Links

ARQUITETURA E DESIGN




Maria José Marques da Silva na defesa de trabalho de fim de curso [s.d.]. ©Fundação Marques da Silva


Artéria. Ana Jara e Lucinda Correia. ©Rui Pinheiro


Inês Lobo. Vencedora do arcVision Prize — Women and Architecture 2014. ©arcVision.org

Outros artigos:

2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO

PATRÍCIA SANTOS PEDROSA


 


I

 

A diversidade de aproximações possíveis ao binómio mulheres/arquitectura torna as decisões sobre a reflexão do mesmo mais entusiasmante e, de igual modo, carregadas de uma maior responsabilidade. Depois de esboçarmos outras abordagens — históricas principalmente —, parece-nos o momento para um acercamento que lance pistas para acções futuras. À construção de uma ideia sobre o tema, que os dados e a reflexão — mesmo se deficitários — alimentam, é necessário somar acções. Só se compreende a relevância do que se trabalhou, no sentido de perceber e conhecer, se for para agir.

 

Como afirma Pierre Bourdieu (2002, pp.22-23), a ordem social funciona como uma imensa máquina simbólica que ratifica a dominação masculina sobre a qual se funda e da qual resulta, entre outras coisas, a divisão sexual do trabalho. Também refere que a diferença biológica dos corpos, feminino e masculino, aparece como justificação socialmente construída entre os géneros e em particular na divisão sexual do trabalho. Uma das premissas base com que trabalhamos é a existência, como defende este autor, de uma visão androcêntrica que se impõe como neutra e que pratica uma violência simbólica invisível para as suas vítimas, as mulheres.

 

Não serão aprofundados conceitos que, ainda que essenciais, nos ocupariam mais do que o aceitável no quadro desta reflexão mas que são incontornáveis em trabalhos futuros. A título de exemplo, a categoria “mulher” e respectivas contribuições — entre outras as de Judith Butler (1990) — necessitam ser parte de um cruzamento efectivo e crítico com o que aqui se esboça.

 

O objectivo principal deste ensaio é fazer um percurso, partindo dos escassos conhecimentos históricos e da actualidade das arquitectas portuguesas, cuja invisibilidade é claramente demonstrativa da falta de poder das mesmas, e perceber os possíveis modos de agir sobre a sua condição no sentido de se concretizar a óbvia revolução necessária.

 

 


II

 

A situação actual das arquitectas em Portugal, assim como a sua história, são quadros para os quais existem algumas informações mas existe principalmente uma séria necessidade de investigar, fixar dados e esclarecer sobre os diferentes tempos — passado e presente — para se perceber com maior solidez o que fazer com esta realidade percebida. [1] A informação existente pode sustentar algumas ideias sobre as arquitectas em Portugal. Relativamente à história esta é iniciada na já tardia década de 1940, com Maria José Estanco, formada em Lisboa em 1942, e Maria José Marques da Silva, formada no Porto no ano seguinte (Pedrosa, 2014, pp.107-110). O que se pode designar de paradigma fundacional, definido pela entrada formal destas duas mulheres no mundo da arquitectura, fixa o momento histórico em si mesmo mas confere igualmente uma base repetível para a condição futura das arquitectas.

 

Ou seja, por um lado, Maria José Estanco, apesar de ter visto o seu percurso académico reconhecido, não conseguiu encontrar um atelier que a recebesse e, deste modo, viu-lhe negado o direito à vida profissional como arquitecta. Por outro lado, Maria José Marques da Silva, filha do arquitecto Marques da Silva, teve atelier com o David Moreira da Silva, seu marido, mas, por diversas vezes, se verifica uma truncagem autoral da mesma. (Pedrosa, 2014, pp.107-109)

 

Assim, o que encontramos como as condições profissionais destas duas arquitectas pioneiras são dois modos de silenciamento distintos que se repetirão década sobre década. Uma, mais radical, é a negação pura e simples à própria profissão, implicando o abandono da mesma. Outra é a efectiva existência e acção no interior da profissão, com responsabilidades autorais, que não a defende, no entanto, do silenciamento que decorre do reconhecimento do trabalho efectuado, obliterando metade da parceria.

