Links

ARQUITETURA E DESIGN




Debate com Manuel Vicente, João Afonso e Ana Vaz Milheiro (Agosto, 2011). Fotografia: Carolina Polyviou.


Cartaz com o programa “Manuel Vicente, Trama e Emoção”. Imagem: ©itemzero.


Exposição “Manuel Vicente, Trama e Emoção”, Museu do Oriente, Lisboa. Fotografia: João Afonso.


Exposição “Manuel Vicente, Trama e Emoção”, Museu do Oriente, Lisboa. Fotografia: João Afonso.


Exposição “Manuel Vicente, Trama e Emoção”, Museu do Oriente, Lisboa. Fotografia: João Afonso.


Exposição “Manuel Vicente, Trama e Emoção”, Colégio das Artes, Coimbra. Fotografia: João Afonso.


Exposição “Manuel Vicente, Trama e Emoção”, Colégio das Artes, Coimbra. Fotografia: João Afonso.


Film still de “Learning from Macau #2”, filme realizado por José Maçãs de Carvalho.


Capa do livro Manuel Vicente, Trama e Emoção / Plot and Emotion. Caleidoscópio: 2011. Imagem: ©itemzero


Colagem, Concurso de Ideias de Arquitectura para a Expo’98 (© FAUP/CDUA/Fundo MV).

Outros artigos:

2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS

MANUEL GRAÇA DIAS


Manuel Vicente é um arquitecto sem "caução". Não a pede a ninguém, nem historicamente nem contemporaneamente.

Para si, cada arquitecto deveria aprender do real verdadeiro (o qual englobaria tanto a história como a contemporaneidade), a apreensão que o levasse a imaginar sozinho. O que não tem nada de solitário: sozinho, como único. O método é sozinho, mas nasce agarrado à absoluta vontade de depois o compartir, discutir, comparar, ler, ver, curiosamente informar, informando.

Desenhos ajustados mas evitando o modismo. Trilhando caminhos inusuais; não pisando clichés, mas amarrando o rabo de um irrequieto ou lúbrico macaco à proposição de possibilidades confortáveis de vida, a partir de um encontro com soluções diferentes ou aparentemente banais; soluções que deixam de o ser (banais), por se re-situarem numa nova organização que frusta o que julgamos saber quando olhamos sem curiosidade o banal. O desejo emotivo de forma, de alegria ou de enfeite (tributo de generosidade, drama atrevido oferecido ao olhar), é domado à vontade programática que é amplamente sentida, questionada, criticada, debatida; até se tornar ideologia.

***

"Manuel Vicente, Trama e Emoção" corresponde a um conjunto de acções a propósito da obra de Manuel Vicente, conjunto comissariado por João Afonso, englobando várias mostras, publicações, colóquios, mesas redondas, debates; a Exposição, o lado mais visível, foi inaugurada em Lisboa (Museu do Oriente, Junho a Agosto de 2011), de onde seguiu para Coimbra (Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, Setembro a Outubro, 2011), estando ainda prevista a sua passagem pelo Porto (Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, Novembro a Dezembro, 2011) e Guimarães (Escola de Arquitectura da Universidade do Minho, Janeiro a Fevereiro, 2012).

Saliente-se o inteligente percurso itinerante, rentabilizando um esforço inicial, sendo que, ao contrário de outros eventos mais circunstanciais, aqui, a programação surge na origem do projecto mesmo e não como resultado de coincidências posteriores. Inteligente, ainda, a aposta no trilho académico, como modo de tornar a exposição verdadeiramente didáctica e eficaz. (Se o Museu do Oriente não está ainda arreigado nos hábitos lisboetas, e se o calendário inaugural se poderia prever desastroso, não permitindo uma afluência mais numerosa, saúde-se, contudo, o segundo momento da Exposição, durante os meses mais académicos do primeiro semestre).

A Exposição resulta de um trabalho (apoiado pela Direcção-Geral das Artes) de sistemática identificação e classificação de grande parte do espólio dos ateliers de Macau e de Lisboa de Manuel Vicente (MV), que o mesmo depositou à guarda da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, já há alguns anos.

São armários metálicos cheios de originais ou reprolares referentes a inteiros projectos, suas variadas fases e hesitações; são caixas e pastas e cópias dobradas e costas de A4 desenhadas, e esquissos suportando colagens, fotocópias gastas riscadas a tinta branca, o pincel da correctora a par da tesoura, a letra expressiva escrevendo em volta.

Alguns destes papéis verdadeiros estão presentes na Exposição; não muitos, dado o embaraço da escolha; eles que precisariam de figurar em excesso para se começar a impor!

A Exposição (a sua crítica), aliás, deveria passar por aqui. A obra de MV é por tão demais difícil, pessoal, diferente – do coleccionismo mainstream, das suas higiénicas preferências –, é tudo tão fora, tão alheio ao que os ajuizados pensam saber, tão desalinhado dos enjoados despachos distanciadores do pouco generoso minimalismo de serviço, tão afastado do "que está a dar", que, quanto a mim, a atenção à sua obra só se poderá atingir através do excesso que sublinhe e imponha a diferença.

