Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Ciclo de Cinema Curar e Reparar


O Rei de Nova Iorque / King Of New York
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Lançamento do Guia de Performance + Visita comentada à exposição


2017 diorama_01 de Tomaz Hipólito
Museu Nacional de História Natural, Lisboa

Interferências


Jorge Martins
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

CICLO CINEMA PORTUGUÊS: NOVOS OLHARES - IV


MARY | PLANT IN MY HEAD | SEEMS SO LONG AGO, NANCY | A TRAMA E O CÍRCULO
Cinemateca, Lisboa

Revista dedicada à fotografia


PROPELLER
Padaria do Povo, Lisboa

CICLO DE CINEMA


A Gulbenkian e o Cinema Português – Territórios de Passagem
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

UNDERSCORE


Coletiva
Centro Cultural de Belém, Lisboa

Bacantes - Prelúdio para uma Purga


Marlene Monteiro Freitas
Rivoli Teatro Municipal, Porto

Cântico Negro


Pedro Cabrita Reis
Galeria João Esteves de Oliveira, Lisboa

Cântico Negro


Pedro Cabrita Reis
Galeria João Esteves de Oliveira, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

JAN MARTENS

ODE TO THE ATTEMPT (A SOLO FOR MESELF)




MAAT
Av. de Brasília, Central Tejo
1300-598 LISBOA

12 ABR - 12 ABR 2017


12 abril 2017 às 20:00 na Sala dos Geradores.

Jan Martens (1984) recicla e reescreve referências estéticas e linguagens criadas por outros. Inspira-se nelas para compor algo novo e questionar o lugar que ocupa na nova geração da dança contemporânea. “Ode To The Attempt” é o novo solo que Jan Martens criou para si próprio, numa referência ao individualismo e narcisismo que caraterizam o ser humano de hoje.

Depois de produzir peças quase dogmáticas, como “The Dog Days Are Over” (considerado o Melhor Espetáculo de Dança de 2015, segundo o jornal Público), este solo é uma zona segura onde Martens se pode divertir, na companhia de um computador portátil e de um projetor de vídeo.

O resultado é um autoretrato em jeito de colagem, onde se revelam coreografias e a sua forma de viver e de trabalhar. Autenticidade, manipulação, descontração, perfecionismo, humor e melancolia formam os extremos em que Martens se move, convidando o público a olhar para o interior da sua cabeça e do seu computador.