 

Avançando 70 anos até à actualidade muitas coisas mudaram mas demasiadas outras permanecem. A feminização crescente da esfera profissional da arquitectura é evidente. Ainda que o fosso formação/profissão ainda esteja por avaliar [2] os números das arquitectas membros da Ordem dos Arquitectos (OA) são significativos. Em 2012 as arquitectas inscritas na OA eram 40,1% do total de membros, em resultado de uma paulatina subida desde 2000, com 32,1%, e representando um salto significativo desde o início dos anos 1970, com 4,7%. (Pedrosa, Março de 2013, p.22)

 

Neste início do séc.XXI, os novos processos de trabalho no interior da profissão a que se assiste, com os colectivos mais ou menos alargados, são um desafio à tradicional mono-autoria e à sua variante mais recente, da bi-autoria. Absorvem parte da necessidade de actualização do paradigma fundacional referido. Para lá das invisibilidades impostas ainda às arquitectas verifica-se, com o surgimento da autoria colectiva, sob designações que, muitas vezes, nem deixam adivinhar a constituição das equipas, [3] uma contribuição para uma aparente destruição de um certo autor arquitectocentrismo, supostamente a favor de outros valores e dinâmicas na prática da arquitectura.

 

Mais do que retirar conclusões, com a escassez de dados disponível, interessa-nos sublinhar a pluralidade crescente dos modelos a que assistimos mas, de modo algum, deixar de ter presente que lado a lado com estes supostos novos formatos de trabalho, as velhas práticas continuam presentes.

 

 


III

 

Percebendo, entre empirismo e dados, que a feminização já referida não implica necessariamente uma mudança radical no modo de estar na arquitectura, interessa-nos esboçar um primeiro mapa de como reagir, de como actuar contra o que não faz sentido. Apontam-se três registos diferentes de acções necessárias, possíveis e em falta mas não se esgotam as acções seguramente no que referimos ou nas formas que referimos. Por um lado, a urgência de as instituições considerarem a importância de se conhecer aprofundadamente a questão das arquitectas portuguesas (história, números, etc.). Por outro, a necessidade de profissional, académica e socialmente as arquitectas portuguesas se organizarem e se constituírem em redes de trabalho. Finalmente, a concretização da presença crescente nas instituições estabelecidas.

 

Considerando a já referida falta de dados e reflexões sobre a situação das arquitectas em Portugal reclamar o estudo sistemático, sério e alargado das mesmas é essencial para se perceber melhor o que tem acontecido, o que se passa na actualidade e o que se intui que pode acontecer, assim como desenhar estratégias de reacção. O conhecimento contraria a invisibilidade e, de modo efectivo, a invisibilidade alimenta a inexistência. [4] A percepção genérica que os poucos dados corroboram é a de que as arquitectas em Portugal ainda estão longe de encontrar uma situação igualitária face aos seus colegas. Ainda é uma menoridade de direitos, de estatuto, de possibilidades e de poder que lhes enquadra o quotidiano. É vital que as instituições responsáveis — da OA ao Governo, passando pelas universidades e pelo Ministério da Educação e Ciência — destinarem meios humanos e materiais para que este vazio de conhecimento seja rapidamente suprimido.

 

Criado em 2013, o arcVision Prize — Women and Architecture é um prémio internacional que se assume como descriminação positiva, a favor da prática das arquitectas mundiais. Na sua primeira edição o prémio foi concedido à arquitecta brasileira Carla Juaçaba e na edição seguinte, no corrente ano, a arquitecta portuguesa Inês Lobo foi a ganhadora (arcVision, 2014). O sentido claro deste prémio coloca-o nas acções que são efectuadas na esfera da especificidade, as arquitectas, e que visam um óbvio empoderamento das mesmas. A visibilidade que o prémio procura, através da alargada divulgação, [5] amplia a visibilidade das próprias ganhadoras e, por consequência, das arquitectas em geral. No início de 2013, Martha Thorne, membro do júri arcVision e directora executiva do Prémio Pritzker, afirma sobre o primeiro ter os objectivos de “reconoce[r] y apoya[r] la capacidade, creatividad y la grande contribuición de las arquitectas”. Pela parte dos patrocinadores do prémio é referida inclusivamente a questão do empoderamento feminino social e corporativo, em que o grupo económico em causa estaria, segundo é dito, muito interessado (Interempresas, 2013).