Contra a violência do "nada", que uma suposta elegância muda imita e compõe hoje no discurso (da elite) dominante, ter-se-á que contrapor, violentamente, sem concessões, um coerente e cheio discurso outro que prove, à exaustão, muitas outras possibilidades da Arquitectura, que insista, e seja redundante e redondo e reflexivo.

Nesse discurso oposto deve constar o discurso de Manuel Vicente: o discurso falado, o discurso desenhado, o discurso construído; tudo partes de um mesmo discurso: o ideológico.

Vive-se hoje um momento de abstracção ideológica, escondida e disfarçada dentro dos contornos da abstracção geométrica.

O que é abstracção ideológica?

São opções, tão profundamente políticas como quaisquer outras, montadas por dentro da diluição de um dizer que fosse inteligível e concreto (porque concretamente apoiado na realidade), e tivesse como verdadeiro objectivo "mudar o mundo"; discurso confundido muitas deliberadas vezes com "escolhas artísticas" e contrapondo apenas o vazio aos gestos humanos que, quer queiram ou não, os registos fotográficos hão-de, inevitavelmente, habitar, sujar e ocupar os espaços dados, sem lifestyle ou glamour.

Creio pois que o enorme passo que João Afonso deu, arrumando e classificando grande parte do legado, expondo depois um pequeno bocado, sem especial obsessão cronológica, misturando materiais (esquissos, folhas de projectos, colagens, fotos, cópias e originais, do autor ou de antigos colaboradores) e saltando – propositadamente? (privilégios de comissário) –, alguns trabalhos também marcantes, foi, ao expor depois tudo debaixo de "pratos" em plástico vermelho (que expeditamente nos remetem para o animado e impuro ambiente dos mercados no sul da China), um óptimo contributo para o início da compreensão deste arquitecto cuja obra ainda é muito pouco conhecida ou estudada em Portugal.

A Exposição contém, então, ainda que eu a ache pouco excessiva (e, por aí, pouco ilustradora dos excessos de MV) factores diferentes para agradar a diferentes públicos.

Os "Arquitectos" olharão a amostragem de desenhos e possibilidades de desenho, o modo de encurvar as curvas que o jeito de MV faz entrelaçar; os sinais que os cobrem depois de cor ao longo dos diferentes programas ou fachadas; as imagens fotografadas planas presentes. Os "Arquitectos" (aqueles que não se acomodam especialmente ao saber feito ou a um qualquer fetiche, de culto de personalidade ou de insegurança compreensiva) lerão cada alegria que as folhas de papel determinam como unidades únicas do exercício empenhado de projectar; cada tentativa ou erro, como a ilustração própria da generosa vontade de experimentar outra e outra hipótese, outra e outra inconformada e insatisfeita preocupação.

Já os "Artistas" procurarão nos filmes de José Maçãs de Carvalho [1] o estilismo rigoroso e violento que caucionará o olhar contemporâneo sobre a estranheza percebida. Sairão parcialmente acontentados pelo suplemento "reconhecível" de vazio (no verdadeiro sentido da palavra: o filme sobre o Fai Chi Kei consiste num longo plano fixo de doze minutos (?) sobre os terrenos tornados vazios depois da violenta demolição perpetrada, ouvindo em off MV, desenhando com a voz a emocionada descrição do espaço antigo); sairão parcialmente descansados do "excesso".

Finalmente, os "Estudantes" demorar-se-ão, principalmente, nas maquetas, conseguindo ler o espaço em algumas, o espaço para lá da forma. Os estudantes irão aderir ao corpo de maquetas que enche a sala, porque elas falam a sua linguagem. São feitas por outros estudantes a quem foi pedido a compreensão dos espaços que representavam [2]. Assim, as maquetas estão próximas entre si, não só pelo branco do cartão-espuma e pela escala, mas sobretudo pelo amor que se lhes desprende: foram afectivamente compostas, percebidas, montadas; não são maquetas-objectos-artísticos distantes para encherem de oco kitsch qualquer galeria branca. São maquetas para se imaginarem com pessoas dentro.

O catálogo/livro [3], "a primeira publicação inteiramente dedicada à obra de Manuel Vicente", surge-nos mais complexo. Misturado, em termos de suportes (com uma capa que constitui, por si, um certo "erro de casting"), com a informação técnica por vezes pouco rigorosa (ainda que de sistematização difícil, em arquitecto tão pouco preocupado em se biografar), perdida a oportunidade de estancar alguns erros que se acumulam (quanto à hipótese de co-autorias e colaborações, datas, fases de conclusão, etc.) desde, pelo menos, Manuel Vicente: Caressing Trivia, de Eric Lye (2007).

