Links

ARQUITETURA E DESIGN




© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta


© Photodocumenta

Outros artigos:

2024-04-13


PÁDUA RAMOS: DA ARQUITETURA AO DESIGN


2024-02-26


NO LUGAR DE UMA JANELA, NASCEU UMA PORTA


2024-01-21


TERCEIRO ANDAR DE LUCIANA FINA OU DESTINAÇÃO (EST)ÉTICA


2023-11-02


A PROPÓSITO DE ONDE VAMOS MORAR? — CICLO DE CINEMA POR ANDY RECTOR


2023-08-05


O ESTALEIRO, O LABORATÓRIO, A SUA CAIXA E O CAVALETE DELA


2023-06-01


UMA CIDADE CONSTRUÍDA PARA O CONSUMO: DA LÓGICA DO MERCADO À DISNEYFICAÇÃO DA CIDADE


2023-04-30


ESCUTAR, UMA VEZ MAIS, GRÂNDOLA — OPERAÇÃO SAAL DE VALE PEREIRO


2023-04-03


NOTAS SOBRE UM ARQUITECTO ARTIFICIALMENTE INTELIGENTE


2023-02-24


MUSEU DA PAISAGEM. AS POSSIBILIDADES INFINITAS DE LER E REINTERPRETAR O TERRITÓRIO


2023-01-30


A DIVERSIDADE NA HABITAÇÃO DAS CLASSES LABORIOSAS, OS HIGIENISTAS E O CASO DA GRAÇA


2022-12-29


HABITAR: UM MANIFESTO SECRETO


2022-11-23


JONAS AND THE WHOLE


2022-10-16


CASA PAISAGEM OU UM PRESÉPIO ABERTO


2022-09-08


ENTREVISTA A ANA CATARINA COSTA, FRANCISCO ASCENSÃO, JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


2022-08-11


ENTREVISTA A JOSÉ VELOSO, ARQUITETO DA OPERAÇÃO SAAL DA MEIA-PRAIA


2022-07-11


TERRA, TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA 2022. ENTREVISTA A CRISTINA VERÍSSIMO E DIOGO BURNAY


2022-05-31


OH, AS CASAS, AS CASAS, AS CASAS...


2022-04-23


A VIAGEM ARQUITETÓNICA COMO ENCONTRO: DA (RE)DESCOBERTA À (DES)COBERTA DAS ORIGENS


2022-03-29


PODERÁ O PATRIMÓNIO SER EMANCIPATÓRIO?


2022-02-22


EM VÃO: FECHA-SE UMA PORTA PARA QUE UMA JANELA FENOMENOLÓGICA SE ABRA


2022-01-27


SOBRE A 'ESTÉTICA DO CONHECIMENTO': UMA LEITURA DA PEDAGOGIA DE BAUKUNST


2021-12-29


CALL FOR ARCHITECTS


2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-10-26


'OS CAMINHOS DA ÁGUA'


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



CARTOGRAFIA DO HORIZONTE: DO TERRITÓRIO AOS LUGARES

ANA PAISANO E FREDERICO VICENTE


11/09/2023

 

  

Entre Castro Marim, no sotavento algarvio e Moledo na costa do Minho, Portugal detém um notável conjunto de sistemas de fortificações. A linha de costa, ora abrupta, ora recortada, seja pelo acentuado finisterra, seja pelas praias de desembarque, em muito contribuiu para a constante necessidade de atualização da Arquitetura Militar – muito causado pela natural atração das povoações pelo Atlântico. Uma das expressões máximas dessa campanha de obras é o estuário do Tejo e a sua área de influência.

As barras dos rios Sado e Tejo foram durante séculos por excelência o palco para acontecimentos e encenações bélicas, consolidado o crescimento dos aglomerados urbanos, com a evolução morfo-tipológica das suas estruturas de proteção: a cerca medieval, a torre, o forte, a fortaleza, o fortim e a plataforma, o reduto e por fim a bataria de costa [1], que falaremos adiante.

