Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Abertura de Ateliers de Artistas


9ª edição
Vários locais/Lisboa, Lisboa

O Cisne de Bayreuth


Jorge Calado
MUSEU DA MÚSICA, Lisboa

Novas Perspectivas:Descolonização, Arte e Museu


Kalaf Epalanga e Jochen Volz
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Jean-Marie Straub e Danièle Huillet


Lothringen! (Lorraine!) | Cézanne
Cinemateca, Lisboa

Em torno do Desenho


Encontro
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

HAPPY HOUR [HORA FELIZ]


Ryusuke Hamaguchi
Cinema Nimas, Lisboa

I Colóquio Internacional: GEORG SIMMEL: METAFÍSICO - “O SIGNIFICADO ETERNO DO TEMPORAL”



Museu Coleção Berardo, Lisboa

Building Stories. Histórias Construídas


Debate de encerramento
Garagem Sul, León

Palácio de Monserrate abre à noite com entrada livre



Palácio de Monserrate, Sintra

Eternity has no door of Escape | Encounters with Outsider Art


Arthur Borgnis
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


LUÍS URBANO

Corta e cose. Justaposições entre arquitetura e cinema




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 LISBOA

26 SET - 26 SET 2018


Conferência: 26 de Setembro, às 18h, no Auditório do Museu Coleção Berardo


A partir dos conceitos de projecto, enquadramento, luz, montagem, movimento, tempo e lugar, serão exploradas justaposições entre a arquitetura e o cinema, analisando a forma como o espaço arquitetónico e urbano, real ou encenado, é um elemento constituinte das imagens em movimento. De igual modo, serão examinadas as múltiplas dimensões em que o cinema pode ser encarado como uma ferramenta no processo criativo, na percepção e na disseminação da arquitetura. Exemplos dessa relação são a omnipresença da cidade ao longo da história do cinema ou a representação da profissão de arquiteto nos filmes. Será destacada a forma como o cinema possui a capacidade de criar um ‘sentido de lugar’, representando os espaços arquitetónicos como lugares ‘habitados’, fenómeno relacionado não apenas com a realidade física dos cenários filmados, mas igualmente com a ligação vivencial que o espectador estabelece com a luz, o som, a mise-en-scène ou estrutura narrativa.​

Conferencista:
Luís Urbano é arquiteto e docente da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP). Licenciou-se na Universidade de Coimbra em 1998 e concluiu o doutoramento na FAUP em 2015. Escreveu artigos e apresentou comunicações sobre as interseções entre a arquitetura e o cinema em diversas publicações e conferências. Coordenou o Workshop “Cinemarchitecture” (2008, 2009 e 2010), o Curso de Verão “Arquitetura e Cinema” (2010, 2011 e 2012) e organizou os Seminários “Portugal 1960-74” (2010), “Revoluções” (2011) e a Conferência Internacional “Inter[Sections]” (2013). Na FAUP, coordenou o Projeto de Investigação “Ruptura Silenciosa”, no âmbito do qual produziu dez curtas-metragens. É editor da revista “JACK – Journal on Architecture and Cinema” e dos livros "Designing Light" (2007), “Mundo Perfeito” (2008), “Revoluções. Arquitectura e Cinema nos anos 60/70” (2013) e “Circa 1963. Conversas com arquitetos e cineastas” (2018). É autor do livro “Histórias Simples. Textos sobre Arquitectura e Cinema” (2013) e das curtas-metragens “Sizígia” (2012), “A Casa do Lado” (2012) e “Como se desenha uma casa” (2014).​