Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Ciclo de cinema


Manoel de Oliveira Integral – O Visível e o Invisível
Cinemateca, Lisboa

19ª sessão do Ciclo Colecionar Arte


Pedro Alvares Ribeiro+José Pedro Croft
MNAC - Museu do Chiado , Lisboa

Ciclo de encontros, conversas e performances


Questões práticas: desaprender continuamente
Centro de Memória de Vila do Conde, Vila do Conde

LUZAZUL


Masterclass com Miguel Soares
FBAUP - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto

Dissecação de Um Cisne


Miguel Bonneville
Teatro São Luiz, Lisboa

CHELSEA GIRLS


Andy Warhol
Cinemateca, Lisboa

www.we want waffles #1


JOÃO ESTEVENS
ESPAÇO ALKANTARA , Lisboa

Moi, Corinne Dadat


Mohamed El Khatib
Teatro Nacional D.Maria II, Lisboa

A Gulbenkian e o Cinema Português III


Ciclo de Cinema
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Bernardo Pinto de Almeida


Arte e Infinitude
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


RYUSUKE HAMAGUCHI

HAPPY HOUR [HORA FELIZ]




CINEMA NIMAS
Avenida 5 de Outubro, 42B
LISBOA

04 OUT - 04 OUT 2018


HAPPY HOUR: HORA FELIZ (1ª Parte)
Sessão Especial, 4 de Outubro, às 21h45
Espaço Nimas

HAPPY HOUR: HORA FELIZ, o filme em três partes de Ryusuke Hamaguchi, estreia dia 4 (1ª Parte) e dia 11 de Outubro (2ª e 3ª Partes). Aclamado por toda a crítica, este tríptico japonês desenvolve-se sobre a vida de quatro mulheres, todas na casa dos 30 anos. Três são casadas, uma é divorciada. Entre si, não há segredos - ou assim parecia ser...

HAPPY HOUR: HORA FELIZ é um épico, de inquestionável profundidade e riqueza, sobre o desencantamento amoroso e as ressonâncias da amizade na narrativa do quotidiano feminino. Quatro mulheres, três casadas, uma divorciada – ou assim parece ser. Um caso de divórcio difícil, um desaparecimento, muita intriga.

Uma obra de cinema moderno que marca pelo seu estilo rigoroso, detalhado e meditativo, atravessando personagens, lugares e o próprio espaço da ilusão das relações humanas, lembrando o cromatismo afectivo do Destino de um Mizoguchi, a mística feminina de um Ozu, a simplicidade fluida de um Kore-eda ou a forma exaustiva no tratamento dos diálogos de um Rohmer, esta longa-metragem de cinco horas e um quarto, que é já um sucesso em França, é um coup de coeur onde Hamaguchi ganha cada fracção do nosso tempo que parece imergir pela vividez e frescura da narrativa.

O filme chega aos cinemas em sessão especial, numa exibição que será acompanhada por uma conversa com as seguintes convidadas: Cláudia Varejão (realizadora), Rita Taborda Duarte (escritora), Sónia Baptista (poeta e performer), Teresa Coutinho (actriz), e com moderação de Sara Carinhas (actriz).


CONVIDADAS:

CLÁUDIA VAREJÃO nasceu no Porto e estudou cinema no Programa de Criatividade e Criação Artística da Fundação Calouste Gulbenkian em parceria com a German Film und Fernsehakademie Berlin, na Academia Internacional de Cinema de São Paulo Brasil e fotografia na AR.CO, em Lisboa. É autora da curta documental Falta-me/Wanting e da triologia de curtas de ficção Fim-de-semana / Weekend, Um dia Frio / Cold Day e Luz da Manhã / Morning Light. No Escuro do Cinema Descalço os Sapatos é a sua estreia em longas metragens. Ama-San 海女さん é o seu mais recente filme com estreia marcada para 2016. Para além do seu trabalho como realizadora desenvolve um percurso na fotografia.

RITA TABORDA DUARTE nasceu em Lisboa, em 1973. É poeta, crítica literária, professora do ensino superior e escritora de livros para a infância Foi membro da Comissão de Leitura da Fundação Calouste Gulbenkian e escreve regularmente sobre poesia e ensaio, nas mais diversas publicações. Tem integrado júris de prémios para originais de literatura infanto-juvenil (Prémio Branquinho da Fonseca- Expresso/Gulbenkian), de poesia e de ficção (Prémio PEN-Club português). Em 1998, publica o seu primeiro livro de poesia (Poética Breve, Black Sun Editores), a que se seguiram outros dois: Na estranha Casa de um Outro e Dos Sentidos das Coisas ( co-autoria de André Barata) Em 2003, vence o prémio Branquinho da Fonseca Expresso-Gulbenkian, com o livro A Verdadeira História da Alice. A partir daí, tem escrito com regularidade para crianças e jovens, contando com uma dezena de obras publicadas, muitas delas incluídas no Plano Nacional de Leitura.
Em 2015 publica o livro de poesia Roturas e Ligamentos (Abysmo) em parceria com André da Loba (ilustrações).
Certa vez, num encontro numa biblioteca escolar, um menino chamou-a «Escritora Infantil». Desde esse dia, assumiu o epíteto e diverte-se a brincar, infantilmente, com as palavras.

SÓNIA BAPTISTA, é mestra em Coreografia e Performance pela Universidade de Roehampton em Londres. No conjunto da sua obra, explora e experimenta com as linguagens da Performance, Dança, Música, Literatura, Teatro e Vídeo. Com tudo faz poemas dramatúrgicos, espectáculos e performances. Tem seis livros publicados.

TERESA COUTINHO (n.1988) é actriz e criadora. Realça o trabalho com Christiane Jatahy, Tiago Rodrigues, Rogério de Carvalho, Faustin Linyekula, Ricardo Neves-Neves, Maria João Luís, Raquel Castro, Maria Duarte, Os Possessos, entre outros.
Criou e escreveu O Eterno Debate (2018), Ways of Looking (2017) a partir de John Berger, com Guilherme Gomes, Agora Eu Era (2017), um espectáculo para a infância, com Pedro Moura e Indicação para se Perder (2014), a partir de Marguerite Duras, com Constança Carvalho Homem.
É coordenadora do ciclo de poesia Clube dos Poetas Vivos, no TNDM II.