Se por um lado a evolução tipológica em paralelo com a balística desenvolveu novos sistemas, a orografia do território condicionou a sua implantação. Da foz e planície aluvial do rio à península de Setúbal formam-se distintas unidades de paisagem. Topografias com características singulares que convivem e condicionaram a defesa costeira, subvertendo-se regras e tratados de desenho. Por outro lado, a construção destas estrelas marítimas definiu outro tipo de limites e servidões militares, o que nos leva a concluir que entre estes eco-sistemas existem correlações intrínsecas com a paisagem e a natureza dos lugares - uma associação e reciprocidade.

Cartografia do horizonte: do território aos lugares é sobretudo uma viagem-exposição a esses lugares que contam a vasta grafia do Tejo, para esboçar novas coordenadas de investigação que partem da torre medieval para a bataria de costa – a estrutura que sintetiza o último plano de defesa do porto de Lisboa, o Plano B, e o seu Regimento de Artilharia de Costa.

 


© Photodocumenta

 

 

Contextualizando, em 1939, Oliveira Salazar encomendou ao Exército Inglês um relatório sobre a defesa de Lisboa. A convite, o General Brigadeiro visita Portugal e esboça um relatório com uma nova estratégia de defesa para o porto de Lisboa. Referirmo-nos ao relatório como esboço é pertinente, uma vez que o mesmo tem adaptações e o que é efetivamente aplicado ao território é uma versão modificada: o Plano B. Adaptado à batimetria, geografia e orografias locais, bem como a estruturas pré-existentes (isto é, o efeito tábua rasa da primeira versão não existiu, perpetuando-se apenas as suas premissas), este novo Plano B propunha um sistema de defesa eficaz, cobrindo a costa nas suas três dimensões, terra, ar e mar, entre a Ericeira e Setúbal.

Executado nos anos 40 e 50 do séc. XX, esteve ativo até ao final dos anos 90, mais precisamente até 1998, quando se dá a permanente extinção do Regimento de Artilharia de Costa e das suas oito estações. Ao contrário de todas as tipologias defensivas anteriores, que edificam presença construída na paisagem (basta pensarmos no conjunto de fortes que pontuam a linha Cascais-Oerias), esta nova tipologia de defesa, a bateria de costa, caracteriza-se pela invisibilidade, operando quase sempre debaixo de terra ao longo de túneis e paios densamente armados por ferro e betão. A exceção são as peças de artilharia, ou fogo, e os postos de observação - delicados e discretos miradouros na paisagem, dadas as suas características e localizações. Por consequência desta invisibilidade física (e também do carimbo “Top Secret” que cunha todos os seus documentos) o projecto Plano B é relativamente desconhecido, envolto em secretismo, não tendo sido ainda confirmado o seu lugar na história da arquitectura militar em Portugal.

 

© Photodocumenta

 

 

Sobre a exposição, a mesma pretende desvelar esse secretismo. Dividindo-se em duas escalas de aproximação. A macroescala do território e o seu sentido metropolitano e a microescala e especificidade de cada um dos lugares que compõem o Plano B. Do Território (aos lugares) é uma viagem entre os primeiros sistemas defensivos: desde a torre medieval e a muralha, abordando a transformação do forte, fortaleza ou cidadela Filipina, do baluarte e pequeno fortim, até à Bataria de Costa. Na microescala são tratados os lugares, procurando trazer para o espaço do museu as particularidades de cada uma das Batarias de Costa: Alcabideche (Cascais), Parede (Cascais), Laje (Oeiras), Bom Sucesso (Lisboa), Raposeira (Trafaria, Almada), Raposa (Fonte da telha, Almada) Outão (Arrábida, Setúbal) e Albarquel (Setúbal). Um ensaio visual de Tiago Casanova orienta o roteiro, captando o estado de espera e ocupação de muitas destas batarias [2]. As suas fotografias permitem-se perceber os múltiplos estados latentes de espera e ocupação na contemporaneidade. Os vídeos da artista visual Léna Lewis-King introduzem a imagem-movimento ou imagem-tempo ao itinerário. Numa sucessiva repetição e em cadência lenta, o visitante é convidado ao abrandamento e à consequente estética-contemplação destas paisagens fortificadas, reflectindo sobre a dicotomia, entre o que está abaixo e acima da linha terra e o que está ao largo na linha do horizonte.

