Links

O ESTADO DA ARTE


Cérberus, Fabrizio Matos. Imagem: Fabio Salvo.

Outros artigos:

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO

VICTOR PINTO DA FONSECA

2022-01-27




 

Lembro-me muito bem quando comecei a programar a Plataforma Revólver, há aproximadamente vinte anos no sótão do Transboavista, com as temperaturas no verão a atingirem os 45 graus, caindo para valores mínimos no inverno (impossível de manter quente e seco), como a forma mais radical e alternativa de programar e realizar exposições de arte. Quando penso nisso com cuidado, parece inimaginável quanta intensidade e encanto pôde conter um sótão com 200m2.

Na época, dado os requisitos financeiros para produzir catálogos, convites, ou para a edição de um site, procedimentos de comunicação nunca me foram uma sensação importante, pois a conclusão bem-sucedida das exposições era prioridade em relação à comunicação: a relação com o público passava-se com a qualidade e o entusiasmo das exposições, aliadas à independência do projecto. Era um trabalho consciente de artesão! Aliás, o conceito para programar a plataforma revólver no sótão - e “plataforma” porque significava literalmente a cobertura horizontal e plana de um edifício, mais alta que tudo o que a rodeava - sempre foi completo crafting: propunha-me programar exposições temporariamente durante cinco anos, ponto; a ideia inicial era encerrar no final do quinto ano (e a boa sensação era as exposições ficarem apenas na memória de um sempre crescente e entusiasmado número de pessoas que visitava as exposições; aliás, recordo-me que os únicos estrangeiros na época que circulavam na Rua da Boavista, tinham como destino a plataforma revólver). — Mas então as coisas tornaram-se mais complexas, como sempre acontece quando nos questionamos. Acima de tudo interessou-me manifestar uma nova forma de estar e de experienciar, valorizando uma “plataforma aberta” de arte contemporânea, alternativa ao distanciamento social das instituições e ao interesse de lucro das galerias comerciais. E que nada disso fosse retórica! Entretanto, a Plataforma desenvolveu-se gradualmente e genuinamente: criou uma forma invulgar de programar, com a abertura em simultâneo de múltiplas exposições, individuais e colectivas, em diferentes espaços e andares, com diferentes e diversos artistas e curadores. Mais: primeiro, o projecto foi capaz de se expressar independente e alternativo, e adequadamente construir um espaço inclusivo, preocupado em garantir que as pessoas se sentissem confortáveis e incluídas; segundo, criou uma respeitada Brand internacional que lhe tem permitido vencer concursos internacionais assim como estabelecer parcerias institucionais com n governos estrangeiros - sempre em modo contracultura, como forma de financiar/ suportar a sua intensa programação nacional e internacional -, com uma invulgar capacidade de comunicar. Nunca fez nem pediu favores e, como tal, ganhou a confiança da comunidade.
 

Entretanto, é verdade que, sempre me pareceu que a transição digital era uma oportunidade fantástica para inovar e publicar uma magazine de arte contemporânea online. (A artecapital.art, hoje, um fenómeno editorial em língua portuguesa e um espaço protegido de transparência; os nossos utilizadores activos somam mais de 30.000 mensalmente, provenientes de países como EUA, Brasil, França, UK, Espanha…)

Agora, sinto viver o mesmo sobre a capacidade do sistema digital para registar a programação da Plataforma Revólver em documentários vídeo através da realização de jovens realizadores: nesse sentido a plataforma está a reorientar-se mais performativa e fílmica, num universo interdisciplinar. De maneira que, se visualizarem o canal de YouTube da, “plataforma revólver - Independent art space”, facilmente encontram uma cronologia vídeo inovadora de todos os momentos da plataforma revólver - exposições, performances e eventos - durante o ano 2021/22, à distância de um click. A boa notícia é que encontro sempre tudo por fazer, o que me mantém entusiasmado e encorajado; assim como a ideia de poder continuar a programar com novas e diferentes pessoas, o que sempre me encanta. A má notícia é a apreensão de nunca saber realmente o que poderá acontecer à programação da Plataforma Revólver e da Artecapital no preciso momento em que cada novo ano se inicia. Estamos mais uma vez simplesmente à espera. Encontramo-nos no final do mês de janeiro e ainda não recebemos a luz verde da DGArtes para retomarmos as programações em 2022. (Nós apenas pedimos que fossem consistentes… estruturem-se de forma que não nos faltem os financiamentos que prometem.) Também o Programa Garantir Cultura, especialmente vocacionado para o sector cultural, que incluiu a criação de apoios para o desenvolvimento de projectos artísticos, de criação e programação, se encontra atrasado nos pagamentos dos reembolsos, contratualmente assumidos, sem informar quanto tempo levará a cumprir com esta obrigação.

