Links

O ESTADO DA ARTE


Serge III Oldenbourg, Sem Título, 1974. Paleta colocada dentro de arame farpado. Col. Galeria Alvarez


Vista geral da exposição dos materiais do ciclo internacional PERSPECTIVA 74. Programa 'LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES'. 21 a 24 abril 2022, Rampa.


H. Yokoyama, Sem título, 1974. 6 páginas do Jornal de Notícias com intervenção do artista entre 23/02–04/03/1974. Col. Galeria Alvarez


Vista geral da exposição dos materiais do ciclo internacional PERSPECTIVA 74.


Vista geral da exposição dos materiais do ciclo internacional PERSPECTIVA 74.


Vista geral da exposição dos materiais do ciclo internacional PERSPECTIVA 74.


Vitrine com documentação do Ciclo Internacional Perspectiva 74. [1]


Vitrine com documentação do Ciclo Internacional Perspectiva 74. [2]


Vitrine com documentação do Ciclo Internacional Perspectiva 74. [3]


Vitrine com documentação do Ciclo Internacional Perspectiva 74. [4]


Vitrine com documentação do Ciclo Internacional Perspectiva 74. [5]


António Olaio reflectido na obra de Serge III Oldenbourg, Sem Título, 1974. Técnica mista sobre madeira e espelho, 68 x 63 cm. Col. Galeria Alvarez


Ensaio da performance de António Olaio, "Starship Diagonale", 21 de Abril 2022, Rampa.

Outros artigos:

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’

PAULA PINTO

2022-04-29




 

 

 
O programa “LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCE” visa a recuperação, documentação e activação do espólio do crítico de arte Egídio Álvaro (Coimbra, 1937 - Montrouge, 2020). Este espólio amplamente dedicado à história nacional e internacional da performance-arte dos anos 70 e 80, será activado no espaço RAMPA (Pátio do bolhão 125,Porto) entre os dias 21 de Abril e 11 de Junho de 2022, através de uma série de actividades que integram: a exposição física de alguns dos seus materiais visuais e documentais, sessões de visualização de fotografias e vídeos em formato digital, escuta de registos sonoros, apresentação de performances originais ao vivo e recriações de performances documentadas no espólio, exposição de obras de artistas plásticos realizadas propositadamente para este programa, uma oficina gráfica de cartazes e conversas informais com artistas e outros agentes sobre a actividade profissional deste crítico de arte e promotor cultural, bem como com interessados nas temáticas surgidas em torno da construção de um arquivo de performance-arte e problemáticas adjacentes.  

Para que serve um espólio de fotografias e vídeos inéditos sobre encontros e festivais de arte e performance em Portugal (1974-1987)? Se alguma instituição museológica chegar a mostrar interesse no seu acolhimento, quanto tardará até que possa ser publicamente consultável e que visibilidade lhe dará? Que papel têm tido as instituições museográficas e as bibliotecas do país na preservação de obras e acervos documentais, na promoção da história de arte portuguesa e na sua visibilidade? Que museus estão preparados para o acolhimento de espólios documentais? Porque são importantes estes espólios documentais e que oportunidades existem para que artistas e intelectuais independentes os trabalhem? Quais as diferenças entre visionar fotografias, vídeos e ter acesso a relatos e depoimentos de diferentes artistas? 

É fundamental que estes materiais sejam cultural, visual e materialmente tratados e que conteúdos históricos e teóricos sejam produzidos sobre o trabalho do crítico de arte Egídio Álvaro, mas igualmente sobre os artistas que com ele colaboraram, chamando a atenção para a falta de responsabilidade institucional de lhes conferir visibilidade e permitir que o seu interesse se renove. Reconhecer, celebrar e activar o espólio documental de Egídio Álvaro, abrindo-o a uma comunidade de artistas, historiadores e outros interessados na história da performance arte, será um sinal importante para o trabalho que qualquer instituição venha a fazer no futuro com o mesmo e confere-nos a todos uma oportunidade para pensar na presente condição das artes em Portugal.  

Este programa representa uma oportunidade para lembrar a performance enquanto expressão artística e inscrever a sua história na cultura portuguesa, mas sobretudo debater e renovar a abordagem cultural sobre materiais documentais e visuais que, com o passar do tempo, necessitam de ser activados por novas gerações, encontrar novos espaços e meios de exposição. Ainda estamos na fase das perguntas, em que as respostas são certamente desconhecidas.... 
 
O programa estende-se por sete semanas (entre 21-24 de abril e 4 de maio-11 de junho de 2022), contemplando a contínua digitalização, documentação e tratamento de materiais ainda não identificados no espólio de Egídio Álvaro e a exposição de outros que têm sido trabalhados ao longo dos últimos meses, abordando questões como a organização de ciclos de exposições e festivais de arte viva em Portugal, a programação da galeria Diagonale dirigida por este crítico de arte a partir de 1979 em Paris, o enfoque sobre uma selecção de performances que nos permite problematizar diferentes abordagens desta arte corporal e a construção do website “performingthearchive”. Durante estas sete semanas, alguns dos materiais do espólio serão expostos no espaço expositivo da RAMPA com o intuito de evidenciar algumas destas temáticas, sendo convidados artistas a colaborar na documentação de um espólio que ainda não se encontra organizado, no depoimento de memórias de trabalho, na activação de conversas e materiais de arquivo, na produção de novas interpretações artísticas a partir destes materiais visuais e culturais e na apresentação de performances ao vivo. 