 

© Photodocumenta

 

 

Cartografia do Horizonte: do Território aos Lugares é uma exposição que se compõe por objetos de acervo do Exército Português e do seu Centro Audiovisual, objetos que contam como se olhava e observava o horizonte, mapas, cartas, fotografias, e desenhos e documentos do Arquivo Histórico Militar, além de esquemas de produção nova resultado de uma longa investigação. A exposição socorre-se da analogia de mapa, para ser um mapa de mapas, a ser desdobrado e se demorar o olhar esquecendo que se demora o olhar nas leituras das diferentes horizontalidades que caracterizam o eixo metropolitano Cascais - Setúbal. Mais do que abrir um acervo (secreto), é um desafio ao consumo visual, por consequência meditativo e de melhor compreensão dos desafios da paisagem costeira.

 

 

 

Ana Paisano
Arquiteta, investigadora e curadora independente. Estudou na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa e concluiu o seu mestrado em Arquitetura na Universidade de Tóquio, Japão (2014) através da bolsa de estudo AUSMIP. Ao longo da sua prática profissional no Japão, Índia, China e Portugal, tem vindo a desenvolver uma série de inventários visuais que exploram e investigam sobre o interface entre arquitetura, produção manual e os materiais. Desde 2015, participa em várias exposições individuais e coletivas, em que se destacam a exposição individual “Handmade: The Skin I live in” (2019) apresentada no INSTITUTO no Porto e a exposição coletiva “Espaço, Tempo e Matéria” (2021) no Convento Madre de Deus da Verderena no Barreiro. Em paralelo com os seus estudos em Curadoria de Arte na Universidade Nova de Lisboa, inicia a sua prática como curadora com a exposição individual de Filipa Tojal, “LONGE 遥か” (2022), no CAAA Guimarães.

Frederico Vicente
Arquiteto (FA-UL), investigador e curador independente (pós-graduado na FCSH-UNL). Em 2018 funda o coletivo de curadoria Sul e Sueste, plataforma charneira entre arte e arquitetura; território e paisagem. Enquanto curador tem colaborado regularmente com o INSTITUTO, no Porto, de onde se destacam exposições como "How to find the centre of a circle" de Emma Hornsby e "Handmade" de Ana Paisano. Foi ainda curador das exposições "Espaço, Tempo, Matéria", Convento da Verderena, Barreiro; "Fleeting Carpets and Other Symbiotic Objects" de Tiago Rocha Costa, AMAC, Barreiro entre outras. Escreve regularmente críticas e ensaios para revistas, edições acadêmicas, livros e exposições. A atividade profissional orbita sobretudo em torno das ramificações da arquitetura.

 


:::

 

Notas

[1] A viragem para o século XX, marcada por acontecimentos e conflitos bélicos, constrói um novo capítulo na história político-estratégica. A evolução da técnica e das táticas, associadas à Revolução Industrial, precipita e alimenta essas tensões, desencadeando uma mudança do paradigma na arquitetura militar. Estas arquitecturas, outrora visíveis, tornam-se quase imperceptíveis no território. A bataria de costa é a expressão material deste novo léxico defensivo: peças de artilharia (canhões de fogo), ligadas a paiois enterrados e comandadas por torres dispersas da paisagem, onde era garantido o sistema de vistas e calculadas as distanciam aos alvos no mar.

[2] De referir que a arquitectura de defesa militar idealizada e edificada como obra perene e robusta, desempenhou funções delimitadas num determinado enquadramento temporal. Hoje as fortificações perderam a sua utilidade primeira, tornando-se em muitos casos espaços esquecidos, com estados de conservação muito variáveis. A maioria das edificações são estruturas desabitadas, esqueletos em alvenaria de pedra e betão armado obsoletos. São espacialidades latentes e expectantes por novos usos – uma nova utilidade que assegure a sua preservação e valorização.

 

 

:::

 

 

Cartografia do Horizonte: do Território aos Lugares é uma exposição pensada para a Casa da Cidade, organizada pela Câmara Municipal de Almada numa parceria com o Exército Português e a ARTCOSTA - Associação dos Amigos de Artilharia de Costa Portuguesa e com a curadoria de Ana Paisano e Frederico Vicente.

 

 

 

Eventos associados:
 

 

+INFO