Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Muvi - Festival Internacional de Música no Cinema



Passos Manuel, Porto

The Ferryman


Gilles Delmas / Damien Jalet
Cinema São Jorge, Lisboa

FESTIVAL DDD – Dias da Dança



Porto, Matosinhos e Gaia,

Encontro Cinema e Educação na Cinemateca Portuguesa



Cinemateca, Lisboa

ENDGAME


Tania Bruguera
Mosteiro de São Bento da Vitória, Porto

Longe do Pintor da Linha Rubra


João Miguel Fernandes Jorge
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Ciclo de mesas-redondas


Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

The Swimmer, Resenha e Som: 3 imagens por Fala Mariam 2009-2016


Fala Mariam
Empty Cube, Lisboa

ODE TO THE ATTEMPT (A SOLO FOR MESELF)


Jan Martens
MAAT, Lisboa

Fatamorgana


Salomé Lamas
CCB (Pequeno Auditório), Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

PERE PORTABELLA

O cinema de Pere Portabella




CINEMATECA
Rua Barata Salgueiro, 39 LISBOA
1269-059 LISBOA

20 MAR - 31 MAR 2017


Pere Portabella, nascido em 1929 em Figueres (Catalunha), é um dos maiores cineastas espanhóis em atividade, embora o grosso da sua obra ainda seja, para o público português, um “segredo”, visto que nenhum dos seus filmes foi comercialmente distribuído no nosso país, e a sua divulgação se limitou a projeções na Cinemateca ou em festivais. Ativo como realizador desde os anos 60, com um passado de militância anti-franquista (“chave” pela qual devem ser lidos alguns dos seus filmes, como o díptico “de vampiros” CUADECUC e UMBRACLE, subtis “projeções” da figura de Franco) e profundamente envolvido na política na era democrática (foi deputado no parlamento catalão), a sua obra, sempre seguindo caminhos inesperados e voando sobre as fronteiras tradicionais do documentário e da ficção, toca diversos temas – da política (INFORME GENERAL, reflexão sobre a situação de Espanha na época da transição depois da morte de Franco) à cultura catalã (as suas curtas sobre Miró, entre outras), passando por questões mais “universais” (como DIE STILLE VOR BACH, fascinante reflexão sobre a música de Bach e o seu simbolismo “civilizacional”). Como produtor, foi responsável por essa “bomba” que marcou o regresso episódico de Buñuel a Espanha e causou um grande embaraço ao estado franquista (falamos de VIRIDIANA e subsequente “escândalo”), mas também pelo impulso dado ao arranque das obras de Carlos Saura e Marco Ferreri.
Pere Portabella estará em Lisboa para acompanhar os últimos dia do ciclo e participar num debate com os espectadores da Cinemateca, momento em que estará igualmente presente Esteve Riambau, diretor da Cinemateca da Catalunha. Para além da obra de Portabella, o ciclo contempla uma “carta branca”, integrando um conjunto de filmes escolhidos por ele. Entre eles conta-se, naturalmente, VIRIDIANA. À exceção de UMBRACLE, CUADECUC, VAMPIR, DIE STILLE VOR BACH, os filmes de Portabella são primeiras exibições na Cinemateca.