Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Tempo sem Espaço, Espaço sem Tempo


Rui Chafes
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Estação Vernadsky


Finissage/Conversa
Travessa da Ermida, Lisboa

BAIRRO EUROPA


VISITAS-DEBATE À OBRA DE SIZA VIEIRA
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Podem os agentes artificiais criar arte?


Mark Coeckelbergh
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

JOÃO PAULO FELICIANO


Xabregas City
Ar.Co Lisboa, Lisboa

Outubro: a Revolução nas Artes Visuais


Visita orientada por Sofia Nunes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Um Céu de Folhas


Visita Guiada com os Artistas
Parque Dom Carlos I, Caldas da Rainha

Jonas Mekas


Cinema na Linha de Fogo
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Almada e a matemática


Ciclo de conferências
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Memórias, Resgates e Riscos


Conversa com Grada Kilomba
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

PERE PORTABELLA

O cinema de Pere Portabella




CINEMATECA
Rua Barata Salgueiro, 39 LISBOA
1269-059 LISBOA

20 MAR - 31 MAR 2017


Pere Portabella, nascido em 1929 em Figueres (Catalunha), é um dos maiores cineastas espanhóis em atividade, embora o grosso da sua obra ainda seja, para o público português, um “segredo”, visto que nenhum dos seus filmes foi comercialmente distribuído no nosso país, e a sua divulgação se limitou a projeções na Cinemateca ou em festivais. Ativo como realizador desde os anos 60, com um passado de militância anti-franquista (“chave” pela qual devem ser lidos alguns dos seus filmes, como o díptico “de vampiros” CUADECUC e UMBRACLE, subtis “projeções” da figura de Franco) e profundamente envolvido na política na era democrática (foi deputado no parlamento catalão), a sua obra, sempre seguindo caminhos inesperados e voando sobre as fronteiras tradicionais do documentário e da ficção, toca diversos temas – da política (INFORME GENERAL, reflexão sobre a situação de Espanha na época da transição depois da morte de Franco) à cultura catalã (as suas curtas sobre Miró, entre outras), passando por questões mais “universais” (como DIE STILLE VOR BACH, fascinante reflexão sobre a música de Bach e o seu simbolismo “civilizacional”). Como produtor, foi responsável por essa “bomba” que marcou o regresso episódico de Buñuel a Espanha e causou um grande embaraço ao estado franquista (falamos de VIRIDIANA e subsequente “escândalo”), mas também pelo impulso dado ao arranque das obras de Carlos Saura e Marco Ferreri.
Pere Portabella estará em Lisboa para acompanhar os últimos dia do ciclo e participar num debate com os espectadores da Cinemateca, momento em que estará igualmente presente Esteve Riambau, diretor da Cinemateca da Catalunha. Para além da obra de Portabella, o ciclo contempla uma “carta branca”, integrando um conjunto de filmes escolhidos por ele. Entre eles conta-se, naturalmente, VIRIDIANA. À exceção de UMBRACLE, CUADECUC, VAMPIR, DIE STILLE VOR BACH, os filmes de Portabella são primeiras exibições na Cinemateca.