Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Tempo sem Espaço, Espaço sem Tempo


Rui Chafes
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Estação Vernadsky


Finissage/Conversa
Travessa da Ermida, Lisboa

BAIRRO EUROPA


VISITAS-DEBATE À OBRA DE SIZA VIEIRA
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Podem os agentes artificiais criar arte?


Mark Coeckelbergh
TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA, Lisboa

JOÃO PAULO FELICIANO


Xabregas City
Ar.Co Lisboa, Lisboa

Outubro: a Revolução nas Artes Visuais


Visita orientada por Sofia Nunes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Um Céu de Folhas


Visita Guiada com os Artistas
Parque Dom Carlos I, Caldas da Rainha

Jonas Mekas


Cinema na Linha de Fogo
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Almada e a matemática


Ciclo de conferências
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Memórias, Resgates e Riscos


Conversa com Grada Kilomba
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 

share |

CICLO DE CINEMA

José Álvaro Morais




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 PORTO

17 JUL - 30 JUL 2017


A primeira retrospetiva integral de José Álvaro Morais no Porto decorrerá ao ar livre, no Parque de Serralves, constituindo uma oportunidade única para redescobrir uma obra maior e ver projetadas a Norte imagens do Sul. Poucos foram os realizadores que terão conseguido interrogar o país de forma tão livre e luminosa. A mostra inicia-se com a estreia de Silêncios do Olhar, documentário de José Nascimento que propõe uma aproximação ao processo criativo do realizador e à singularidade do seu universo, seguindo-se uma apresentação cronológica dos filmes de José Álvaro Morais. A viagem e o exílio, as raízes culturais e o espírito do lugar, a tensão entre pertença e evasão, são alguns dos pontos de fuga que atravessam esta obra onde se pensa o magnetismo de um país que atrai tanto quanto repele.
Curadoria: António Preto
Local: Clareira das Bétulas
Horário: 22h00
Acesso: 3€ ou mediante aquisição de bilhete Parque
Amigos de Serralves: 1,5€

17 JUL
José Nascimento
Silêncios do Olhar | Portugal, 2017
2K | cor | 104 min.
Mais do que uma homenagem póstuma, Silêncios do Olhar, do realizador José Nascimento, é uma aproximação à intimidade do processo criativo de José Álvaro Morais e oferece um acesso privilegiado à obra do realizador. Nele se sondam temas e polaridades, ensaiando uma arqueologia das opções estéticas e afetivas que recolocam José Álvaro Morais no centro do seu próprio cinema.

18 JUL
Cantigamente n.º 3 | Portugal, 1976
16mm | cor | 85 min.
A obra de José Álvaro Morais, realizada toda ela já em democracia, inicia-se com duas encomendas para a televisão, Domus de Bragança (1975) e Cantigamente (1976), filmes que evidenciam o interesse do cineasta pela montagem visual e sonora.

19 JUL
Ma Femme Chamada Bicho | Portugal, 1976
16mm | cor | 79 min.
A confirmação de uma linguagem própria, com filmagens enérgicas e rápidas, chega em Ma Femme Chamada Bicho (1976), retrato de Maria Helena Vieira da Silva rodado em apenas cinco dias.

24 JUL
O Bobo | Portugal, 1987
16/35mm | cor | 123 min.
José Álvaro Morais trabalhou também processos de preparação e de escrita com uma longa maturação, como é o caso de O Bobo (1987), onde o texto de Alexandre Herculano sobre a fundação da nacionalidade serve para perspetivar historicamente as contradições do Portugal contemporâneo. Rodado quase integralmente em estúdio, o filme é uma das produções mais ambiciosas e atribuladas do cinema português (o negativo ficou guardado nas câmaras de
refrigeração da Tobis durante seis anos, por falta de financiamento) tendo sido milagrosamente concluído minutos antes de ganhar o Grande Prémio do Festival de Locarno.

25 JUL
Zéfiro | Portugal, 1994
35mm | cor | 52 min.
Margem Sul | Portugal, 1994
Vídeo | cor | 25 min.

27 JUL
Peixe Lua | Portugal, 2000
35mm | cor | 123 min.
A fase final da obra de José Álvaro Morais afirma a sua intensidade solar como "cinema do sul”. Zéfiro (1994), Margem Sul (1994) e Peixe Lua (2000) são filmes-viagem que pensam o país meridional enquanto lugar de cruzamento de culturas, dotado, por isso mesmo e paradoxalmente, de uma identidade única. Vendo Lisboa como a última das cidades mediterrânicas, condenada ao Atlântico pelo vasto estuário do
Tejo que a separa da margem "africana”, é entre cacilheiros, touros e marinheiros
encalhados que o cineasta faz o reconhecimento de um território onde as fronteiras que separam o Alentejo da Andaluzia se resumem a uma placa de estrada.

30 JUL
Quaresma | Portugal, 2003
35mm | cor | 95 min.
A viagem e o exílio, as raízes familiares enlaçadas com a memória e o espírito do lugar, a aceitação e a recusa da terra onde se nasceu, a tensão entre pertença e evasão são pontos de fuga a que José Álvaro Morais regressa em Quaresma (2003). Neste seu último filme, situado entre a casa dos avós, na Covilhã, e as frias paisagens da Dinamarca, enterra-se definitivamente e sem resposta a melancólica questão, pessoal e nacional, que atravessa toda a sua obra: o magnetismo de um país que atrai tanto quanto repele, as razões profundas que, como se vê no final de O Bobo, levam os portugueses a sair de Portugal para "ser caricatura desta terra noutra terra”.