Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. «Doornfontein Railway station in rush hour. This picture shows the reality of apartheid without the need for any words.» Tiragem recente, cort. Magnum Photos


Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. «During group medical examinations, the nude men are herded through a string of doctors’ offices». Tiragem original, Fondation Arpad A. Busson


Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. «African township is bulldozed out of existence to make way for white expansion. […]» Tiragem original, Fondation Arpad A. Busson


Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. « A white pocket being picked [...]»* Tiragem original, Fondation Arpad A. Busson


South Africa, 1960s © Ernest Cole / Magnum Photos


Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. «Lilian Ngoyi, member of since-banned African National Conference, at meeting of white liberals. [...]*» Tiragem recente, cortesia Magnum Photos

Outras exposições actuais:

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

ANAGRAMAS IMPROVÁVEIS. OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

JOÃO BRAGANÇA GIL

TROUBLE IN PARADISE


Projectspace Jahn und Jahn e Encounter, Lisboa
CATARINA PATRÍCIO

JOÃO PIMENTA GOMES

ÚLTIMOS SONS


Galeria Vera Cortês, Lisboa
MADALENA FOLGADO

ARQUIVO:


ERNEST COLE

HOUSE OF BONDAGE




FOAM PHOTOGRAPHY MUSEUM
Keizersgracht 609
1017 DS Amsterdam

26 JAN - 14 JUL 2023

Ernest Cole, primeiro fotógrafo do apartheid

 


Nascido Ernest Levi Tsoloane Kole em 1940 perto de Pretória, conseguiu alterar o seu nome para Ernest Cole, nome com conotações mais inglesas e menos bantus, e fazer-se classificar mestiço (“coloured”) em vez de "Negro" (o que necessitava, entre outras, um teste do lápis no cabelo: se o cabelo prendesse o lápis, a pessoa permanecia classificada como negra). À força de tenacidade, e graças a mentores (três jornalistas estrangeiros brancos), tornou-se fotojornalista independente, e as suas fotografias menos virulentas foram publicadas em alguns jornais sul-africanos progressistas. Deixou precipitadamente o seu país em maio de 1966, sob pretexto de uma peregrinação a Lourdes, porque havia fotografado gangsters negros, a polícia queria que os identificasse e desse os seus contactos, e ele receava represálias desses “tsotsis”. Estabeleceu-se na Suécia, depois foi para os Estados Unidos da América onde, em 1967, publicou House of Bondage, uma recolha das suas fotografias sobre o apartheid, recentemente reeditada. Este livro teve um enorme impacto, mostrando a realidade do apartheid ao mundo inteiro; um relatório da polícia sul-africana diz que "este livro faz-nos mais mal que os comunistas". Cole sofria de racismo nos Estados Unidos, as suas reportagens sobre a condição dos Negros americanos não foram jamais publicadas. Doente, foi um tempo sem-abrigo e morreu em 1990, com a idade de 50 anos, uma semana após a libertação de Mandela. Foi apenas em 2018 que a Fundação Hasselblad restituiu 60.000 dos seus negativos aos seus herdeiros (recusando-se a devolver 500 impressões, que ainda mantém).

FOAM em Amsterdão apresenta uma exposição (até 14 de junho) em torno de House of Bondage (e de algumas das fotografias da Hasselblad), as fotografias americanas são mostradas apenas em projecção. Depois de um “trigger warning” um pouco vão, a exposição está organizada em 14 capítulos (o livro também, cada capítulo é precedido de um texto de 1 a 5 páginas escrito por Cole). O primeiro, e sem dúvida o mais marcante, é uma reportagem clandestina feita por Cole nas minas, mostrando a vida miserável dos mineiros e também o seu recrutamento. A imagem «During group medical examinations, the nude men are herded through a string of doctors’ offices » ilustra o exame médico de contratação: escolhi-a por causa da mão branca à esquerda que dirige e ordena esses corpos negros nus, a sua folha de registo na mão. Vêm em seguida os capítulos sobre a polícia e os passes, sobre o pesadelo dos transportes nos comboios superlotados: a imagem «Doornfontein Railway station in rush hour. This picture shows the reality of apartheid without the need for any words.» é um símbolo de segregação muito mais revelador do que os letreiros "reservado a Brancos", que constituem também um capítulo.

Um capítulo intitulado “Black Spots” mostra o desmantelamento de aldeias negras (como foi o caso em 1961 da sua aldeia natal, Eersterust), a destruição de casas com bulldozer, o realojamento dos expulsos em acampamentos de tendas. A imagem «African township is bulldozed out of existence to make way for white expansion. [...]» recorda irresistivelmente um outro estado de apartheid que hoje se comporta da mesma maneira em relação aos nativos e, no livro, a curadora do MoMA Oluremi C. Onabanjo (que conta ter descoberto as fotografias de Cole em 2001 no Museu do Apartheid quando ela era uma aluna proveniente da Nigéria na África do Sul) evoca as expulsões de Sheikh Jarrah a esse respeito.

Outros capítulos mostram a condição das domésticas negras com crianças brancas a cargo que, uma vez adultos, as rejeitarão, a pobreza, os miseráveis sistemas de educação e de saúde para os Negros, a relegação de dissidentes nos campos de detenção longe de tudo, os alegres bares clandestinos (“shebeen”), os ladrões e gangsters (“tsotsis”): em « A white pocket being picked […]” um jovem negro ousa tocar o rosto de um Branco que se ofende e não se dá conta que um cúmplice rouba a sua carteira.

Por fim, um capítulo sobre o consolo da religião, seja ela cristã (com padres brancos) ou animista, um outro intitulado “Ingenuidade negra” sobre músicos, cantores, escritores, bailarinos, boxers, e um último sobre a classe média negra e a sua relativa integração na sociedade branca, que Cole critica vivamente. Numa fotografia vemos Lilian Ngoyi, deputada do Congresso Nacional Africano numa reunião com os Brancos “liberais”. Cole tinha então entre 20 e 26 anos quando fez estas fotografias: mostra aqui um talento notável, dizendo ter como modelo o livro de Cartier-Bresson sobre o momento decisivo, mas a sua única formação foram os cursos de fotografia por correspondência e a sua aprendizagem no terreno. O catálogo reeditado inclui, além do belo ensaio de Oluremi C. Onabanjo, uma apresentação biográfica e histórica pelo historiador James Sanders e um texto mais pessoal do poeta Mongane Vally Serote.

 

Lebohang Kganye, série Ke Lefa Laka: Her-story, 2103.

 

O FOAM apresenta também uma pequena exposição da sul-africana Lebohang Kganye, em torno da sua história familiar, da sua identidade e das suas memórias. Se as suas grandes instalações parecem um pouco simplistas, somos seduzidos pelas suas imagens duplas onde ela assume a pose da sua mãe, vestida com roupas semelhantes: esta conjunção de dois espaços e de dois tempos, esta fusão-desdobramento funcionou para ela como um acto terapêutico após a morte da sua mãe em 2010, quando a artista tinha 20 anos.

 

:::

 

* Legendas completas das imagens:

Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. «A white pocket being picked. Whites are angered if touched by anyone black, but a black hand under the chin is enraging. This man, distracted by his fury, does not realize his back pocket is being rifled.» Tiragem original, Fondation Arpad A. Busson

Ernest Cole, House of Bondage, 1960-1966. «Lilian Ngoyi, member of since-banned African National Conference, at meeting of white liberals. Middle class sees itself as a bridge between races.» Tiragem recente, cortesia Magnum Photos

 

 



MARC LENOT