Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Vista da exposição. Fotografia: Gustavo Jesus.


Still do vídeo Morfogénese, de Gustavo Jesus.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

SIGNAL - THE HISTORY OF (POST)CONCEPTUAL ART IN SLOVAKIA


Ludwig Múzeum, Budapeste
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TRABALHO CAPITAL - ENSAIO SOBRE GESTOS E FRAGMENTOS


Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira
LUÍS RIBEIRO

FRANCISCO TROPA

O PIRGO DE CHAVES


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JULIA FLAMINGO

CAROLINE MESQUITA

ASTRAY


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

ERIKA VERZUTTI

ERIKA VERZUTTI


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

HORÁCIO FRUTUOSO

CLUBE DE POESIA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

CARLOS BUNGA

THE ARCHITECTURE OF LIFE. ENVIRONMENTS, SCULPTURES, PAINTINGS AND FILMS


MAAT, Lisboa
MIGUEL PINTO

JORGE MOLDER

JEU DE 54 CARTES


Carpintaria de São Lázaro, Lisboa
MARC LENOT

COLECTIVA

WAIT


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MIRIAN TAVARES

TACITA DEAN

TACITA DEAN


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:


GUSTAVO JESUS

EXALTAÇÃO DO INTERVALO




ASSOCIAÇÃO 289
Sítio das Pontes de Marchil


13 OUT - 15 DEZ 2018

O JOGO NA/DA ARTE DE GUSTAVO JESUS

 

 

 

Mesmo sem compreender,
quero continuar aqui onde está constantemente amanhecendo.

Caio Fernando Abreu

 


Em 1938, o filósofo Johan Huizinga escreveu Homo Ludens. Nesta obra ele conclui que o jogo é parte constitutiva do homem, tão básico como o fazer, o jogar é um dos elementos que ajudam a humanidade a construir a civilização. Anos mais tarde, outro filósofo, Alfredo Bosi, pede emprestada a definição de jogo do Huizinga e utiliza-a para definir a arte: “uma atividade voluntária exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e alegria e de uma consciência de ser diferente de vida quotidiana”.

Na arte, como no jogo, manipula-se o tempo e o espaço e cria-se uma temporalidade própria, através das regras previamente estabelecidas, mas que podem, e são, constante ultrapassadas ou reinventadas. O homo sapiens, faber e ludens pode ser também o homem criador ou o artista. A pergunta que muitos tentam responder é: onde e quando começa a criação? O que difere o ato criador de um outro ato, também capaz de criar objetos? Esta questão é fulcral para o artista Gustavo Jesus.

Na sua obra o jogo é um princípio ativador de um conjunto de ideias que o artista quer partilhar connosco. Muitas destas ideias são, de facto, questões que percorrem seu trabalho desde o princípio: qual é o ponto exato em que a arte se torna arte? O que leva o artista a criar? De diversas maneiras o artista implica-se naquilo que faz, penetra nos seus objetos, deixa que estes objetos o penetrem ou que o envolvam como um casulo. E dentro deste casulo o artista nasce. É a obra que faz nascer o artista, como um exercício de maiêutica, tudo está conectado, arte e artista fazem parte de um todo cosmogônico e para desenlaçá-los é preciso fazer as perguntas certas. Para o artista, a sua obra é autojustificada, mas na sua inquietação, necessita encontrar respostas que podem estar na própria arte ou além dela.

 

 

Como Huizinga que considerava o jogo parte essencial do homem e como Bosi que comparou a arte ao jogo, Gustavo Jesus joga com a arte e com as palavras, com os conceitos, com as questões que lança para si mesmo e para os espetadores. Todos somos convidados a penetrar nos espaços em que a obra se instala, nos espaços entre as obras, no espaço em constante suspensão – não nos apercebemos onde começa a obra e onde finda o processo de criação. Os objetos oscilam entre o peso e a leveza, entra uma presença marcante e uma ausência prevista, entre o jogo e a vida.

Muita coisa acontece nos espaços vazios, nos intervalos, nos espaços entre as palavras, entre o dito e o não dito. Na obra de Gustavo Jesus, o intervalo é visível e é entre uma peça e outra que a arte se revela – num espaço-entre, onde tudo começa e volta a recomeçar, onde a obra nunca se finda, porque está em constante (re)criação.
 

 

Mirian Tavares

 

:::

 

A "ASSOCIAÇÃO 289" é uma associação cultural sem fins lucrativos criada em Fevereiro de 2017 por iniciativa de um grupo de artistas visuais reunidos na cidade de Faro. Enquanto estrutura a Associação 289 constitui-se como um espaço de divulgação de Arte Contemporânea, tendo como base o Solar das Pontes de Marchi às portas da cidade de Faro. A actividade da 289 tem como orientação três ideias principais: criar oferta cultural de qualidade para a cidade de Faro e a região do Algarve; promover a criação de público para a cultura; estabelecer-nos enquanto espaço de reunião e criação, estimulando a criatividade no âmbito da Arte Contemporânea. A prossecução destes objectivos tem sido realizada de uma forma diversa com o trabalho efectivo dos artistas residentes no espaço, através de exposições de Arte Contemporânea, lançamento de livros de artistas ou ainda mostras de filmes sobre arte.

 



MIRIAN TAVARES