Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

A Aura da Imagem


Nélio Conceição e Vítor do Reis
FBAUP - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto

Still Cabanon


Lançamento de catálogo
,

Desenhar um Anjo


Philip Cabau
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

The New Art Fest´17


Finissage
Museu Nacional de História Natural, Lisboa

Curar e Reparar o Contruído


ciclo de conferências de arquitetura
Convento São Francisco, Coimbra

Tempo sem Espaço, Espaço sem Tempo


Rui Chafes
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Estação Vernadsky


Finissage/Conversa
Travessa da Ermida, Lisboa

BAIRRO EUROPA


VISITAS-DEBATE À OBRA DE SIZA VIEIRA
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Podem os agentes artificiais criar arte?


Mark Coeckelbergh
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

JOÃO PAULO FELICIANO


Xabregas City
Ar.Co Lisboa, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

JAN MARTENS

ODE TO THE ATTEMPT (A SOLO FOR MESELF)




MAAT
Av. de Brasília, Central Tejo
1300-598 LISBOA

12 ABR - 12 ABR 2017


12 abril 2017 às 20:00 na Sala dos Geradores.

Jan Martens (1984) recicla e reescreve referências estéticas e linguagens criadas por outros. Inspira-se nelas para compor algo novo e questionar o lugar que ocupa na nova geração da dança contemporânea. “Ode To The Attempt” é o novo solo que Jan Martens criou para si próprio, numa referência ao individualismo e narcisismo que caraterizam o ser humano de hoje.

Depois de produzir peças quase dogmáticas, como “The Dog Days Are Over” (considerado o Melhor Espetáculo de Dança de 2015, segundo o jornal Público), este solo é uma zona segura onde Martens se pode divertir, na companhia de um computador portátil e de um projetor de vídeo.

O resultado é um autoretrato em jeito de colagem, onde se revelam coreografias e a sua forma de viver e de trabalhar. Autenticidade, manipulação, descontração, perfecionismo, humor e melancolia formam os extremos em que Martens se move, convidando o público a olhar para o interior da sua cabeça e do seu computador.