Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


“Microscopies” (2003)


“Microscopies” (2003)


“Lugares que no existen. Goggle Earth 1.0” (2009) 


“Où en êtes-vous, Isaki Lacuesta?” (2018) 


“Où en êtes-vous, Isaki Lacuesta?” (2018)


“Tangos De La Vía Láctea” (2020)


“El Rito” (2011)


“L’Acusat” (2019)

Outras exposições actuais:

KORAKRIT ARUNANONDCHAI & ALEX GVOJIC

NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAURO SANTOS GONÇALVES

THIERRY FERREIRA

HABITAR O LUGAR


Vários locais / Leiria, Leiria
SAMUEL RAMA

COLECTIVA

GLOBAL(E) RESISTANCE


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

MAJA ESCHER

UM DIA CHOVEU TERRA


Galeria Municipal de Arte de Almada, Almada
CATARINA REAL

COMPETIÇÃO EXPERIMENTAL

CURTAS VILA DO CONDE IFF 2020


Teatro Municipal de Vila do Conde, Vila do Conde
DASHA BIRUKOVA

ANGELO GONÇALVES

ESTANQUE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE IV


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

DOROTHEA LANGE

WORDS & PICTURES


MoMA - The Museum of Modern Art, Nova Iorque
MAURO SANTOS GONÇALVES

COLECTIVA

A IDADE DE OURO DO MOBILIÁRIO FRANCÊS. DA OFICINA AO PALÁCIO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
CARLA CARBONE

TÚLIA SALDANHA

UMAHORA VI


Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, Bragança
LAURA CASTRO

ARQUIVO:


ISAKI LACUESTA

ISAKI LACUESTA




SOLAR - GALERIA DE ARTE CINEMÁTICA
Solar de S. Roque Rua do Lidador
Vila do Conde

03 OUT - 21 NOV 2020

Liberdade de Percepções: Cinema no Museu

 

 

 

A Solar é uma galeria de arte cinemática que foi fundada pelo festival de cinema Curtas Vila do Conde para proporcionar um espaço de experimentação que se equilibrasse entre a sala de cinema e a instituição museológica. Essa conjunção de cinema e museu foi introduzida por um discurso particular da arte das imagens em movimento. Nas palavras de Boris Groys, a vídeo instalação seculariza a situação da projeção cinematográfica onde os espectadores os encontram numa posição de absoluta impotência, paralisia e imobilidade, enquanto ao vivenciarem a imagem em movimento no museu têm a oportunidade de se moverem livremente no espaço em que o filme é exibido. Além disso, podem sair da sala e retornar a qualquer momento. Ao mesmo tempo, uma instalação vídeo retira a imagem de vídeo da televisão quotidiana ou da Internet e dá-lhe um charme museológico. Ao fragmentar um material cinemático, ao retirá-lo do contexto para o colocar num novo, projectá-lo em diferentes ecrãs ou repetir fragmentos individuais, a arte das imagens em movimento tira o pathos do cinema e ao mesmo tempo dá ao espectador uma oportunidade de percebê-lo de uma perspectiva diferente, mais analítica e complexa. Esta perspectiva também se baseia numa luta particular que surge entre o espectador e o artista para controlar o tempo de contemplação. Um movimento simultâneo da imagem e do espectador cria uma mais valia estética a uma obra de vídeo. Provavelmente, este facto influenciou na chamada tendência de disposição - cineastas começaram a explorar os espaços dos museus e os videoartistas passaram a fazer filmes para o grande ecrã.

A nova exposição na Solar é dedicada à prática de vídeo do cineasta espanhol Isaki Lacuesta, que não é uma excepção a esta tendência e se concentra também em remodelar arquitectonicamente a visão cinemática e em jogar com a semântica e as sensações nas suas obras.

