Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Et sic in infinitum


José Pedro Croft
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

INTERSECTIO


José de Carvalho e Peter Halley
Fundação Eugénio de Almeida - Centro de Arte e Cultura, Évora

Coleção da Farm Security Administration


COLECTIVA
CEFT — Casa dos Cubos, Tomar

Ninguém termina na ponta dos dedos


Sandra Valle
IMAGO, Lisboa

Vim para enterrar César


Gustavo Sumpta
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

A Life on Stage


Peter Wächtler
Culturgest, Lisboa

Paisagem Continuada


Pedro Chorão
Galeria Monumental, Lisboa

OLHAR DE PERTO, PONTO DE INDECISÃO


JÚLIA VENTURA
Galeria Pedro Oliveira, Porto

Diário – dias incertos


Fátima Mendonça
Galeria 111, Lisboa

PARADEISOS


Henrique Vieira Ribeiro
Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

Mandei-o matar porque não havia razão




ESPAÇO AVENIDA 211
Avenida da Liberdade, 211, 1º Dto
LISBOA

17 JUN - 19 JUN 2011


Abertura: 17, 18 e 19 Junho de 2011, das 19 às 22h


Artistas:
Ana Pissarra
Cristina D’Eça Leal
Flávia Vieira
Lara Portela
Nuno Mendonça
PIDE
Rachel Korman
Tiago Mestre

Curadoria: Emília Tavares



PRESS RELEASE


A exposição “Mandei-o matar poque não havia razão” apresenta 10 trabalhos de 8 artistas, a partir da reflexão sobre o tema da (In) Tolerância, na sequência dum projecto inicial site specific na Torre do Tombo, em Março de 2011.

A (In)Tolerância é um espaço comportamental, moral, político, cultural e social de fronteira, a cuja vivência subjaz uma tensão latente, que assistem a todos os territórios de fronteira. O título da exposição e da publicação a ela associada, evoca a obra teatral de Albert Camus, Calígula, personagem marcada pelo universo do absurdo total, que representa uma filosofia auto-crítica regida pela ideia de que “somos todos culpados”, do direito e a liberdade de pensar o mal, de experimentar todas as mais intensas e fracturantes contradições da existência humana.

A (In)Tolerância está presente do público ao privado, em todos os confrontos, em todas as pacificações, nos regimes políticos de ontem, nos do presente. A sua dinâmica é a das contradições, dos juízos morais, do exercício da opressão e da libertação dos mesmos, duelo permanente entre o certo e o errado, sabendo que todo um mundo de incongruências, veleidades, erros e tentativas se instala na sua definição e prática quotidiana.

As obras apresentadas nesta exposição condensam, no seu próprio processo criativo, a tensão e confronto inerentes ao conceito de (In)Tolerância, o que resulta numa multiplicidade de abordagens que vão desde o público ao universo intimista, do social, político e histórico ao sexual, do real ao imaginário, expondo a maleabilidade do conceito e os métodos da sua representação.

(Emília Tavares)