Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

SILÊNCIOS DO OLHAR


José Nascimento
Cinemateca, Lisboa

ZONA - An Investigation Report


Fábio Cunha
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Unidade e Divisão


Plataforma de Fotografia Ciclo
Centro Português de Fotografia, Porto

Muvi - Festival Internacional de Música no Cinema



Passos Manuel, Porto

The Ferryman


Gilles Delmas / Damien Jalet
Cinema São Jorge, Lisboa

FESTIVAL DDD – Dias da Dança



Porto, Matosinhos e Gaia,

Encontro Cinema e Educação na Cinemateca Portuguesa



Cinemateca, Lisboa

ENDGAME


Tania Bruguera
Mosteiro de São Bento da Vitória, Porto

Longe do Pintor da Linha Rubra


João Miguel Fernandes Jorge
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Ciclo de mesas-redondas


Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

JOÃO MIGUEL FERNANDES JORGE

Longe do Pintor da Linha Rubra




FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA
Rua Soeiro Pereira Gomes, Lote 1- 6º A e D, Edifício de Espanha (Bairro do Rego)
1600-196 LISBOA

22 ABR - 22 ABR 2017


LANÇAMENTO DE LIVRO: 22 Abril, 18h



Lançamento "Longe do Pintor da Linha Rubra"
de João Miguel Fernandes Jorge


:::


João Miguel Fernandes Jorge

Poeta, prosador e crítico artístico, licenciado em Filosofia, desenvolveu também a atividade docente. Estreia-se na poesia com o volume Sob Sobre Voz , onde joga, de forma inquietante, com a não referencialidade de uma palavra que se situa na contiguidade com o indizível. Ou seja, nas palavras de Joaquim Manuel Magalhães, a perturbação gerada na leitura da sua poesia decorre da nossa formação ocidental, pela qual se torna "difícil de abdicar de um real para o qual as palavras não apontem" ("alguns descobriram que dizer barco não é arrastar à palavra um barco ou dizer aos outros que um barco está ali, mas revelar um local onde um barco não está, onde a memória dele se tornou uma música de fonemas em que desaparece o barco e o homem descobre a solidão que é dizer barco sem um barco ser. Este trabalho silencioso de captação da ausência percorre a obra de João Miguel Fernandes Jorge." (cf. MAGALHÃES, Joaquim Manuel - Os Dois Crepúsculos , Lisboa, A Regra do Jogo, 1981, pp. 224-225), ou, nas palavras do próprio autor: "O que me faz escrever este poema/não são as coisas: terra céu astros./A saber: estendo a mão: e/o mundo reconhece-a encontra a/memória onde repousa e se transforma./... Não sonho palavra sonho barco." ("Para outro texto", in Vinte e Nove Poemas , Lisboa, 1978). Confirmadas nos volumes que integram a sua Obra Poética , estas linhas de leitura remetem, segundo Fernando Guimarães, para um processo de "microrrealismo", pelo qual a "linguagem tende a testemunhar a evidência do conhecimento", ao mesmo tempo que as imagens ou metáforas se constituem como "núcleos de natureza conceptual": "João Miguel Fernandes Jorge parece fazer apelo à possibilidade de a linguagem se afastar de dois caminhos, o da metáfora e o da imagem, em que a poesia moderna tanto se fixou desde os finais do séc. XIX, privilegiando, antes, os caracteres apagadamente distintivos dos "sinais" ou, se se quiser, dos signos (...)", o poema fragmentando-se "através de múltiplas reminiscências, de uma linguagem desfocada, de uma disponibilidade subjetiva nem sempre previsível, de uma visão fluida da realidade e da natureza, de uma dispersão de significados às vezes percorridos por referências culturais ou de índole meramente circunstancial que, apesar de um descritivismo a que não raro se mantém fiel, se tornam dificilmente reconhecíveis. (...) A linguagem torna-se dispersiva, residual, e a consciência de que ela é inquestionável ou opaca a um possível significado" (GUIMARÃES, Fernando - A Poesia Portuguesa Contemporânea e o Fim da Modernidade, Lisboa, Caminho, 1989, pp. 113-114). A publicação de Crónica , em 1977, inaugura na sua bibliografia uma outra estratégia discursiva, que parte da colagem de textos e motivos históricos com acontecimentos reais e míticos e com conteúdos subjetivos.

João Miguel Fernandes Jorge in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-04-20 13:36:46]. Disponível na Internet: https://www.infopedia.pt/$joao-miguel-fernandes-jorge