Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Retrospetiva integral da obra cinematográfica


Michael Snow e Peggy Gale
Cinemateca, Lisboa


Lançamento da revista Propeller # 3
A Padaria do Povo, Lisboa

Problematizar a realidade – encontros entre arte, cinema e filosofia


Alain Brossat e Jean-Gabriel Périot
Goethe-Institut Portugal, Lisboa

CICLO PERFORMATIVO GEOMETRIA SÓNICA


Pedro Tudela e Miguel Carvalhais + Rafael Toral
Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande - Açores

14ª edição da ANIMAR


Cinema de animação
Solar - Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde

COSMO/POLÍTICA #3: O Mundo Começou às 5 e 47


Hugo Canoilas, Miguel Castro Caldas e Tatiana Macedo
Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira

20ª Sessão do Ciclo Colecionar Arte


Ana Marin/Jorge Gaspar e Raquel Guerra
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

PRÉMIO BÁRBARA VIRGÍNIA


Júlia Buisel
Cinemateca, Lisboa

Eu sou um nómada


Carlos Bunga
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

JOAN MIRÓ E A MORTE DA PINTURA


JOAN PUNIET MIRÓ E MARKO DANIEL
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


VOLKAN DIYAROGLU

Finissage: Eu nunca emergi | emergir para afundar




MAUS HÁBITOS - ESPAÇO DE INTERVENÇÃO CULTURAL
Rua Passos Manuel, 178, 4º
4200-382 PORTO

22 SET - 22 SET 2018


FINISSAGE / CONVERSA: 22 de Setembro, 17h


Eu nunca emergi | emergir para afundar
de Volkan Diyaroglu



FINISSAGE

Volkan Diyaroglu, o artista escolhido para integrar mais um dos ciclos de residência artística do Maus Hábitos, no Porto, estará presente na finissage de Eu nunca emergi | emergir para afundar, dia 22 de setembro às 17 horas, para uma conversa com o público.
Na exposição que é a sua vigésima individual, o artista explora o duplo significado da palavra emergir, retratando o estado de emergência que se instala sobre a política e a economia mundial e os seus efeitos sobre o ambiente e o quotidiano dos cidadãos. Pela pintura, impressão digital e escultura, Diyaroglu suscita a reflexão sobre a permeabilidade do tecido democrático às questões nacionalistas, ataques à liberdade e ao imperialismo monetário.
Em entrevista ao jornal Público, Diyaroglu comenta: “Gosto muito do Porto, já cá estive várias vezes, e há uns quatro ou cinco anos ainda estava tudo bastante decadente, o que me agradava, porque era muito poético – a minha mulher, que é polaca, até me dizia que eu queria viver no Porto porque era igual a Istambul, decadente e com gatos e gaivotas, e ainda por cima sem turcos”, ri-se. “Mas agora", prossegue, aclarando o título que escolheu para esta exposição, "está-se a viver aqui o mesmo que em muitas cidades: a economia melhora com o turismo e o dinheiro que vem de fora, mas ao mesmo tempo que algo está emergindo, alguma coisa se está também afundando".
Dentre as obras, quase todas inéditas, podem ser contempladas Socorro Portugal, Sideview of a congolese worke´s salary of a month e Falsas notícias, falso alarme.



CONVERSA

Uma conversa aberta ao público marcará a finissage de Eu nunca emergi | emergir para afundar, exposição patente ao longo dos dois últimos meses que apresenta o trabalho do artista turco Volkan Diyaroglu. O evento tem acesso livre e terá lugar pelas 17h00 de dia 22 de Setembro na sala de exposições do Maus Hábitos.

Explorando o duplo significado da palavra emergir, a mostra apresenta trabalhos originais, realizados em residência no Porto, que retratam o estado de emergência que se instala sobre a política e a economia mundial e os seus efeitos sobre o ambiente e o quotidiano dos cidadãos. Pela pintura, impressão digital e escultura, Diyaroglu suscita a reflexão sobre a permeabilidade do tecido democrático às questões nacionalistas, ataques à liberdade e ao imperialismo monetário.

A iniciativa conta com apoio da Câmara Municipal do Porto e faz parte do programa Caravana* que integra o projeto artístico do Maus Hábitos levado a cabo pela Saco Azul Associação Cultural.



:::


*CARAVANA é um programa de residências que procura desenvolver experiências artísticas e expositivas que sejam consequência do cruzamento e coabitação dos artistas na cidade do Porto e na comunidade artística envolvente à Saco Azul/Maus Hábitos. Este projeto existe desde 2015 e surgiu da vontade de acolher artistas nacionais e internacionais através de protocolos de cruzamento e do intercâmbio com outros parceiros.