A boa parte, porém, respeita aos óptimos (e originais) textos de enquadramento [4], à divulgação de projectos completamente desconhecidos, como os magníficos projectos nunca construídos: o CODA [5] de 1962, ou a Junta de Freguesia da Parede (1973-1974). Ou à divulgação de projectos menos conhecidos, como o avassalador processo preconizado/premiado para/pela Expo'98, e que consistia numa económica e originalíssima operação de recomposição arquitectónica a partir de navios fundeados ao largo do recinto, primeiramente encarados como unidades de suporte às várias necessidades da Exposição; depois, numa segunda fase, já eles cascos partidos virados, re-introduzindo readymades de espaço e descontexto na praia dos Olivais (se o pós-Expo não tivesse querido ser, apenas, mais um parque imobiliário sufocado de carros). Também algumas belas páginas, como as que reproduzem, a toda a mancha, colagens, desenhos, fotografias ou fotogramas dos filmes presentes na Exposição.

Este livro já é bastante mas é ainda pouco, para celebrar o único arquitecto verdadeiramente Pop que temos, o único pós-moderno que já o era, ao mesmo tempo que o pós-modernismo chegava.

No túnel do ciclo expositivo que abriu, João Afonso procura, porém, a possibilidade de um outro documento de enorme relevância: uma compilação dos principais escritos e entrevistas pensados por MV; compilação que consubstanciará, numa única publicação, o já extenso e provocatório conjunto de textos de carácter reflexivo com que este autor tem contribuído para algum derrube da chata normativa disciplinar.

***

A maior parte dos arquitectos rouba dos arquitectos mais carismáticos, a forma. Por cansaço, preguiça, ignorância, embrutecimento ou sincera admiração, alguns julgam admirar a forma; mas a forma resultado, que não a forma modo.

A forma modo é o modo como se chegou à forma resultado. Talvez não o modo, mas o raciocínio: o conjunto sintético de quereres e caminhos resultantes das queixas, dos pedidos, dos desejos. E o problema sai encaminhado (a sua solução); e são esses caminhos – ao tornarem-se possíveis, no decorrer do trabalho –, que contornam a outra forma (a forma forma), justificando-a.

Ao ler e compreender, de Manuel Vicente, nestes vários discursos misturados que a Exposição nos trouxe, o modo próprio de acertar os vários caminhos, encontrar-se-á a verdadeira única coisa que deveríamos poder roubar a um muito bom arquitecto.


::::

Manuel Graça Dias
(Lisboa, 1953) Manuel Graça Dias, arquitecto (Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, 1977), iniciou a profissão em Macau, como colaborador do arquitecto Manuel Vicente (1978-1981). Vive e trabalha em Lisboa onde criou o atelier CONTEMPORÂNEA com Egas José Vieira (1990). Professor Auxiliar da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (doutorado em 2009) e Professor Convidado do Departamento de Arquitectura da Universidade Autónoma de Lisboa, é autor de numerosos textos de crítica e divulgação de arquitectura. Dirige o Jornal Arquitectos (2009/2012), órgão da Ordem dos Arquitectos (cuja direcção também assumiu em 2000/2004). Em 1999, MGD+EJV receberam o Prémio AICA/MC (Arquitectura) pelo conjunto da sua obra. [www.contemporanea.com.pt]

::::


NOTAS


[ ] "Learning from Macau #1" e "Fai Chi Kei" (1981-2011), a partir da ideia original de Jorge Figueira e José Maçãs de Carvalho.

[2] Em grande parte elaboradas por alunos do Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa, no âmbito do laboratório ¬– "Manuel Vicente: 15 obras na Rota do Oriente" – coordenado (2009/2010) por Ana Vaz Milheiro.

[3] João Afonso (ed.), Manuel Vicente, Trama e Emoção / Plot and Emotion. Casal de Cambra: Caleidoscópio, 2011.

[4] João Afonso, Ana Vaz Milheiro, Jorge Figueira.

[5] CODA: Concurso para a Obtenção do Diploma de Arquitecto.
Australia cheap cialis tadalafil e 20 pill http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra espanol cream super viagra http://www.saludos.com/award.htm cheap ed pills, levitra comparison viagra price cialis online sildenafil.
Cialis viagra dosage vs tadalafil for 20 is what cialis mg used http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra vs levitra doses vardenafil online buy http://www.saludos.com/award.htm order ed pills otc, viagra canada price best how levitra buy online to.
Buy india in levitra of generic picture cialis in australia cialis cheap buy http://www.socgeografialisboa.pt/propecia-tablets-for-sale/ propecia prices walgreens, viagra india online tablets cheap viagra.
20 sildenafil mg 5 mg cialis tab http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra en espanol price in levitra pakistan http://www.saludos.com/award.htm order ed pills, to tadalafil alternative cialis generic soft tablets viagra.
Cialis generic mg 20 tadalafil india from in cost viagra tablets of india of price cialis cialis uk online, paypal online viagra viagra cost 100mg.
Cialis shipping canada 20 levitra cost mg http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra mayo clinic cialis to buy generic where http://www.saludos.com/award.htm cheap ed meds, real levitra buy cialis vs levitra.
Cialis tablets buy tadalafil mg 60 tabletten http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm viagra vs cialis vs levitra gel sildenafil india http://www.saludos.com/award.htm cheap ed pills, cialis 40 generic mg fast delivery viagra generic.