Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

A Aura da Imagem


Nélio Conceição e Vítor do Reis
FBAUP - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto

Still Cabanon


Lançamento de catálogo
,

Desenhar um Anjo


Philip Cabau
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

The New Art Fest´17


Finissage
Museu Nacional de História Natural, Lisboa

Curar e Reparar o Contruído


ciclo de conferências de arquitetura
Convento São Francisco, Coimbra

Tempo sem Espaço, Espaço sem Tempo


Rui Chafes
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Estação Vernadsky


Finissage/Conversa
Travessa da Ermida, Lisboa

BAIRRO EUROPA


VISITAS-DEBATE À OBRA DE SIZA VIEIRA
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Podem os agentes artificiais criar arte?


Mark Coeckelbergh
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

JOÃO PAULO FELICIANO


Xabregas City
Ar.Co Lisboa, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

SALOMÉ LAMAS

Fatamorgana




CCB (PEQUENO AUDITÓRIO)
Praça do Império
1449-003 LISBOA

12 ABR - 13 ABR 2017


Dia 12 e 13 de abril, às 21h no Pequeno Auditório do CCB.


Salomé Lamas tem desenvolvido um corpo de trabalho destinado a salas de cinema, a museus e a galerias. Lamas procura diluir a suposta fronteira entre documentário e ficção. Interessada pela relação intrínseca entre narrativa, memória e história, Lamas utiliza a narrativa para explorar o traumaticamente reprimido, aparentemente irrepresentável ou historicamente invisível, desde os horrores da violência colonial até às paisagens do capital global.

Para a BoCA, a artista apresenta em estreia mundial “Fatamorgana”, a sua primeira criação de palco.

Uma paródia política, onde uma mulher dá por si num museu de cera – nos arredores de Beirute – após a hora do fecho, e de onde emergem figuras históricas – outras contemporâneas. Tal como Molly Bloom e, mais virtuosa, Penélope, Hanan espera pelo marido. Hosni Mubarak, Yasser Arafat, Bill Clinton, Donald Trump, Saddam Hussein, Georges W. Bush, Bashar al-Assad ou o Homem Mais Baixo do Mundo são algumas das personagens que emergem, como fantasmas, e com quem dialoga, limpando-lhes o pó. Hanan torna-se surda, torna-se cega e, provavelmente, muda. Para que servem as palavras quando ninguém as ouve?