Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

CICLO DE CINEMA INDEPENDENTE NO ALGARVE



Vários locais, Algarve,

Concerto de Abertura 40º Festival CITEMOR


IVO DIMCHEV
TAGV, Coimbra

Convidado de Verão


Joaquim Sapinho
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Sud-Express: Olhares Internacionais sobre Arquitetura Portuguesa


Laurent Beaudouin e Francis Rambert
Casa da Arquitetura, Matosinhos

Pedro Calapez, Fernando Rosa Dias e Raquel Henriques da Silva



Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Conversa com


Ann Hamilton
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

The zero alternative: Ernesto de Sousa and some other aesthetic operators in Portuguese art and poetry from the 1960s onwards


Lançamento da edição de 2018 da revista OEI # 80–81
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Dissociation


Pierre Barbrel
Livraria Sá da Costa, Lisboa

Cinema e Revolução


Luís Miguel Oliveira e Carlos Natálio
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Escutar as Águas


Francisco Tropa, José Tolentino Mendonça e Paulo Pires do Vale
Museu do Dinheiro, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


RUI LOPES

A representação de Macau colonial no cinema de Hollywood




MUSEU DO ORIENTE
Largo Vitorino Damásio, 4


18 FEV - 18 FEV 2018


CONFERÊNCIA: 18 de Fevereiro, 16h



A representação de Macau colonial no cinema de Hollywood é a conferência que precede a apresentação do filme “Irmãs” de Tracy Choi, no encerramento do ciclo “Cinema Macau. Passado e presente”, no dia 18 de Fevereiro, às 16h00, no Museu do Oriente, com entrada livre.


PROGRAMA

CONFERÊNCIA | 16.00
«A REPRESENTAÇÃO DE MACAU COLONIAL NO CINEMA DE HOLLYWOOD DURANTE OS ANOS 50»
Por Rui Lopes, investigador do Instituto de História Contemporânea da FCSH da Universidade Nova de Lisboa


HISTÓRIAS DE MACAU III | 17.00
Irmãs (97’), Tracy Choi, 2016
Filme legendado em inglês.


:::


Durante o Estado Novo, Macau foi a colónia portuguesa mais proeminente na ficção cinematográfica norte-americana, servindo de localização para mais de uma dúzia de enredos de crime e aventura. Para isto contribuíram, não apenas a sua ancestral reputação como antro de vícios exóticos e o típico fascínio de Hollywood por narrativas orientalistas, mas também o contexto geopolítico desse território. A maioria dos filmes foram produzidos na década de cinquenta, aproveitando o facto de a colónia se encontrar simultaneamente situada numa fronteira da guerra fria e dominada por uma potência fora do sistema de Bretton Woods, elementos propícios a tramas de intriga em torno de espionagem e contrabando.

Nesta palestra, Rui Lopes - doutorado em História Internacional e investigador do investigador do Instituto de História Contemporânea da NOVA FCSH - analisa o contexto em que emergem essas produções e as implicações do modo como apresentam o colonialismo português em Macau.

Ao longo de sete sessões temáticas no Museu do Oriente, com curadoria da jornalista e crítica de cinema Maria do Carmo Piçarra, “Cinema Macau. Passado e presente” procurou refletir sobre a pluralidade de olhares sobre Macau durante o século XX, bem como após a transição para a administração do território pela China. O ciclo prolonga-se agora até 26 de Fevereiro, na Cinemateca Portuguesa.