Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Sara Graça; Problema na Porta; 2022; Dimensões variáveis; Cortina de missangas; Cortesia da artista. © Joana Hintze


Sara Graça; Echoes; 2022; Dimensões variáveis; Técnica mista; Cortesia da artista. © Joana Hintze


Vista de exposição; Novas Novas Cartas Portuguesas; Galeria Quadrum; 2022. © Joana Hintze


Maria Teresa Horta; Existem Pedras (in Minha Senhora de Mim, 1971); 21 x 29,7 cm; Poema manuscrito pela autora em 2022; Cortesia da autora. © Joana Hintze


Vista de exposição; Novas Novas Cartas Portuguesas; Galeria Quadrum; 2022. © Joana Hintze


Vista de exposição; Novas Novas Cartas Portuguesas; Galeria Quadrum; 2022. © Joana Hintze


Vista de exposição; Novas Novas Cartas Portuguesas; Galeria Quadrum; 2022. © Joana Hintze


Fabiana Faleiros; Mastur Bar; 2015; Dimensões variáveis; Luz néo; Cortesia da artista. | Aleta Valente; Bárbara; 2019; Dimensões variáveis; Impressão em vinil; Cortesia da artista. © Joana Hintze


Vista de exposição; Novas Novas Cartas Portuguesas; Galeria Quadrum; 2022. © Joana Hintze


Aleta Valente; Material Girl; 2019; Dimensões variáveis; Impressão em vinil | Aleta Valente; Miss Faxina; 2019; Dimensões variáveis; Impressão em vinil. Cortesia das artistas. © Joana Hintze

Outras exposições actuais:

MIKHAIL KARIKIS

SOMOS O TEMPO


Sismógrafo, Porto
SANDRA SILVA

EDVARD MUNCH

EDVARD MUNCH. UN POÈME DE VIE, D’AMOUR ET DE MORT


Musée d'Orsay, Paris
MARC LENOT

CINDY SHERMAN

CINDY SHERMAN: METAMORFOSES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

CARLOS NUNES

ABASEDOTETODESABA


3 + 1 Arte Contemporânea, Lisboa
CARLA CARBONE

TIAGO BAPTISTA

THE TALE


Rialto6, Lisboa
FILIPA ALMEIDA

COLECTIVA

MY FATHER IS A DIRTY SLUTTY TRANSCENDENTAL GIRLIE


Espaço Caramujo, Almada
ANDREZZA ALVES

RUI MATOS

A SEQUÊNCIA DOS DIAS


Sociedade Nacional de Belas Artes, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA / EXPOSIÇÃO VIRTUAL

REACENDER A IMAGINAÇÃO CÍVICA PARA A MUDANÇA SOCIAL


PLATAFORMAS ONLINE,
RITA ALCAIRE

CATARINA AGUIAR

TESSITURA


Casa da Avenida, Setúbal
MADALENA FOLGADO

DAVID DOUARD

O’TI’LULLABIES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
SANDRA SILVA

ARQUIVO:


COLECTIVA

NOVAS NOVAS CARTAS PORTUGUESAS




GALERIAS MUNICIPAIS - GALERIA QUADRUM
Palácio dos Coruchéus, Rua Alberto Oliveira nº 52
1700-019 Lisboa

13 OUT - 26 FEV 2023

A casa, a arca, a cama

 

 

 