 

Este exemplo, que pela sua afirmação inequívoca é relevante, pode ser um dos muitos necessários ver acontecer. A construção de redes diversificadas, por um lado, e a visibilidade do que fazem, pensam e propõem as arquitectas, por outro, são parte essencial de um processo de intra empoderamento com capacidade de se constituir como um caminho de exteriorização do mesmo. É imprescindível a organização de redes que alimentem o conhecimento, o reconhecimento, a divulgação e a visibilidade das práticas das arquitectas.

 

Susan Sontag refere a importância da participação das mulheres nas estruturas tradicionais. Na questão por ela enunciada da obtenção de poder igual, considera essencialmente a participação nas estruturas existentes. Sobre os encontros e actividades dedicadas à produção das mulheres, o que chama de construção de uma cultura separada, defende não serem acções que visem a obtenção do poder, por oposição ao que defende e que será essencial para ganhar a revolução não ganha ainda. Apesar do que afirma, refere igualmente que nunca recusou apresentar os seus filmes em festivais dedicados só a mulheres autoras. (Cott & Sontag, 2013, p.72)

 

Nesta esfera da presença das mulheres nas instituições, no que à arquitectura diz respeito, é de apontar, no caso português a existência de alguns casos interessantes. Apesar de nada indicar uma situação mais conseguida face a outras realidades europeias, não deixa de ser importante referir as duas presidentes que já estiveram à frente da Ordem dos Arquitectos (Pedrosa, 2013, p.244), ou as diversas directoras que alguns departamentos de arquitectura tiveram ou têm na actualidade. [6]

 

Numa resposta à questão de como agir surgem várias possibilidades, nem sempre consideradas de utilização simultânea. Decidirmo-nos pela construção de redes que reforcem o que se encontra em comum, discutindo-o, e permitir desse modo o empoderamento em meio controlado? Ou então perseguir a participação persistente nas estruturas institucionais vigentes, procurando nelas a tomada de poder? Parece-nos óbvio que a resposta não está em escolher um caminho em detrimento de outro. Antes usar todos os disponíveis, intensificando o seu uso mas também, se possível, inventar e arriscar novos.

 

 


IV

 

Como já referimos, Sontag fala da revolução por ganhar. Já em finais do séc.XVIII, Pierre Choderlos de Laclos (2002 [1783], pp.36-37) afirma a necessidade de as mulheres fazerem uma “grande revolução”, único modo de as mesmas conseguirem “escapa[r] à escravatura. Refere também que, por oposição à educação, a escravidão abafa as faculdades. Verifica-se que ainda que na educação formal a presença feminina suplante, neste momento, a presença masculina, no que chamamos a educação informal, de transmissão silenciosa e implícita, tal força não se reflecte.

 

Ao contrário do que é afirmado por Marx e Engels (1975 [1890], p.60), a época da burguesia não simplifica os antagonismos de classe. Se a luta das mulheres pelo igual lugar de visibilidade, de reflexão e de acção, ou seja, no poder é uma óbvia luta de classes, em nada a contemporaneidade é simplificada. É possível, inclusivamente, ser-se parte da classe oprimida, numa esfera social, e da classe que oprime numa outra. A hostilidade classista apresenta muitas dimensões e modos de acontecer. E se dúvidas existem sobre esta multitude de universos, demonstra a história que os revolucionários de ontem podem ser a classe dominante de hoje (Marx & Engels, 1975 [1890], pp.62-67), alimentando, com as suas acções asfixiantes quem fará a revolução de amanhã. Nas sociedades complexas o que antes se percebe acontecer numa linha do tempo, passa a colocar-se numa multiplicidade de acções e actores sincrónicos. Esta condição é parte do desafio e alimentará seguramente a reacção exigida.