 

CICLO INTERNACIONAL PERSPECTIVA 74 

Entre 21 e 24 abril, o programa LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES foi inaugurado com a exposição de uma série de materiais do ciclo internacional PERSPECTIVA 74.   

Em Outubro de 1973 (mês do lançamento da Revista de Artes Plásticas Nº1), Egídio Álvaro convidou em nome da Galeria DOIS, uma série de artistas a participarem numa exposição consagrada a alguns aspectos da “arte contemporânea”; ainda antes do conceito mais genérico de performance resumir um campo experimental que se apropria de elementos associadas a diversas artes, surgem nesta época expressões como: intervenções, arte conceptual, arte processo, arte ideia, arte transversal, arte lúdica, dialéctica da duração, arte da troca, arte corporal, crítica do suporte, arte de comportamento, espaços vivos, ambiente, instalação, escultura-viva, situação, arte viva, etc..., que procuram inscrever novos registos artísticos. Depois de reunir preliminarmente com Da Rocha (ou Paris Couto), Hubert, Moucha, Pineau, Schwind, Tomek e Yokoyama, dirige o convite a Alvess, Ben, Brecht, Borgeaud, Dixo, Filliou, Gerz, Klassnick e Oldenbourg. As exposições durariam 1 semana/cada, com direito a um desdobrável com formato A3 (dobrado ao meio), um catálogo geral a ser organizado durante uma retrospectiva na última semana do ciclo e a edição de um álbum serigráfico com uma edição de 100 exemplares de cada artista. A viagem e a estadia dos artistas eram asseguradas pela Galeria Dois, tendo como seu centro de acolhimento a Casa de Valadares, de Jaime Isidoro (1924-2009).  

O ciclo, organizado por Egídio Álvaro para as galerias do Grupo Alvarez, estendeu-se às ruas, mercados, praias, cafés e praças públicas do Porto. Inaugurou a 16 de Fevereiro de 1974, antes da Revolução de Abril, mas celebrava já uma mudança nos comportamentos artísticos, destabilizando o estatuto dos objectos artísticos comercializados pelas galerias e expondo um público não especializado a novos modos de produção artística. Entre 16 Fevereiro e 1 Maio 1974, o Ciclo Internacional Perspectiva 74 reuniu treze artistas de seis países – Polónia, Japão, Portugal, Inglaterra, França e Checoslováquia: Tomek Kawiak, Yokoyama, Alberto Carneiro, Roland Miller e Shirley Cameron, Jacques Pineau, Da Rocha, Pierre-Alain Hubert, Miloslav Moucha, Manuel Alvess, João Dixo, Robin Klassnick e Serge III Oldenbourg. Ampliando o terreno de recepção pública da arte à escala da cidade, este ciclo foi fundamental para o desenvolvimento da performance-arte portuguesa.  

 

GALERIE DIAGONALE (Paris) 
 
Depois de conhecer o novo director da Secretaria Portuguesa do Turismo em Paris, em 1977, Egídio Álvaro organizou várias exposições nessa pequena galeria na rue Scribe, que tinha por ambição transformar-se num centro de arte portuguesa. Esse espaço toma de imediato o nome DIAGONALE e Egídio Álvaro acaba por assumir a sua programação como uma primeira fase da direcção da sua galeria. A partir de Abril de 1977 apresenta: uma colectiva –“Le Fil Conducteur” (19 abril – 5 maio), com Henrique Silva, Natividade Correa, Vítor Fortes, Graça Morais e Jaime Silva e três exposições individuais – Carlos Carreiro (10-30 maio), João Dixo (31 maio-20 junho) e Sérgio Pombo (30 junho-16 julho). O Adido Cultural Português acaba por alegar o fecho da galeria da Secretaria Portuguesa do Turismo para a realização de obras (aparentemente não voltando a abrir), mas em 1978 Albuquerque Mendes (9-31 maio) ainda inaugurou uma exposição individual na Galerie Diagonale/ Rue du Scribe. 

Já em 1979, o Centro Cultural Português da Fundação Calouste Gulbenkian (Av. de Iéna) inicia um ciclo dedicado aos seus bolseiros e Egídio Álvaro propõe algumas exposições e escreve alguns textos. São exemplo os textos para o catálogo de Gonçalo Duarte (Maio 1979) e de João Dixo (Abril 1979). A Fundação Calouste Gulbenkian decide igualmente terminar este ciclo de bolseiros e a exposição de Miguel Yeco, que estava programada há 7 meses, é cancelada, depois da administração da Gulbenkian ter decidido que não queriam performances no seu centro cultural.  

