Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Créditos: Benedita Pestana


Créditos: Benedita Pestana


Créditos: Benedita Pestana


Créditos: Benedita Pestana

Outras exposições actuais:

BÁRBARA WAGNER & BENJAMIN DE BURCA 

ESTÁS VENDO COISAS


Galeria Boavista, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

ANDREAS H. BITESNICH

DEEPER SHADES: LISBOA E OUTRAS CIDADES


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

MANON DE BOER

DOWNTIME / TEMPO DE RESPIRAÇÃO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
MARC LENOT

CLAUDIA ANDUJAR

LA LUTTE YANOMAMI


Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris
MARC LENOT

ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A LINHA EM CHAMAS


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES


O Armário, Lisboa
ANDREIA CÉSAR

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY


Hayward Gallery, Londres
JULIA FLAMINGO

COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE


MAXXI – Museo delle Arti del XXI Secolo, Roma
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:


SARA MEALHA

TANGO




O ARMÁRIO
Calçada da Estrela 128 A


05 OUT - 28 NOV 2019

Sara Mealha no Armário

 

 

O Armário é um projecto independente situado na Calçada da Estrela nº 128A com direcção de Benedita Pestana . Já contou na sua programação-provocação com nomes como António Olaio, Ana Vidigal, Armanda Duarte, Vânia Rovisco, André Alves e Luísa Cunha entre vários outros, numa constelação artística muito interessante e pertinente. É um espaço cuja provocação dada aos artistas, como mote para acção, e para exposição, é a de o espaço expositivo ser habitado primordialmente pelo objecto que lhe dá nome - um armário. Um armário de madeira e vidro, “três prateleiras e duas gavetas com puxadores em latão” (como se lê no texto de apresentação do projecto em http://o-armario.a-montra.com), próximo de uma vitrine. Ao artista, dá-se liberdade, mas também contingência: o armário não pode ser movido para fora da sala e a sua integridade deverá ser mantida.

A exposição de Sara Mealha, Tango - inaugurada a 05 de Outubro e patente no Armário até dia 28 de Novembro, visitável sob marcação e com a atenta e disponível companhia da Benedita - traz-nos o gesto expositivo de esconder o evidente. Não disfarçar, não fingir: velar. Há um acondicionamento do armário e do espaço-ele-mesmo que torna evidente a incapacidade do proposto: é impossível esconder-se não só as evidências como aquele armário, e aquele espaço, ou o espaço vazio que entre eles se forma e que nós, enquanto corpos, ocupamos.
Esconder uma característica evidente evoca fenómenos próximos, como o gesto de Fernão Cruz, ao ocultar o chão azul da galeria Balcony na sua exposição “Long Story Short” ou mesmo com as suas esculturas que parecem esconder o próprio referente que representam, ou fenómenos menos próximos e de outras escalas, como as tentativas anunciadamente falhadas de ocultar objectos, edifícios e ilhas de Jeanne-Claude e Christo. Ocultando, evidencia-se o oculto, anuncia-se o que já estava lá enquanto evidência. Há um movimento contrário a ser colocado simultaneamente no mesmo movimento. Armário como Ilha. Dupla-captura entre o ocultar e o desvendar.

Ocultando uma evidência, evidencia-se o ocultamento. Entramos como que na evidência do espaço que o armário em si não ocupa. E Sara, com as suas esculturas sinalética - e novamente exemplos próximos e ainda mais próximos como os de Horácio Frutuoso com as suas pinturas que assinalam o vazio e a nossa respectiva entrada e saída deles ou mesmo João Louro, anunciando a distância a que nos mantemos dos autores e dos seus espaços conceptuais nos vários Dead Ends - evoca o Tango.

Tango é o nome da exposição mas as figuras-esculturas não parecem dançar, ou pelo menos não connosco, que chegamos tarde à dança. Talvez com as suas próprias sombras inúteis e imóveis (não há entradas de luz natural, a luz não mexe, nem a sombra, simultânea que é com uma perspectiva de topo - posso exagerar para efeitos imagéticos, a inexactidão justifica-se pela vontade do exercício especulativo se cumprir, serve a retórica.) Poderia dizer-se mais um tango interno, um tango implícito. Os padrões coloridos e repletos de texturas visuais, no fundo as esculturas são uma espécie de desenhos em rebelião contra o quadrado e a parede, com a sua estrutura própria. Talvez reclamando o seu movimento, talvez reclamando o corpo que elas próprias anunciam. Estes desenhos evocam também a anterior exposição de Sara “ às nove a caminho” pela morfologia, que parece ainda uma reminiscência das possíveis pegadas, juntas, misturadas... um corpo à procura do corpo. Ou do corpo do outro, para que dance. Contrasta contudo com a negritude dos seus ratos, muito embora carrega a mesma comicidade.

Parece-me no entanto que o acto principal e primordial desta exposição é mesmo o de tornar o espaço um envelope, deixar-nos entrar mas ainda assim fazer-nos saber que ali não é a nossa casa, estamos de visita, obrigam-nos a não sujar o chão, como num hospital, como se aquela dança que alguém ao longe evoca - o autor - não fosse para nós. Aqui é Tango, mas não se dança, pára-se.



Catarina Real