de 2011.

A (In)Tolerância é um espaço comportamental, moral, político, cultural e social de fronteira, a cuja vivência subjaz uma tensão latente, que assistem a todos os territórios de fronteira. O título da exposição e da publicação a ela associada, evoca a obra teatral de Albert Camus, Calígula, personagem marcada pelo universo do absurdo total, que representa uma filosofia auto-crítica regida pela ideia de que “somos todos culpados”, do direito e a liberdade de pensar o mal, de experimentar todas as mais intensas e fracturantes contradições da existência humana.

A (In)Tolerância está presente do público ao privado, em todos os confrontos, em todas as pacificações, nos regimes políticos de ontem, nos do presente. A sua dinâmica é a das contradições, dos juízos morais, do exercício da opressão e da libertação dos mesmos, duelo permanente entre o certo e o errado, sabendo que todo um mundo de incongruências, veleidades, erros e tentativas se instala na sua definição e prática quotidiana.

As obras apresentadas nesta exposição condensam, no seu próprio processo criativo, a tensão e confronto inerentes ao conceito de (In)Tolerância, o que resulta numa multiplicidade de abordagens que vão desde o público ao universo intimista, do social, político e histórico ao sexual, do real ao imaginário, expondo a maleabilidade do conceito e os métodos da sua representação.

(Emília Tavares)