Com a colaboração de um amigo, Egídio Álvaro tinha encontrado um espaço com um pequeno jardim num pátio em Montparnasse. As actividades da Galeria Diagonale, 10 Boulevard Edgar Quinet (75014 Paris), que abriu imediatamente no dia 25 de Abril de 1979, iniciam com a exposição e performance que Miguel Yeco tinha visto cancelada na Gulbenkian. Na capa do catálogo, o nome da Fundação Calouste Gulbenkian aparece cancelado com uma cruz, mas a marca foi transposta da capa do dossier enviado por Miguel Yeco para a Gulbenkian. 

Muitos artistas portugueses acabam por expor na Galerie Diagonale até aos anos 90: Da Rocha, Armando Azevedo, Manoel Barbosa, Albuquerque Mendes, Elisabete Mileu, Gerardo Burmester, Miguel Yeco, António Barros, Natividade Correa, Carlos Gordilho, Luís Garcia, António Olaio, entre muitos outros. Mas Egídio Álvaro identificava a Galerie Diagonale como um “lugar de encontros internacionais”, expandindo a sua programação dentro e fora da galeria, por festivais organizados por si ou em parceria com outras instituições culturais. Vocacionada para a performance, apresentou instalações, exposições, arte postal, dança, música, fotografia, vídeo e foi palco de muitos debates.  

Como o nome indica, a galeria DIAGONALE assumiu-se como lugar de investigação, de encontros e trocas, encruzilhada de linguagens disruptivas, superfície de revelação de clivagens, sem fronteiras, pela criação total e circulação sem entraves.  

A apresentação deste segundo momento do programa LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES decorrerá de 4 a 7 de maio.

 

 


Paula Parente Pinto
Licenciada em Artes Plásticas: Escultura, Faculdade de Belas Artes do Porto (1998); Mestrado em Arquitectura e Cultura Urbana, Universidade Politécnica da Catalunha, Barcelona, Espanha (2004); Doutoramento em Estudos Visuais e Culturais, Universidade de Rochester, NY, USA (2016). Tem trabalhado em Investigação histórica e como curadora independente em inúmeras exposições.

 


:::

 

 

Egídio Álvaro (1937 - 2020)
"Lembrar o Futuro: Arquivo de Performances"

21/04 a 11/06/2022

Curadoria: Paula Parente Pinto

Rampa, Porto

 

:::

 

Notas às Legendas

[1] Serge III Oldenbourg na Galeria Dominguez Alvarez (22 Abril – 1 Maio 1974)
Folheto da exposição-contestação
Jaime Ferreira, ”Do arame farpado à pintura sem problemas”, in Comércio do Porto, 27/04/1974.
António Pereira de Sousa, Reportagem fotográfica, Ampliações fotográficas sobre papel, 1974.

[2] João Dixo na Galeria Alvarez Dois (13 – 20 Abril 1974)
Folheto da exposição “Sobre histórias da minha terra, 30 trabalhos gratuitos como matéria para que você faça obras de arte”
Jaime Ferreira, “O Homem da Rua discutiu com o pintor Dixo na Perspectiva 74”, in Comércio do Porto, 23/04/1974.
António Pereira de Sousa, Reportagem fotográfica, Ampliações fotográficas sobre papel, 1974.

[3] Rolland Miller e Shirley Cameron frente à Câmara Municipal do Porto e na Galeria Alvarez Dois (9 – 15 Março 1974)
Folheto da exposição
“Dois artistas ingleses deram espectáculo na Avenida dos Aliados”, in Diário Popular, 22/03/1974.
Jaime Ferreira, “Dois plastífices ingleses fazem escultura cénica”, in Comércio do Porto, Março 1974.
António Pereira de Sousa, Reportagem fotográfica, Ampliações fotográficas sobre papel, 1974.

[4] Da Rocha na Galeria Alvarez Dois (23 – 29 Março 1974)
Da Rocha, Disposition des murs des oeuvres de la Galerie Alvarez, desenho sobre papel, 50 x 65 cm,1974
Da Rocha, Couleur d’âne en fuite, 5 Acrílico sobre tela, 17,5 x 10 cm/cada, 1974
António Pereira de Sousa, Reportagem fotográfica, Ampliações fotográficas sobre papel, 1974.

[5] Alberto Carneiro na Galeria Alvarez Dois (4 – 8 Março 1974)
Alberto Carneiro, 2 originais para Arte ecológica – Operação estética em Vilar do Paraíso, 1973, Desenho a tinta da china, mapa com colagem e fotografias sobre papel
Col. Galeria Alvarez
Jaime Ferreira, “Sensacionalismo de Alberto Carneiro”, in Comércio do Porto, 10/03/1974.
António Pereira de Sousa, Reportagem fotográfica, Ampliações fotográficas sobre papel, 1974.