A jornada no mundo vídeo de Lacuesta começa com a instalação de dois canais “Lugares que no existen. Goggle Earth 1.0”(2009) no qual o artista retrata fotos e filmes de lugares que não existem no Goggle Earth. É um catálogo de paisagens ocultas de atemporalidades ou lugares sem o seu reflexo digital. A reflexão criada pelos media não é uma mensagem hoje, mas uma ferramenta de manipulação para mudar a mensagem ou criar uma pós-verdade.
No seguinte corredor de pedra situa-se a obra “Où en êtes-vous, Isaki Lacuesta?” (2018) que pode ser visto como uma declaração artística e o cerne da exposição. É um filme encomendado pelo Centre Pompidou que de uma forma poética responde a uma pergunta “Onde é que estás, Isaki Lacuesta?”. A resposta é “Estou aqui e ali ao mesmo tempo”, como o efeito Kuleshov que cria uma nova sensação e um significado adicional ao combinar dois planos sequenciais em vez de um único plano isolado. Este filme ensaio viaja por diferentes países com diferentes histórias - Cuba como uma Rússia tropical ou como a flor da revolução tão admirada pelos cineastas da Nouvelle Vague; ou o Desporto como religião nacional em diferentes regiões, um produto flamejante do capitalismo e uma alavanca da política racial. Circunstâncias particulares transformam-se numa poesia cinemática onde uma visão objectiva se revela pela percepção subjetiva.

Outro trabalho baseado na manipulação visual é “L’Acusat” (2019). É uma instalação de 4 canais que joga com o ambiente arquitectónico no tempo, onde o espectador tem a possibilidade de observar simultaneamente quatro lugares: a igreja, a caça, o bar e a Guardia Civil (polícia). Esses quatro pontos são como um sistema de eixos do mundo contemporâneo, que Lacuesta tenta retratar com as suas variâncias de visão e impacto. Distribuindo a história em 4 ecrãs, o artista cria uma forma não linear de percepção semântica.

Uma continuação da exploração da atemporalidade pode ver-se no vídeo “Microscopies” (2003), onde Isaki Lacuesta se aprofunda na textura do vídeo e disseca a imagem que contém mais camadas significativas do que as que podemos ver à primeira vista. O artista explorou três objetos com superfícies aparentemente planas, nos quais descobriu volumes observados ao microscópio. Um pedaço de pigmento, o olho de deus na nota de um dólar e um fotograma de um filme antigo em processo de decomposição são os materiais onde é possível encontrar um universo infinito usando uma óptica alternativa. Esta óptica poderia revelar um estado efémero das imagens mais contemporâneas e típicas do início do século. “Microscopies” desenvolve uma sensibilidade poética para compreender estas imagens.

O próximo ponto da exposição leva-nos à cave no subsolo da galeria. Esse caminho, quase uma descida ao Hades, prepara-nos para a obra “El Rito” (2011) onde o ritual de sacrifício de animais se transforma num gesto mecânico dos seres humanos. As imagens do flash criam uma sensação, que segundo Deleuze “tem um rosto voltado para o sujeito (o sistema nervoso, movimento vital, instinto, temperamento...) e um rosto voltado para o objeto (o facto, o lugar, o acontecimento).” [1] “El Rito” representa uma conjunção de um facto inestético e temperamento imanente, uma metamorfose de uma metáfora sacra num evento trivial.

O último capítulo da exposição é dedicado a um género de videoclip, representado por um corpo de obras realizado por Isaki Lacuesta. Nas suas palavras, “a ideia destes tipos de formatos populares é separá-los da narratividade convencional e aproximá-los de uma certa poesia”. Lacuesta vê os vídeos musicais como cartões-postais, que existem no mesmo nível de uma hierarquia com uma longa-metragem ou uma peça curta. Na sequência de “Fatherless”, “Grite Pelao”, “Tangos De La Vía Láctea” e “Par Coeur & and The Womb”, vemos uma performance feminina tecida numa paisagem do sul. A superfície visual é penetrada pelo ritmo da música, onde a música é a força motriz da narrativa. As metáforas ilusionistas, a fetichização do filme 16mm e uma montagem associativa desenvolvem uma aura poética destas obras sem que estas percam a sua natureza original e função de vídeo musical.

 


:::

 

Notas

[1] Deleuze Gilles. Francis Bacon: The Logic of Sensation. First published in France, 1981, by Editions de la Difference
© Editions du Seuil, 2002, Francis Bacon: Logique de la Sensation. This English translation © Continuum 2003. P. 34.

 



DASHA BIRUKOVA