Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.


Vista da exposição. Fotografia © 2018, DMF Lisboa. Cortesia Culturgest.

Outras exposições actuais:

MARIANA SILVA

PAVILHÃO DAS FORMAS SOCIAIS


Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa
Bruno Caracol

ZULMIRO DE CARVALHO

ZULMIRO DE CARVALHO: ESCULTURA 1968-2018


Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar
LAURA CASTRO

FRANCISCA AIRES MATEUS

One Centimetre Apart


Águas Livres 8, Lisboa
CATARINA REAL

GUSTAVO JESUS

EXALTAÇÃO DO INTERVALO


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A GUERRA COMO MODO DE VER: OBRAS DA COLEÇÃO ANTÓNIO CACHOLA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
LUÍS RIBEIRO

5ª EDIÇÃO

FUCKIN` GLOBO 2018


Hotel Globo, Luanda
ADRIANO MIXINGE

COLECTIVA

BIENAL DE SÃO PAULO


Bienal de São Paulo, São Paulo
JULIA FLAMINGO

A COLECÇÃO PINTO DA FONSECA

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa
NATÁLIA VILARINHO

RUI CHAFES E ALBERTO GIACOMETTI

GRIS, VIDE, CRIS


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PATRÍCIA SERRÃO

WELTSCHMERZ


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


MICHAEL BIBERSTEIN

MICHAEL BIBERSTEIN: X, UMA RETROSPETIVA




CULTURGEST
Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos, Rua Arco do Cego
1000-300 Lisboa

19 MAI - 09 SET 2018


 

 

O espaço não é o ambiente (real ou lógico) em que as coisas se dispõem, mas o meio pelo qual a posição das coisas se torna possível.
Merleau-Ponty (1999: 328)

 


Forma, linha e branco.

Abstração. Desconstrução. Espaço.

Percecionamos os processos abstratos que compõe uma "linguagem conceptual herdeira da filosofia analítica", tal como a descreveu Delfim Sardo, curador da exposição (cf. texto da Culturgest).

Numa articulação de uma linguagem conceptual, Michael Biberstein produz nos seus primeiros trabalhos, dos anos 1970 e 1980, um cruzamento erudito entre a forma e o espaço, numa tautologia da perceção expositiva, refletindo, em que certa medida, um sistema de repetição, cuja linguagem estabelece um contraponto com da linguagem musical.

Trata-se de decompor o pensamento abstrato numa abordagem dos procedimentos fenomenológicos da perceção do espaço. Desta forma, o artista remete-nos para a simplicidade da forma e para uma desconstrução do "sistema", enquanto repetição até à exaustão.

O espaço é entendido na perceção, mas também no entendimento. A experiência estética é fruída pelo espectador nesse "puro sistema" composto, pela simplicidade das estruturas da forma, pela justaposição das linhas, entre diagonais e verticais ou horizontais. E, a cor é expressa em pequenos detalhes que colocam em contraste com o branco da tela e da parede.

O espectador perceciona o espaço, enquanto forma, ritmo e movimento, criando deste modo, a repetição em contraponto com a representação da estrutura da imagem abstrata. A escala e a representação experimental do sistema são redesenhadas como composições expositivo-espaciais, incorporam, assim, o limiar da própria linguagem matemática, como se projetasse uma harmonia e equilíbrio. O espaço é delineado pela simplicidade geométrica fazendo convergir o pensamento abstrato com a complexa reconfiguração dos padrões minimais.

 

 

A escala intensifica-se na perceção fenomenológica. A linguagem muda, mas o espaço continua a fazer parte da sua concepção estética.

Surgem, noutras salas, enormes telas com "elementos negros monocromáticos". Contemplamos a obra que fruímos em grande escala, a paisagem enquanto uma nova sensação da experiência do sublime, como nas obras Sem Título, 1991, ou Double Landscape with Praedella, 1990. O artista entrelaça a tradição romântica com o pensamento oriental. A paisagem emerge do ambíguo e, por isso, a sua perceção estética fica no limiar do assombro, no incógnito ou mesmo no mistério, como se, de súbito, surgisse da névoa uma enorme escuridão, como na obra Dark Glider, 1993-1994.

Prevalece a grandeza da escala. Enquanto espectadores, somos subjugados pela amplitude de uma alusão de paisagem, que se dilui em negros sobre o linho escuro, como na obra Jumping Jack Flash, 1998. Tanto nos proporciona um sentimento romântico desconcertante, induzido pela grandiosidade da escala, onde o fluxo se movimenta através dos negros monocromáticos, como nos apela para uma experiência contemplativa oriental, sentindo a unidade do todo através da alusão da natureza.

Porventura, evoca o espectador à experiência meditativa. Deixamo-nos ir ao encontro de uma espécie de aniquilação espaçotemporal, entre o ser e a natureza, na obra Very Large Attractor, 1991. Pela sua simplicidade e fluidez, sentimos a infinitude e a intemporalidade, cuja dimensão estética já não se encontra situada apenas no presente, mas se projeta no presente, passado e futuro. O observador sente semelhante experiência de um poeta de haiku, cujo sentimento se funde com a natureza, num todo, tal como "os elementos negros monocromáticos" e o espectador. Recordamos, então, a poesia de Bashô:

acima do voo da cotovia
deito-me no céu
desta passagem de montanha

 

 



JOANA CONSIGLIERI