Links

ARQUITETURA E DESIGN




Atlas of Urbanity I, 2019: Western Europe - 1:10'000'000. Cortesia Atlas of Places.


Atlas of Urbanity I, 2019: France - 1:3'000'000. Cortesia Atlas of Places.


Atlas of Urbanity I, 2019: Germany - 1:2'500'000. Cortesia Atlas of Places.


Atlas of Urbanity I, 2019: Italy - 1:3'000'000. Cortesia Atlas of Places.


Atlas of Urbanity I, 2019: Spain - 1:3'000'000. Cortesia Atlas of Places.


Atlas of Urbanity I, 2019: Portugal - 1:2'000'000. Cortesia Atlas of Places.

Outros artigos:

2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES

SORAIA FERNANDES


 

 

A disseminação tão célere e alargada de um vírus é a imagem de um mundo contemporâneo fortemente vincado por uma (ainda crescente) globalização, onde tudo está conectado. Um mundo onde quase todos viajam, onde horas bastam para que uma encomenda nos chegue às mãos. As redes de difusão são extraordinariamente vastas e propícias ao transporte de indivíduos e bens, bem como à disseminação de um qualquer vírus altamente contagioso como o que enfrentamos hoje.

Olhar um mapa de fluxos e deslocações intensas entre grandes centros económicos, entre parceiros de indústria, do sector alimentar, ou para destinos de viagens turísticas, para os quais todos activamente contribuímos, é ver a cara da desterritorialização mundial. Como dizia José Gil, no artigo que escreveu no Jornal Público [1], ao disseminar-se, o vírus da pandemia não fez mais do que percorrer o mapa mundial da desterritorialização.

E num ápice, o planeta estava paralisado por uma emergência sanitária para a qual ainda não se consegue avaliar as reais consequências sociais, políticas e económicas.

Embora se diga que estamos na presença da maior interrupção da “normalidade” e da vida quotidiana desde as duas guerras mundiais, importa lembrar que este não é o primeiro vírus ou a primeira pandemia que atravessamos [2], e não será com certeza o último. Ter consciência desse facto, permite-nos reflectir sobre uma resposta ao problema muito mais alargada. Até porque a incidência e gravidade com que o vírus afecta cada país ou população dependente proporcionalmente das suas condicionantes sociais. As epidemias “apenas” expõem e ampliam as desigualdades sociais, raciais, económicas, onde ter uma habitação na qual podemos estar confinados é já um reflexo de contexto muito próprio.

Por acreditar que não devemos perder a capacidade de análise sob uma perspectiva global do problema, penso que o papel da arquitectura é o de reflectir, embora a diferentes escalas e contextos, numa abordagem mais holística e que consiga o melhor equilíbrio entre as partes.

As perguntas são muitas e, naturalmente, ainda muito especulativas, como aliás qualquer reflexão que se faça neste período. Questionam-se os benefícios de cidades densas e hiper populadas, onde a concentração de habitantes/m2 é alta e, por isso, os rácios de contágio também. Analisam-se novos modelos para o urbanismo das cidades, onde a introdução de espaços verdes, não só contribui para o pulmão da cidade, como permite baixar a densidade populacional e criar barreiras de contágio. Há quem acredite que poderá voltar-se a um modelo de sociedade mais rural e mais distante dos grandes centros, com um contacto mais íntimo com a natureza.

Mas terão as cidades de alterar o seu hardware?

Ou bastará alterar a forma como usamos as cidades para que as possamos adaptar facilmente a cenários de crise? Será que a pandemia veio impor novos problemas às lógicas de organização ou apenas ampliar os problemas que já existem nas cidades?

