Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Ciclo de Cinema Curar e Reparar


O Rei de Nova Iorque / King Of New York
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Lançamento do Guia de Performance + Visita comentada à exposição


2017 diorama_01 de Tomaz Hipólito
Museu Nacional de História Natural, Lisboa

Interferências


Jorge Martins
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

CICLO CINEMA PORTUGUÊS: NOVOS OLHARES - IV


MARY | PLANT IN MY HEAD | SEEMS SO LONG AGO, NANCY | A TRAMA E O CÍRCULO
Cinemateca, Lisboa

Revista dedicada à fotografia


PROPELLER
Padaria do Povo, Lisboa

CICLO DE CINEMA


A Gulbenkian e o Cinema Português – Territórios de Passagem
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

UNDERSCORE


Coletiva
Centro Cultural de Belém, Lisboa

Bacantes - Prelúdio para uma Purga


Marlene Monteiro Freitas
Rivoli Teatro Municipal, Porto

Cântico Negro


Pedro Cabrita Reis
Galeria João Esteves de Oliveira, Lisboa

Cântico Negro


Pedro Cabrita Reis
Galeria João Esteves de Oliveira, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

SALOMÉ LAMAS

Fatamorgana




CCB (PEQUENO AUDITÓRIO)
Praça do Império
1449-003 LISBOA

12 ABR - 13 ABR 2017


Dia 12 e 13 de abril, às 21h no Pequeno Auditório do CCB.


Salomé Lamas tem desenvolvido um corpo de trabalho destinado a salas de cinema, a museus e a galerias. Lamas procura diluir a suposta fronteira entre documentário e ficção. Interessada pela relação intrínseca entre narrativa, memória e história, Lamas utiliza a narrativa para explorar o traumaticamente reprimido, aparentemente irrepresentável ou historicamente invisível, desde os horrores da violência colonial até às paisagens do capital global.

Para a BoCA, a artista apresenta em estreia mundial “Fatamorgana”, a sua primeira criação de palco.

Uma paródia política, onde uma mulher dá por si num museu de cera – nos arredores de Beirute – após a hora do fecho, e de onde emergem figuras históricas – outras contemporâneas. Tal como Molly Bloom e, mais virtuosa, Penélope, Hanan espera pelo marido. Hosni Mubarak, Yasser Arafat, Bill Clinton, Donald Trump, Saddam Hussein, Georges W. Bush, Bashar al-Assad ou o Homem Mais Baixo do Mundo são algumas das personagens que emergem, como fantasmas, e com quem dialoga, limpando-lhes o pó. Hanan torna-se surda, torna-se cega e, provavelmente, muda. Para que servem as palavras quando ninguém as ouve?