 

Não parece relevante a ideia de que a arquitectura das mulheres será diferente — melhor ou não — do que a dos arquitectos homens. Cada indivíduo, enquanto arquitecto ou arquitecta terá a sua génese, corpo e cosmovisão particular. Antes se deve ter presente que o que se reclama é que a visibilidade, o poder e o acesso a todo e qualquer lugar profissional devem ser suportados unicamente pelo mérito do trabalho e das capacidades. Jamais por uma estrutura genética A ou B.

 

Por oposição ao trabalho invisível, exigente e muitas vezes desesperante que a arquitectura implica, surge-nos, enquanto público, a imagem de glamour e poder do fazer da mesma. Poder, criatividade e charme são atirados para cima da mesa, aplicando-se a quem a pratica este mesmo imaginário. A mistificação do arquitecto, ser de génio e capaz de sintetizar o belo necessário, esconde uma profissão com enormes responsabilidades sociais. Esta condição praticada do ser-se arquitecto/a valoriza a arquitectura e a cidade enquanto produto de consumo contra a condição essencial em ambas: constituírem-se como espaço de felicidade de quem as vive.

 

Não existe possibilidade de conquistar mudanças radicais a não ser com a convicção que os direitos e os poderes se exigem. Não considerar que o direito a uma existência efectiva das arquitectas portuguesas enquanto tal é uma luta (de classes!) longe de estar encerrada, é tomar como certa a mentalidade ficcionada pela visão androcêntrica, onde a dominação masculina é ratificada pela ordem social e desse modo tornada invisível.

 

A arquitectura é suficientemente importante para não se poder satisfazer com as estruturas sociais redutoras e segregadoras em que existimos. Redutoras de parte dos actores — as arquitectas — mas também de quem se vê implicado pelas práticas decisórias tanto arquitectónicas como urbanas — as cidadãs. As mudanças radicais implicam acções radicais. A revolução é a exigência, a imposição agida e exigida da mudança.

 

Arquitectas (portuguesas e) de todos os países, uni-vos!

 

 


::::

 

Patrícia Santos Pedrosa
(Lisboa, 1971) Arquitecta (1997, FAUTL), Mestre em História da Arte (2008, FCSH-UNL) e Doutora em Projectos Arquitectónicos (2010, ETSAB-UPC). Professora auxiliar e coordenadora pedagógica do Departamento de Arquitectura da ULHT, Lisboa. Investigadora do Labart, ULHT. Colaboração anterior com os ateliers UTOPOS e CVDB Arquitectos. Áreas principais de investigação: arquitectura portuguesa (séc.XX), teoria e história do habitar, antropologia do espaço e arquitectura e género. Diversos artigos publicados e presença em congressos, conferências e seminários em Madrid, Lisboa, Barcelona, Veneza, Berlim, Istambul, Brighton, Pamplona, entre outros.

 

::::

 

NOTAS

[1] Se, por um lado, existem apontamentos de mudança, refira-se, a título de exemplo, a investigação que está a ser realizada, em contexto de tese de doutoramento por Paula Monteiro, na Universidade do Porto, e que esperamos vir a trazer novidades e a ser a primeira das muitas necessárias, por outro, no 2.º Congresso Internacional Arquitectura e Género: Matrizes que se realizará em Lisboa em Março de 2015, consideradas as propostas apresentadas com contexto português — 4 em 75 — resulta, numa leitura seguramente simplista, numa falta de interesse por estes temas. Provável reflexo da própria invisibilidade desta discussão no âmbito académico português.

[2] Será importante saber a percentagem de arquitectas e arquitectos recém-formadas/os que não chegam a entrar na profissão e/ou a inscreverem-se na OA. É mais um dos estudos urgentes necessários para que se conheça efectivamente a profissão em Portugal.

[3] A título de exemplo: Arquitectos Anónimos, Artéria, Ateliermob, Blaanc, Embaixada ou Moov.

[4] Não é só a profissão liberal que exige a atenção de investigadores e da OA. Os corpos docentes universitários dos cursos de arquitectura, o poder local e central e o sector privado são outros universos específicos que interessa estudar e conhecer em geral e neste enfoque das arquitectas em particular.