Fica muito claro rapidamente que 2022 será mais um ano de precariedade na história de arte, de atraso e desencanto sistémico. Precariedade é precariedade (Agravada pela crise política e ausência de orçamento.) A precariedade está intimamente ligada com o financiamento da cultura; para programarmos cultura precisamos de recursos humanos para trabalhar, de capital intelectual para poder desenvolver as programações, aparte do capital material. A falta e o atraso no financiamento causam danos duradouros ao sistema de cultura, bem como às pessoas. — Nada disto vai mudar amanhã: Por isso, uma situação assim, torna-se uma impossibilidade! A precariedade arrasta-nos para baixo, acumula-se no fundo. É a percursora de abandono e pobreza. (Se bem que, com o passar do tempo, a simetria entre viver e sobreviver se tornará tão perfeita que, de uma maneira geral, já não haverá modo de saber quem levita e quem afunda!)

Depois, uma segunda revelação foi assistirmos a dezenas de conversas e debates entre candidatos a deputados, sem que nenhum desses candidatos (e/ou dos entrevistadores) tivesse curiosidade em questionar /debater arte e/ou ciência, que parece não verem nenhum mérito no que as humanidades têm para oferecer — como se a economia fosse a única medida de valor. Os políticos afastaram-se tanto da cultura e da ciência que não conseguem conversar connosco. Desde logo continuam a não perceber que a política e a cultura estão inextricavelmente ligadas. Que os nossos insucessos como país, na saúde, na justiça, na economia, na justiça social, a corrupção, a falta de imaginação, os favorecimentos, são implicações políticas da nossa imemorial falta de investimento na cultura. (Para lá da literarização.) Abandonar a cultura significa destruir as hipóteses de desenvolvimento e significa destruir progressivamente a memória, o que terá provavelmente consequências profundas.


Talvez a nós portugueses, nos falte uma célula sensível à arte, com ligação directa ao cérebro, um espírito apaixonado para avaliarmos a cultura, que nos permita ter uma visão muito superior, para aprendermos a discutir as dimensões políticas e sociais da arte, e as implicações políticas da cultura. Talvez nos falte ver a cultura e a vida apaixonadamente!

 

É sobre vermos a cultura de uma forma vibrante e apaixonada, como Beuys ensinava nas suas aulas, que a AICA devia concentrar a sua energia: Quanto às semelhanças alarmantes entre um passado retrógrado e cooperativo e a farsa do recente comunicado da AICA (apresentado como um sentimento nacional), a pressionar-nos que devemos ser acríticos e pacientes com os privilégios das pessoas influentes e conservadoras - numa perspectiva assumida como evidente que a cultura do favor e os poderes estabelecidos governam a arte -, para que a vida de determinada pessoa se torne mais fácil, fica bem claro que precisamos de pensar um novo modelo “livre de favores”, e em diálogo com a contracultura. Uma mudança de paradigma cultural para a ética é imprescindível. — A cultura serve para fundar a consciência ética! Desenvolvermos uma “cultura do cuidado” como cuidadores do outro, é muito diferente de cultivar uma “cultura do favor” com base nos interesses particulares. — Sabemos que a arte pertence a todos nós. Neste contexto, é mais importante do que nunca reforçar a pluralidade de uma infinidade de vozes. A necessidade de igualdade e diversidade. — O respeito pela meritocracia é fundamental na arte.


‘The Times They Are a-Changin’. 

 

victor pinto da fonseca
Director da Plataforma Revólver e da Artecapital.