Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Fotografia: Alberto Mayer


Fotografia: Alberto Mayer


Fotografia: Alberto Mayer


Fotografia: Alberto Mayer


Fotografia: Alberto Mayer


Fotografia: Alberto Mayer

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

SIGNAL - THE HISTORY OF (POST)CONCEPTUAL ART IN SLOVAKIA


Ludwig Múzeum, Budapeste
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TRABALHO CAPITAL - ENSAIO SOBRE GESTOS E FRAGMENTOS


Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira
LUÍS RIBEIRO

FRANCISCO TROPA

O PIRGO DE CHAVES


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JULIA FLAMINGO

CAROLINE MESQUITA

ASTRAY


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

ERIKA VERZUTTI

ERIKA VERZUTTI


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

HORÁCIO FRUTUOSO

CLUBE DE POESIA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

CARLOS BUNGA

THE ARCHITECTURE OF LIFE. ENVIRONMENTS, SCULPTURES, PAINTINGS AND FILMS


MAAT, Lisboa
MIGUEL PINTO

JORGE MOLDER

JEU DE 54 CARTES


Carpintaria de São Lázaro, Lisboa
MARC LENOT

COLECTIVA

WAIT


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MIRIAN TAVARES

TACITA DEAN

TACITA DEAN


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:


COLECTIVA

A GUERRA COMO MODO DE VER: OBRAS DA COLEÇÃO ANTÓNIO CACHOLA




MACE - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA DE ELVAS
Rua da Cadeia
7350 Elvas

01 DEZ - 31 DEZ 2019

A DOR IDIOTA

 

ARTISTAS
Alice Geirinhas | Ana Rito | Ana Mary Bilbao | António Júlio Duarte | António Neves Nobre | Augusto Alves da Silva | Carla Filipe | Catarina Dias | Daniel Barroca | Dealmeida Esilva | Fernanda Fragateiro | Filipa César | Gabriel Abrantes | João Onofre | João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira | Luís Palma | Luísa Cunha | Mané Pacheco | Manuel Botelho | Maria Lusitano | Maria Trabulo | Marta Soares | Miguel Palma | Patrícia Garrido | Pedro Gomes | Pedro Neves Marques | Rui Serra | Rui Toscano | Salomé Lamas | Sara Bichão | Vera Mota

 

A exposição coletiva “A Guerra como Modo de Ver”, com curadoria de Ana Cristina Cachola, reúne um conjunto de obras de artistas portugueses da Coleção António Cachola. A exposição teve como ponto de partida diferentes modos de ver o contexto político, social e cultural de um Portugal pós-revolução de Abril, [supostamente] livre e democrático na sua relação com o mundo contemporâneo. O corpo como instrumento (ativo ou passivo) de guerra serve de ignição a um pensamento que se abre além da noção superficial de guerra como conflito entre exércitos militares. No folha de sala, podemos ler que o corpo é «não poucas vezes em território onde a violência é exercida de diversas formas e com várias motivações (o género, a orientação sexual, a etnia, a religião, a geografia, o emprego e habitação — ou falta deles —, a classe, e a intersecção de todas elas)».

O conjunto de serigrafias de Alice Geirinhas apresenta-se como um excelente exemplo desta noção do corpo como instrumento de exercer dor e sofrimento sobre o outro. A força das palavras sobrepõe-se aos desenhos caricaturais, com frases como «Levo porrada às segundas e quartas e às sextas sou violada», numa alusão crítica fortíssima à violência usada sobre as mulheres, dando voz ao silêncio que todos sabemos existir mas preferimos ignorar. O sonho de uma vida melhor, de crianças que sofrem numa asfixia psicológica da violência familiar, é uma guerra tantas vezes divulgada como esquecida pela sociedade.

Por outro lado, a instalação escultórica “Vadios” de João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira remete-nos para uma ideia de revolução (ainda) muito presente, não apenas no sentido de derrubar poderes políticos mas antes de enfrentar preconceitos e outros obstáculos do domínio cultural, moral e ético presentes no nosso quotidiano. A dupla de artistas explora a ideia (passada?) da homossexualidade vivida na sombra do Estado Novo, que surge aqui semelhante às manifestações de rua e dos discursos escritos com spray nas paredes que quebram o silêncio das cidades mudas.

