Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

História do Crime


João Louro
Galeria Vera Cortês, Lisboa

15ª Pedra: Manoel de Oliveira e João Bénard da Costa em Conversa Filmada


Rita Azevedo Gomes
Cinemateca, Lisboa

ENSAIOS PARA LIVRO — CARACTERE #2 DO SOM


Sara Vaz e Marco Balesteros
Rua das Gaivotas 6 , Lisboa


1 000 056.ª Aniversário da Arte
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra


Visita orientada | Paula Rego: Anos 80
Casa das Histórias Paula Rego, Cascais

COMER O CORAÇÃO EM CENA


Vera Mantero e Rui Chafes
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

The 1960s in Iraque: Art and Culture


NADA SHABOUT
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

MANOEL DE OLIVEIRA INTEGRAL – O VISÍVEL E O INVISÍVEL (II)


João Botelho, João Mário Grilo, Rita Azevedo Gomes
Cinemateca, Lisboa

Vaivém


Bruno Pacheco e Bruno Marchand
Galeria Quadrum, Lisboa

Ciclo de cinema


Manoel de Oliveira Integral – O Visível e o Invisível
Cinemateca, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


PEDRO LAPA E RAQUEL HENRIQUES DA SILVA

Cidades de Amadeo




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 LISBOA

08 MAR - 08 MAR 2018


"Cidades de Amadeo" | Mesa-Redonda com Pedro Lapa e Raquel Henriques da Silva | 8 de Março | Fundação Calouste Gulbenkian | Lisboa

Enquanto tema e problema, a cidade tem vindo a ser abordada por Baudelaire, Georg Simmel, Robert Musil, Walter Benjamin, Henry Lefebvre, entre outros autores e artistas. A atenção ao presente e a consciência da multiplicidade de estímulos urbanos acabaram por contaminar grande parte das propostas artísticas, tornando temas e técnicas da cidade – a velocidade, a experiência do instável, a multidão, a electricidade, o reclame, a colagem e o uso de materiais “pobres” – uma via operativa nos discursos sobre o modernismo.
Amadeo de Souza-Cardoso, em frequente circulação entre Amarante e Paris, reinterpretou tanto o meio rural – interesse não desligado das suas raízes e de um impulso moderno de apropriações primitivistas –, como a vida urbana, presente nas suas caricaturas, em entrevistas que concedeu e nalgumas das suas últimas pinturas, carregadas de alusões à mercadoria, à técnica e à telegrafia. Na sua obra, propensa a transferências de forças entre homens, objectos e animais, a representação da figura humana oscila entre retratos da ruralidade, por vezes convertidos em máscaras, e uma crescente mecanização. Lançamos, por isso, o repto de pensar a obra de Amadeo, tendo em conta os discursos sobre a modernidade formulados em diferentes disciplinas, as dicotomias urbanidade/ruralidade e centro/periferia, bem como abordagens antropológicas e ontológicas do homem, de forma a reequacionar o seu lugar na historiografia do modernismo.

Organização: Joana Cunha Leal (IHA/FCSH/NOVA), João Oliveira Duarte (IHA/FCSH/NOVA), Maria Celeste Natário (IF/FLUP) e Marta Soares (IHA/FCSH/NOVA).