A rápida adaptação ao teletrabalho e a virtualização das relações sociais e profissionais veio provar que o trabalho remoto é cada vez mais uma possibilidade do mundo contemporâneo. (O ministro do Trabalho alemão quer, inclusive, consagrar definitivamente na legislação o direito ao teletrabalho.) E, na verdade, isso possibilitar-nos-ia viver num modelo de organização mais disperso, rural e isolado (modelo defendido por muitos). Mas não seria esse o caminho para uma sociedade mais segmentada, fechada e repartida, onde a emergência daria lugar ao individualismo e ao isolamento? Seria viável do ponto de vista dos recursos e infraestruturas? Não seria uma irresponsabilidade do ponto de vista ecológico?

Haverá sempre famílias a viver nas grandes cidades com uma casa de campo num local remoto para onde, nas suas férias ou nestas situações, se deslocam. Mas não me parece, de todo, que seja essa a resposta a um futuro, mais ainda quando cuidar do planeta é a nossa urgência.

Jacques Herzog entrevistado por Andreas Ruby, director do SAM (Swiss Architecture Museum), para uma das muitas conversas online que surgiram neste período, expõe a sua preocupação para com os modelos radicais de urbanismo, os novos trends, e defende uma abordagem bastante objectiva e ponderada para as cidades. Sugere o conceito de campus, com paralelismos óbvios com as organizações monásticas, nas quais existe um estilo de vida poli-funcional. Na sua perspectiva, a resposta poderia passar por contrariar áreas de cidade (ou mesmo de edifícios) monofuncionais em prol de programas que se complementam e resultam em campus auto-suficientes. No limite, uma cidade poderá ser um conjunto de pequenos aglomerados, uma articulação entre campus, entre unidades, onde a natureza se interpenetra, mas sempre numa lógica contrária à da dispersão no território. Assim, não só se permitiria controlar localmente uma pandemia, em períodos de crise, como estaríamos mais perto de uma lógica de colectivo e de comunidade local, com a riqueza das suas identidades e contextos geográficos próprios.

Além do mais, a nossa responsabilidade é a de manter a biosfera e os recursos naturais o mais possível e não os podemos excluir de qualquer resposta ou adaptação aos novos modelos de cidade. Pensar esses campus polifuncionais, com espaços públicos à escala local, com faixas verdes que, além de nos permitir criar barreiras de transmissão, nos ajudam a reduzir o aquecimento global e a introduzir espaços de prazer ao ar livre, parece-me um caminho com futuro. Mais: promover edifícios polifuncionais e flexíveis do ponto de vista do uso e tipologia, áreas programáticas mistas, criar vários pulmões associados aos tais campus e projectar segundo uma lógica de colectivo.

Como referi anteriormente, o carácter de qualquer reflexão neste período é meramente especulativo. Mais ainda, porque não haverá uma resposta igual para todos. Cada continente, cultura ou país terá de responder à sua escala, com os seus recursos e identidades. No entanto, e sendo certo o que José Gil dizia, “os vírus mudam o tempo todo. Mas as circunstâncias nas quais uma mutação se torna uma ameaça à vida dependem das ações humanas”, não nos podemos demitir da responsabilidade social que é a de reflectir e caminhar para um futuro melhor.

Juntos, claro.

 

 


Soraia Fernandes
Mestre em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto/FAUP e pela Technische Universität Berlin /TUBERLIN. Pós-Graduação em Estudos de Arte, com especialização em Estudos Curatoriais, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto /FBAUP.

 


:::

 

Notas

[1] Refiro-me ao ensaio “Pandemia e capitalismo numérico”, escrito por José Gil e publicado no dia 12 de Abril 2020, no Jornal Público.

[2]
1918-1920 / Gripe espanhola (H1N1), com cerca de 50 milhões de mortes.
1957-1958 / Gripe asiática (H2N2), com cerca de 1,1 milhão de mortes.
1968 / Gripe de Hong Kong (H3N2), com cerca de 1 milhão de mortes.
2002-2003 / Epidemia de SARS, com 8096 casos e 774 mortes.
2009-2010 / Gripe suína (H1N1), entre 700 milhões e 1,4 bilhão de infectados