Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Study of Perspective (1995-2005). Fotografia: Constança Babo.


Study of Perspective in Glass (2018). Fotografia: Constança Babo.


Odyssey Tile (2021). Fotografia: Constança Babo.


Odyssey (2016). Fotografia: Constança Babo.


Life Cycle (2018). Fotografia: Constança Babo.


Law of the Journey (2016). Fotografia: Constança Babo.


Rohingya (2021). Fotografia: Constança Babo.

Outras exposições actuais:

JOAKIM ESKILDSEN

IMAGO LISBOA PHOTO FESTIVAL


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
MIGUEL PINTO

ANNI ALBERS, JOSEF ALBERS

ANNI ET JOSEF ALBERS. L'ART ET LA VIE


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

SÉRGIO CARRONHA

COMPOSIÇÃO PARA UM ESPAÇO COM BASE NAS ESTRELAS E PLANETAS


Galeria Municipal de Almada, Almada
RITA ANUAR

FERNANDA FRAGATEIRO

A CIDADE INCOMPLETA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
NUNO LOURENÇO

COLECTIVA

X NÃO É UM PAÍS PEQUENO - DESVENDAR A ERA PÓS-GLOBAL


MAAT, Lisboa
CARLA CARBONE

RITA GASPAR VIEIRA

DESARRUMADA


Galeria Belo-Galsterer, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

LAS PALMAS

APOFENIA


Culturgest (Porto), Porto
MAFALDA TEIXEIRA

PEDRO CALAPEZ

DEBAIXO DE CADA COR


Galeria Belo-Galsterer, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

DIOGO COSTA AMARANTE

BE YOUR SELFIE


Solar - Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde
LIZ VAHIA

COLECTIVA

THE POWER OF MY HANDS. AFRIQUE(S) : ARTISTES FEMMES


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

ARQUIVO:


AI WEIWEI

RAPTURE




CORDOARIA NACIONAL
Avenida da Índia
Lisboa

04 JUN - 28 NOV 2021


 

 

Ai Weiwei é um nome cuja relevância e notoriedade à escala internacional, sobretudo durante a última década, o enquadram nos que “dispensam apresentações”. Contudo, no âmbito de uma reflexão sobre a sua atual exposição Rapture, na Cordoaria Nacional em Lisboa, inaugurada no passado dia 4 de junho, sugere-se uma breve introdução sobre o percurso e as várias motivações e convicções do artista, nos quais se sustenta a mostra.

Weiwei personifica o cruzamento entre arte e vida. É multidisciplinar, irreverente e provocador, tanto na linguagem como na expressão plástica, ora em imagens 2D, ora em objetos 3D, caso da série de fotografias Study of Perspective (1995-2010) e da sua versão em vidro, in Glass (2018). Com uma obra que abrange um largo espectro, tanto na plasticidade e na materialidade quanto nas problemáticas exploradas, que surgem diversificadas e sempre pertinentes e necessárias, é tão artista quanto ativista, reconhecido enquanto “símbolo da resistência à opressão e defensor dos direitos civis e da liberdade de expressão”, como indicado na exposição. Também na mostra se encontra discriminada a sua biografia, da qual aqui se destaca, desde logo, a sua assinatura, no primeiro espaço de arte contemporânea independente da China, em Pequim, China Art Archives and Warehouse, inaugurado em 1997, treze anos depois de Weiwei ter abandonado a cidade e o país a fim de desenvolver, livremente, a sua arte. Contextualize-se, ainda, que, em 2003, entrou em funcionamento o Projeto Escudo Dourado, a “Grande Firewall” da China, ou seja, um sistema de censura e controlo de sites e informações online, o que incitou o artista a criar um blogue maioritariamente dedicado à crítica à sociedade e à política governamental. O seu trabalho em defesa dos direitos humanos tornou-o merecedor do Prémio Embaixador da Consciência, da Amnistia Internacional, em 2015, posição que Weiwei honra sem cessar, mantendo-se um dos principais artistas ativistas da atualidade.