[5] Cf. Rassegna Stampa Italia 2013 e Rassegna Stampa estera 2013 (arcVision, 2014).

[6] Por exemplo, o Departamento de Arquitectura da Universidade de Évora que contou com Marta Sequeira como directora e que tem na actualidade Sofia Salema ou do Departamento de Arquitectura e Urbanismo do ISCTE que tem Sara Eloy também como directora.

 

::::

 

REFERÊNCIAS

ARCVISION (2014). arcVision Prize. Obtido em 25 de Nov. de 2014, de arcVision: http://www.arcvision.org/?cat=311

BOURDIEU, P. (2002). La Domination Masculine. Paris: Éditions du Seuil.

BUTLER, J. (1990). Gender Trouble. Feminism and the subversion of identity. Nova Iorque: Routledge.

COTT, J., & SONTAG, S. (2013). The Complete Rolling Stone Interview. New Haven; London: Yale.

INTEREMPRESAS (19 de Fev. de 2013). Italcementi Group presenta el Premio arcVision Mujeres y Arquitectura. Obtido em 26 de Nov. de 2014, de Interempresas: http://www.interempresas.net/Construccion/Articulos/106034-Italcementi-Group-presenta-el-Premio-arcVision-Mujeres-y-Arquitectura.html

LACLOS, P. C. (2002 [1783]). Da Educação das Mulheres. Lisboa: Antígona.

MARX, K., & ENGELS, F. (1975 [1890]). Manifesto do Partido Comunista. Lisboa: Editorial «Avante!».

PEDROSA, P. (2013). Architectes (Portugal). In B. Didier, F. Antoinette, & M. Calle-Gruber, Le Dictionnaire Universel des Créatrices (Vol.1, pp.244-245). Paris: des femmes.

PEDROSA, P. S. (Março de 2013). Arquitectura: profissão e emprego. Boletim Arquitectos, 230, 21-22.

PEDROSA, P. S. (2014). Women Architects in Portugal. A long and widing road. In N. Álvarez Lombardero, Women Architects. Redefining the Practice 1st International Symposium on Architecture and Gender (pp.99-112). Sevilha: ETSAS-Universidad de Sevilla.

 

::::

[a autora escreve de acordo com a antiga ortografia]

Singapore viagra buy and effects cialis side http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs levitra cost at walmart cialis online pharmacy india from http://www.saludos.com/award.htm popular ed pills otc, per pill vardenafil price propecia discounts.
Levitra without buy rx best buy to online finasteride place levitra online order comprar viagra cialis o levitra genericos, online buy canada levitra amazon propecia.
Uk buy viagra generic sildenafil tablets 100mg cheap viagra can where delhi buy in i cialis generic levitra viagra, buy generic sildenafil 1mg finasteride online.
Indian online cialis from uk buy cialis sildenafil uk tablets sildenafil 200mg, forum buy cialis generic to where 2018 india viagra price in.
Levitra viagra and cialis side of effects 20mg uk cialis uk propecia buy 5mg http://www.socgeografialisboa.pt/cheap-tadalafil-india/ generic cialis tadalafil 20mg, mg 40 cialis generic tadalafil cheap viagra uk.
Vs levitra effects side cialis india 5mg tadalafil cialis vs viagra amazon cialis vs viagra pricing online uk cialis org cheap ed meds online ed drugs, viagra in store buy vs viagra vardenafil.
Paypal sildenafil levitra sale buy viagra malaysia http://www.socgeografialisboa.pt/propecia-price-costco/ propecia prices uk, viagra buy online generic generic tadalafil 20mg.
Costco tadalafil vs 20mg 100mg levitra viagra boots propecia http://www.socgeografialisboa.pt/buy-vardenafil-hydrochloride/ cheap vardenafil tablets, india generic cialis viagra where to buy cheap.
Buy canada propecia cialis efeito do tadalafil indian where to buy propecia online, price citrate sildenafil cialis buy pill.
Pills cialis online cheap propecia cheap australia http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra effectiveness cheap propecia http://www.saludos.com/award.htm order ed pills otc, 100mg citrate cheap sildenafil best generic cialis.