Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

A Paixão segundo João de Deus_Recordações de João César Monteiro



Rivoli Teatro Municipal, Porto

Desdobramentos do readymade


Conceção: Sofia Nunes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Visita Guiada


Pure Emulsion de José luís Neto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

Lançamento do livro: O DESIGN QUE O DESIGN NÃO VÊ


de Mário Moura
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Tiago Cadete


Entrevistas
Rua das Gaivotas 6 , Lisboa

Speech Acts / Actos Discursivos


Speech Acts / Actos Discursivos, de Jonathan Sullam no Rui Calçada Bastos Studio
Rui Calçada Bastos Studio, Lisboa

Luz Obscura


Susana de Sousa Dias
Cinema Ideal, Lisboa

vídeo, fotografia e instalação


Letícia Ramos
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Visita Temática: He CHOSE it, Fonte 1917


Sofia Nunes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Lucrecia Martel


Masterclass
Universidade Católica do Porto, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

GUSTAVO SUMPTA

Levantar o Mundo




CONVENTO SÃO FRANCISCO
Av. da Guarda Inglesa 3
3040-270

17 JAN - 17 JAN 2018


PERFORMANCE: 17 de janeiro, 19h


Tendo por base a frase de Arquimedes «Dai-me um ponto de apoio e levantarei o Mundo», Gustavo Sumpta aplica neste projeto o princípio da Alavanca. «Levantar o Mundo» é um projeto desenvolvido especialmente para a Anozero - Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra‎. O material utilizado será um tubo de ferro de 12 × 0,10 × 0,30 m em chapa de 5 mm, esfera de rolamento, um pneu industrial (-23.5 × 25) e lixa metálica.



Gustavo Sumpta nasceu em 1970, em Luanda, e atualmente vive e trabalha em Berlim.

Enquanto artista visual, realizou diversas exposições individuais, das quais se destacam Coser a Língua ao Céu-da-Boca, Rosalux, Berlim (2017); Gustavo Sumpta, Ar Sólido, Lisboa (2015); Boa hora para trabalhar, Uma certa falta de coerência, Porto (2014); Enquanto o sangue corre a pique, Parkour, Lisboa (2013). O seu trabalho marcou também presença em exposições coletivas como O Tempo e o Modo, para um retrato da pobreza em Portugal, Pavilhão 31, Lisboa (2015); A Natureza ri da Cultura, Museu da Luz, Alqueva (2013); Bienal Gyumri, Museu Etnográfico de Gyumri (Arménia), e Prémio EDP, Novos artistas, Central do Freixo, Porto.

Enquanto performer, Gustavo Sumpta apresentou Pó de lâmpada, Galeria Pedro Oliveira, Porto, e ZDB, Lisboa (2015); Comboio Fantasma, Calçada do Combro, Lisboa (2012); A raiz da fruta, Festival Point d’impact, Genebra (2010); Assim não vais longe, RE.AL, Lisboa (2008); Amigo do meu amigo não é meu amigo, Centro Cultural de Vila Flor, Guimarães (2006); Vitória, vitória, acabou.se a história, projeto Toxic, Fundição de Oeiras, Oeiras.