No filme Les Trois Portugaises, que a cineasta Delphine Seyrig realizou em colaboração com Carole Roussopoulos e Ioana Wieder, há um registo em live-cam da leitura-espetáculo «La nuit des femmes», conduzida como uma manifestação nocturna diante da catedral de Notre Dame, e que fez parte das acções de apoio ao livro Novas Cartas Portuguesas, levadas a cabo em Paris entre 1973 e 1974. E ainda de apoio às autoras, Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, no contexto do processo judicial em que a obra as lançou. Num close-up que não lhe concede fuga, Seyrig dá voz, ora pungida ora panfletária, a excertos da tradução francesa de Novas Cartas Portuguesas. Na audiência, que nunca é filmada, há um entusiasmo indomável. A dado instante, Seyrig passa à leitura de um excerto que começa assim «et l’érotisme, et l’érotisme…». A audiência incendeia-se e dá-se a ouvir exultante. Predominam a gargalhada e o riso, e a Seyrig não é possível prosseguir. Isto até ao instante em que alguém pede silêncio com um «s’il vous plaît, c’est pas le thêatre.» Seyrig, a actriz, penalizada com o que ouviu, retoma.

Juntamente com uma série de manuscritos com poemas de Maria Teresa Horta, o filme Les Trois Portugaises é, segundo Tobi Maier (curadoria), a peça de abertura da exposição Novas Novas Cartas Portuguesas [NNCP]. E a partir daquela passagem não cairá mal dizer que é também a que a encerra. Ou pelo menos a que lhe confere cúmulo como objecto maior, a pedir ser visto, revisto, vivido e revivido. É que é ainda naquela exacta passagem que está em jogo aquilo que dá razão de ser a esta exposição. Precisamente o facto, a contrapelo com a deixa intempestiva que foi atirada à cara de Seyrig, de ela – a exposição – ser como “o teatro”. Como quem diz, estar do lado da grande arte. De resto, como Novas Cartas Portuguesas o estão do lado da poesia e da representação. É daqui, também, que haverá que partir para condescender com os momentos menos conseguidos de Novas Novas Cartas Portuguesas. No caso: sempre que o que está exposto pretende recriar um fio de reconstituição histórica, ou de art-verité, o que a exposição tem para mostrar não traz frescura, e talvez nem mesmo valor documental.

Está neste pé o conjunto de fotografias do processo de julgamento das “Três Marias”, por Jorge da Silva Horta, colocadas numa mesa, debaixo de um tampo de vidro, no que resulta mais como memorial um tanto batido, ao jeito de café-concerto, do que como reposição cenográfica de um assunto de café-litteraire. E os poemas manuscritos de Maria Teresa Horta em folhas envitrinadas não alimentam, enquanto peças de uma exposição, mais do que um interesse escolar.

Com os cinquenta anos que leva, e que esta exposição assinala, o “caso Novas Cartas Portuguesas” está dado a muitas flutuações. Sobretudo no que se refere ao modo como foi recortado, dizendo de forma muito sumária, pelos vários feminismos e pelas problemáticas de género. Eis o que tornou a obra combustível para apropriações dissonantes e nem sempre alinhadas por igual sentido doutrinário. Não se tratará apenas de mera curiosidade histórica, enquanto espelho de uma datação, ou de uma marca de prazo de validade, mas cumpre ouvir Maria Isabel Barreno, numa entrevista em Les Trois Portugaises, articular, sobre o que escreveu, expressões amplamente criticadas, já ao tempo, pelas diferentes sensibilidades feministas, tais como “condição feminina” e “emancipação da mulher”. Na verdade, o filme «Ti-Grace Atkinson – Uma biografia de ideias» (2018) de Rita Moreira, também exibido em Novas Novas Cartas Portuguesas, ao traçar com denodo um retrato obrigatório da feminista radical Ti-Grace Atkinson, momento altíssimo desta exposição, denuncia, quase com um toque higienizador, o mal-de-vivre em que este debate foi aprisionado à conta de bastos equívocos, não poucos deles ofensivos. Estará nessa condição a retórica essencialista a respeito do feminino, a que as expressões artísticas foram muito gratas, mormente as que, nas pós-vanguardas, se reivindicaram do camp, do vamp e do glamour. Mas mais aflitiva ainda é a falácia da unidade entre desejo, identidade, sexualidade e genitalidade (cf. Butler, 2017, p.105), que tem legado à arte, quando ela é por aqui convocada, uma simbólica e uma iconografia pobres, porque exaustas. Veja-se, a este título, toda a obra de pintura de Francisca Sousa exposta em NNCP, e o salpicada que anda por uma estereotipagem de órgãos genitais de que não chega a retirar-se outra leitura que não folclórica, mesmo quando a artista revisita o motivo nobre da natureza morta (excepção feita para o muito interpelante Aula de costura [2017]). Esta genitalidade empedernida é o que marca ainda a glória daquela que quer ser a peça-choque desta exposição, a instalação A Transformação do Mundo (2022) de Aura, em colaboração com Aurora Pinto. Aqui, o efeito verité vem carregado com uma demagogia espacial (imersão, penetração) e de um facilitismo visual (ampliação, clinical-shot), que o pouco que é dado observar-se é o modo como a execução da peça poderia ter sido muito mais sagaz. O facto é que aquilo que a peça de Aura tem a devolver do sopro poético de que Novas Cartas Portuguesas estão repassadas é tangencial. Fará talvez corpo com elas numa dimensão estimável, mas insuficiente para alcandorar-se a ser mais do que uma peça proto-documental, e que é: quer ir à luta.