É, porém, esse mesmo caráter que, simultaneamente, o torna alvo de contínuos ataques, condenações e, inclusivamente, de captura por parte das autoridades chinesas. Ora, se “captura” nos remete para o título da exposição, Rapture, refira-se que esta expressão, em inglês, tem outros significados, tais como o momento transcendente que conecta as dimensões terrestre e espiritual. Como indica, em texto de parede, o curador da exposição Marcello Dantas, a estruturação da exposição opera-se em dois núcleos: um primeiro, relacionado com a esfera da fantasia e do imaginário e, um segundo, ligado ao real. Destaca-se a interessante iniciativa do comissário em explorar o processo de “inoculação” que, embora batizado por ele próprio e pelo artista antes da atual pandemia, refere-se, nomeada e precisamente, à inserção de um vírus externo dentro de um organismo para o proteger. No contexto da exposição, a ação de inocular é, porém, mais abrangente, e também se reporta à integração de artesãos portugueses na criação artística de Weiwei, através de trabalhos comunitários, de que é exemplo a peça em azulejos de cerâmica de Viúva Lamego (Cerâmicas de Sintra), intitulada Odyssey Tile (2021).

A obra em questão, trata-se de uma reinterpretação da conhecida Odyssey (2016), em papel de parede, que convoca a crise dos refugiados, com particular enfâse para as suas viagens, tomando como ponto de partida os primeiros deslocamentos humanos, tal como descritos no Antigo Testamento. A obra mais recente situa-se numa extremidade da galeria e a versão original, na área oposta, acentuando a divisão da exposição em duas secções. Numa mesma lógica, ao lado de cada uma dessas peças, Life Cycle (2018), de bambu e fio de sisal e seda, recupera Law of the Journey (2016), em PVC preto, exercendo-se um acentuado contraste entre ambas, principalmente decorrente dos materiais que as compõem, de naturezas largamente distintas, que se repercutem no impacto visual e na experiência que fornecem. Destaquem-se, aliás, as escolhas materiais do artista, recorrentemente matérias nobres tais como o mármore, a partir das quais representa motivos banais e do quotidiano, caso de rolos de papel higiénico, no que se poderá entender enquanto uma modalidade de ready-made.

Rapture, extensa e completa, com 85 objetos entre instalações, esculturas de várias dimensões, fotografias e vídeos, reflete a imensidão e a diversidade da obra de Ai Weiwei. Quanto à estrutura industrial do edifício da Cordoaria Nacional, considera-se que se coaduna com as obras expostas, formal e conceptualmente, talvez mais do que ocorreria num habitual white cube. Porém, a forma como a exposição se constrói assemelha-se aos modelos expositivos modernos, de organização sequencial e temática. Também a colocação central das obras de maior escala, ladeadas por dois corredores de peças de menores dimensões, a par de um percurso definido em linha recta, embora eficaz para ordenar o expectável elevado número de visitantes, não constituirá o melhor contexto para a expressão e a manifestação das peças. Se algumas das séries, tais como Zodiac (2018), se adequam a esta exercida reticularidade, outras beneficiariam com um distinto modelo expositivo, nomeadamente uma construção espacial mais individualizada que potenciasse as suas recepção e experiência, como é o caso de S.A.C.R.E.D (2011-2013), conjunto de instalações nas quais o artista retrata a sua polémica prisão em solitária e, de seguida, domiciliária.

 

Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.

 

Ademais, a fila de ecrãs televisivos que ocupa quase na totalidade uma das longas paredes laterais do edifício, remete para elementos problemáticos para a esfera da arte: a cultura de massas, a produção em série e o predomínio dos media de comunicação. Acrescente-se a longa duração da maioria dos vídeos, condições estas que impossibilitam a completa e atenta visualização das peças, o que não deixa de resultar num excesso e numa saturação de imagens. Não obstante, as primeiras peças são importantes registos ativistas da autoria de Weiwei, sugerindo-se procurar atentar a The Rest (2019) e Coronation (2020), respetivamente sobre os refugiados e o recente confinamento da cidade de Wuhan. A segunda secção de vídeos, sobre o próprio artista, Ai Weiwei: The Fake Case (2014), realizado por Andreas Johnsen, expõe o episódio do aprisionamento abordado na obra acima referida.

Por certo, Rapture detém um caráter de blockbuster, também latente no modo como se anuncia pelo país, em grandes cartazes, e reflete a contemporaneidade, era de multiplicidade, velocidade e pluralidade, a par, evidentemente, das próprias problemáticas atuais, sociais e políticas convocadas. Por último, sublinha-se que a visita, passível de se concretizar até ao dia 28 de novembro, é recomendada sobretudo pelo valor artístico e humanitário de Ai Weiwei que é, por si só, valioso e meritório.



CONSTANÇA BABO