Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia cortesia Fundação Calouste Gulbenkian.


Vista da exposição. Fotografia cortesia Fundação Calouste Gulbenkian.


Manon de Boer, Caco, João, Mava and Rebecca (2019), still do vídeo. Cortesia Jan Mot, Bruxelas, e Fundação Calouste Gulbenkian.


Vista da exposição. Fotografia cortesia Fundação Calouste Gulbenkian.


Vista da exposição. Fotografia cortesia Fundação Calouste Gulbenkian.


Manon de Boer, Bella, Maia and Nick (2018), still do vídeo. Cortesia Jan Mot, Bruxelas, e Fundação Calouste Gulbenkian.


Manon de Boer, The Untroubled Mind (2016), still do filme 16mm, transferido para digital. Cortesia Jan Mot, Bruxelas, e Fundação Calouste Gulbenkian.

Outras exposições actuais:

BÁRBARA WAGNER & BENJAMIN DE BURCA 

ESTÁS VENDO COISAS


Galeria Boavista, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

ANDREAS H. BITESNICH

DEEPER SHADES: LISBOA E OUTRAS CIDADES


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

CLAUDIA ANDUJAR

LA LUTTE YANOMAMI


Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris
MARC LENOT

ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A LINHA EM CHAMAS


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES


O Armário, Lisboa
ANDREIA CÉSAR

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY


Hayward Gallery, Londres
JULIA FLAMINGO

COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE


MAXXI – Museo delle Arti del XXI Secolo, Roma
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TAXIDERMIA DO FUTURO


Museu Nacional de História Natural de Angola, Luanda
ADRIANO MIXINGE

ARQUIVO:


MANON DE BOER

DOWNTIME / TEMPO DE RESPIRAÇÃO




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 Lisboa

31 JAN - 13 ABR 2020

O Tempo, a Liberdade e a Criação

 

 


Existem objetos que se acumulam, se combinam, dando formas mais complexas e equilíbrios precários (e mais tarde descobrimos que foi o filho da artista que assim os montou). Existem sons, ruídos, música, instrumentos de sopro e bateria, três jovens músicos que, sem descanso, brincam com um ou com o outro, divertem-se, experimentam, seguem as regras do música, mas também explorando os limites (e descobrimos que é no fim do mundo ou quase, em Saint-Ives). Existem corpos adolescentes que se movem e dançam, juntos mas solitários, concentrados e tensos, regulados e livres ao mesmo tempo (e então compreendemos que é na própria Gulbenkian). E, se não houvesse mais do que isso, já apreciaríamos o trabalho de Manon de Boer, a sua capacidade de filmar os adolescentes, deixá-los expressarem-se e a tentar agarrar como se exprime a sua criatividade, a sua relação com a música e o movimento: passar do nada a qualquer coisa a outra coisa.

 

 

Manon de Boer, Oumi (2019), still do vídeo. Cortesia Jan Mot, Bruxelas, e Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

 

 

Mas é o quarto filme desta exposição na Gulbenkian (até 13 de abril) que é a pedra angular, a síntese deste trabalho, o seu ápice. Oumi não é bailarina, mas tem a graça e a leveza; Oumi não é música, mas brinca com os objetos para obter sons sincopados, ruídos rítmicos; Oumi monta objetos, brinca e faz malabarismos com eles. Oumi improvisa, mas, contrariamente aos três músicos e aos quatro bailarinos, ela é a dona do tempo, ela suspende-o e alonga-o languidamente, ela não tem restrições, nem obrigações, nem agenda, e Manon de Boer inclina-se para ela e deixa ir.

 

Não estamos numa performance filmada, mesmo que esteja em total liberdade, estamos numa indiferença que se digna a oferecer-se à câmara com, negligentemente, um toque de ironia. E é muito bonita, essa combinação de criação e de liberdade.

 



MARC LENOT