Neste sentido, as diferentes noções de conflito que a curadora nos apresenta através de obras com múltiplas linguagens plásticas e visuais funcionam como instrumentos “idiotas” que nos obrigam a abrandar e a refletir sobre determinada imagem ou objeto. O filósofo francês Clément Rosset introduz a noção de «idiotia», explicado por Mario Perniola como algo que serve «para indicar o carácter simultaneamente fortuito e determinado do real», algo que não implica nenhuma racionalidade mas que se impõe «com um carácter construtivo e até violento» [1]. O termo «idiotia» para além do significado comum de estúpido, sem ideias, existe também o significado etimológico (do grego idiôtés) que quer dizer simples, particular, único. Ainda segundo Perniola, algo idiota é «incapaz de reflectir-se, de duplicar-se, de se desdobrar numa imagem especular» sugerindo que «a produção de significados é um valor acrescentado ao real através de uma projecção imaginária [...] para a qual a experiência do real na sua idiotia é algo de raro» [2].

Nas imagens de guerra, de desastres ou outras catástrofes que comportam a noção de dor, há um momento de repulsa e de atração que convivem lado-a-lado e impulsionam a prática de vários artistas. A atração pelo desastre existe como uma sombra iluminada por um fascínio inconsciente pelas imagens de dor e sofrimento. Esta dor idiota atrai-nos e convida-nos a mergulhar nela. A sentir a dor dos outros, a vestir uma segunda pele. A obra de Mané Pacheco “Bala Perdida” (construída com material de guerra/Invólucros de munição inerte de calibre 12.7 e material de desporto/Corda de escalada) transforma a noção de arma como instrumento de batalha para um universo de esforço físico, do domínio do desporto, como se nos convidasse a uma escalada para ultrapassar toda uma montanha de sofrimento. Por outro lado, o trabalho de Manuel Botelho, muito centrado na guerra colonial, apresenta uma encenação do artista vestido de militar numa relação espaço-temporal que insiste em atravessar o subconsciente dos portugueses e nos lembra deste povo (que foi) colonizador.

A fotografia do cruzeiro turístico naufragado (provavelmente o enorme Costa Concordia que afundou em 2012 após uma manobra arriscada que tinha como objetivo entreter os passageiros) que Catarina Dias nos apresenta, lembra-nos que as fotografias e as filmagens funcionam como armas ao serviço do desastre. Sem estes registos, as imagens de choque ficariam apenas remetidas ao exercício da memória, e só daqueles que experienciaram tais acontecimentos. Mas ao que parece «o apetite por imagens representando corpos (ou objetos onde estes habitam) sofredores é tão forte, quase, como o desejo de imagens de corpos nus» [3]. O prazer associado à dor e ao sofrimento nas imagens surge na arte como uma provocação, questionando o espetador: podes olhar para isto? Há o prazer de o fazer «estremecer» (Sontag) ao olhar para tais imagens.

Em todas as obras onde habitam conceitos demasiadamente penosos transformam-nos em voyeurs, como no convite que Miguel Palma nos faz ao espreitar pelo telescópio, quer seja ou não essa a nossa intenção, pois cada uma dessas imagens horríveis convida-nos a ser espetadores ou cobardes, incapazes de olhar [4]. Na perspetiva de Rancière, uma imagem intolerável é uma realidade que escondemos da nossa vida confortável, o choque entre a realidade e a aparência. Assim, parece-nos que o artista nos dá um certo conforto através da dor dos outros, que é exterior a nós, para aguentarmos melhor o nosso próprio sofrimento.

 

 

 

Luís Ribeiro
Doutorando em Arte Contemporânea no Colégio das Artes na Universidade de Coimbra. É membro fundador do Laboratório das Artes tendo organizado diversas exposições entre 2003 e 2015. Desenvolve a sua atividade profissional como artista, curador, produtor artístico e como professor de artes visuais | www.luisribeiro.eu

 

 :::

 

Notas

[1] Perniola, Mário, A arte e a sua sombra, Assírio e Alvim, 2006
[2] Idem
[3] Sontag, Susan, Olhando o Sofrimento dos Outros, Relógio D’Água, 2015.
[4] Rancière, Jacques, O Espectador Emancipado, Orfeu Negro, 2010.
 



LUÍS RIBEIRO