Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Uma Figura Semelhante


Diogo Costa
Diogo Costa Atelier, Almada

Sombras do Tempo


MÁRIO MACILAU
Galeria MOVART, Lisboa

Lanhaslândia (Expandida)


Fernando Lanhas
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

Polaris


Francisco Tropa
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

It`s not a landscape | It`s a battlefield


Alexandre Conefrey
Galeria 111, Lisboa

FotoUtopia: Construções Imaginárias


Ana Linhares, Estefanía Landesmann, Pedro Valdez Cardoso e São Trindade
Fábrica das Palavras, Vila Franca de Xira

20 anos para a frente, 20 anos para trás


Sofia Areal
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Cidadãos do Cosmos


Anton Vidokle
Rampa, Porto

Side Facing the Wind


Silvia Bächli
Fidelidade Arte, Lisboa

NADA EXISTE


RUI CHAFES
Galeria Filomena Soares, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOÃO LOURO

5 Minutes After Violent Death




ERMIDA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO
Travessa do Marta Pinto, 21
1300-390 LISBOA

11 JAN - 09 MAR 2014


INAUGURAÇÃO: 11 de Janeiro, 18h


“5 Minutes After Violent Death” representa, segundo o artista, as imagens, as variadíssimas imagens, que se julga percorrem a memória de uma pessoa que acabe de falecer. A exposição é composta por várias imagens fotográficas de pequeno formato contendo também duas fotografias de médio formato, montadas numa caixa de luz. Todas estas imagens têm o mesmo texto impresso nelas inscrito (5 Minutes After Violent Death). No exterior do edifício, na sua fachada, estará colocada uma caixa de luz.

O artista, que nos tem habituado a obras que contêm um sentido que se situa sempre para além de uma leitura imediata, estabelecendo continuamente uma relação próxima com o horizonte cultural da modernidade e da sociedade pós industrial trás, a este espaço de culto, dessacralizado, mais um episódio da sua incessante perseguição à questão da imagem.

Será publicado um catálogo da exposição que contará com um texto de Ana Cristina Cachola.