Daqui que dizer, como se lê na folha da exposição, que Novas Novas Cartas Portuguesas «manifesta a urgência de uma renovação» talvez falhe, em parte, aquilo que há a celebrar e a recolher na obra das «Três Marias». Isto é, o sentido de que a «causa» da obra, pela ancoragem na tradição da grande criação literária, não é renovável, mas quando muito reacendível. Um dos ‘motivos’ maiores do livro, o do espaço da família, da casa e do parentesco, institutos que mantêm reactivação constante no debate público e político, têm tido fortuna desigual na esfera das artes. Por sorte, estão presentes em Novas Novas Cartas Portuguesas dois artistas, que a este nível, e acima dos restantes, enriquecem o repertório de imagens que abertamente associaremos melhor ao “complexo Novas Cartas Portuguesas”. Falamos das peças de Sara Graça, que reconstituem uma domesticidade estranha e delirante, e que com uma estética do desconchavo atingem nexos de bizarria muito fecundos. Em maior grau a peça site-specific, Problema na Porta (2022), ao jogar de forma muito hábil com o encadeamento porta-grade-prisão da moldura arquitectónica da galeria. Já a obra de pintura de Audun Alvestad devolve a atmosfera poderosa de um realismo sujo, onde o sinistro e o dócil se dão as mãos, onde o decrépito e o jovial partilham do mesmo fôlego, onde enjeitado e agressor comungam de igual fisionomia, e acabam a compor histórias e visões inquietantes. Mas logo muito nossas. As novas-velhas cartas.

 

 

O título deste artigo é o incipit de «Intimidade» in Novas Cartas Portuguesas de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa.

 

 

 


João Borges da Cunha
Doutorado em Estudos de Cultura, Universidade Católica Portuguesa. Arquitecto, Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Professor no Departamento de Arquitectura da ECATI [Escola de Comunicação], Universidade Lusófona. Investigador nos centros ARQ.Id e CECC. Publicou ensaio, teatro e ficção.

 


:::

 

Referências

Barreno, Maria Isabel; Costa, Maria Velho da, co-autor; Horta, Maria Teresa, co-autor (2010), Novas Cartas Portuguesas, Lisboa: Dom Quixote.

Butler, Judith (2017) Problemas de género: feminismo e subversão da identidade, Lisboa: Orfeu Negro, 2017

 

:::

 

 

Novas Novas Cartas Portuguesas

 

Artistas
Audun Alvestad, Aura, Fabiana Faleiros, Sara Graça, Rita Moreira, Delphine Seyrig, Caio Amado Soares, Francisca Sousa, Aleta Valente

 

Curadoria
Tobi Maier

 



JOÃO BORGES DA CUNHA