Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição: Daniel Blaufuks, And all will be repeated, Appleton Square. © Pedro Tropa


Vista da exposição: Daniel Blaufuks, And all will be repeated, Appleton Square. © Pedro Tropa


Vista da exposição: Daniel Blaufuks, And all will be repeated, Appleton Square. © Pedro Tropa


Vista da exposição: Daniel Blaufuks, And all will be repeated, Appleton Square. © Pedro Tropa

Outras exposições actuais:

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

ANAGRAMAS IMPROVÁVEIS. OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

JOÃO BRAGANÇA GIL

TROUBLE IN PARADISE


Projectspace Jahn und Jahn e Encounter, Lisboa
CATARINA PATRÍCIO

JOÃO PIMENTA GOMES

ÚLTIMOS SONS


Galeria Vera Cortês, Lisboa
MADALENA FOLGADO

COLECTIVA

PERCEPÇÕES E MOVIMENTOS


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

MARIA LAMAS

AS MULHERES DE MARIA LAMAS


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
FÁTIMA LOPES CARDOSO

PEDRO TUDELA

R!TM0


Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

COLIBRI EM CHAMAS


ZARATAN - Arte Contemporânea , Lisboa
FILIPA ALMEIDA

ARQUIVO:


DANIEL BLAUFUKS

AND ALL WILL BE REPEATED




APPLETON SQUARE
Rua Acácio Paiva, 27
1700-004 Lisboa

14 SET - 11 OUT 2023

Esperança através da repetição?

 

Nostalgia de Tarkovsky é um percurso entre duas cenas epifânicas e ambas envoltas em neblina: aquela do início onde o exilado Gortchakov renuncia a ir ver o fresco da Madonna del Parto de Piero della Francesca, tomando como pretexto o seu cansaço de "todas essas belezas repugnantes”, porque não se sente capaz de assistir aos ritos femininos poderosos e arcaicos diante da Nossa Senhora, grávida do Salvador do Mundo. E a cena quase final (então, apenas duas sequências de sonhos) onde Gortchakov, investido pelo “louco Domenico” da sua missão salvadora (“a tentar salvar a minha família, pensei egoisticamente: é o mundo que deve ser salvo”), tenta atravessar a bacia seca das termas de Santa Catarina em Vignoni com uma vela acesa na mão. Enquanto que Domenico falhou muitas vezes (assim que ele acende a vela e entra na água, saltamos-lhe em cima e gritamos que ele é louco), Gortchakov será bem sucedido, mas perderá a vida. Já não tem de lutar contra a água, esvaziada da bacia, nem contra os habitantes de Bagno Vignoni, ausentes excepto no final, mas contra ele mesmo: no final de um longo plano de quase 9 minutos, ele consegue colocar a vela ainda acesa na parede, e então colapsa, o seu coração desiste. Ele pagou com a vida a sua tentativa de salvar o mundo. O Requiem de Verdi (que já ilustrou o genérico) acompanha a sua travessia pela neblina. Durante esse tempo, Domenico imola-se no Capitólio. Outros melhor do que eu analisaram a dimensão religiosa, crística deste episódio, entre sacrifício e salvação.

Quando entrei na sala da Appleton Square onde está projectado (até 11 de outubro) o último filme de Daniel BlaufuksAnd all will be repeated, estava-se a meio do filme, e a primeira sequência que vi, é o momento em que as suas mãos colocam o toco de uma vela acesa sobre o parapeito. Reconhecendo imediatamente a cena, duas emoções se misturam: a alegria de saber a provação superada, o mundo salvo, e a angústia do destino trágico, do sacrifício, preço a pagar pela salvação. Esta curta mostra o artista/ actor, vela acesa na mão a ir e vir num lago, parecendo à deriva, sem objectivo preciso ou talvez à procura de uma saída, uma vedação para atravessar. Este lago (nas Furnas, nos Açores) é banhado por fumarolas vulcânicas que o envolvem de bruma; discernimos uma mansão e uma pequena ilha, tão melancólica como aquela de Böcklin. O único sinal de vida, um pássaro incongruente que, a certa altura atravessa o campo da esquerda à direita. O filme começa nos corredores de um hotel de estilo modernista onde o artista, filmado frontalmente, leva solenemente a sua vela: eco talvez do hotel toscano onde Gortchakov rejeita os avanços de Eugenia. Ele entra em seguida na água e atravessa o lago.

Em Tarkovsky, o sépia caracteriza as sequências de sonhos, enquanto que em Blaufuks, a cena inicial no hotel é a preto e branco, e a cor aparece com a sua entrada na água. O filme de Blaufuks é acompanhado de um poema em russo (sem legendas) do pai de Andreï Tarkovsky, Arseni, "And this I dreamt, and this I dream", cuja folha de sala dá a tradução em inglês. Andrei incluiu, em diversas ocasiões, poemas do seu pai nos seus filmes, mas, do meu conhecimento, não neste. O poema (cujo terceiro verso dá título ao filme) é repetido ao longo do filme. Este jogo de recomeço e de errância, essencial ao filme de Blaufuks, ameniza o sentimento de desespero que pode emanar de Nostalgia. Mas de que deve o mundo ser salvo? Entre o exilado Gortchakov, o exilado Tarkovsky (e o exilado Pavel Sosnovski que Gortchakov procura), e o neto de exilados Blaufuks, não faltam razões para duvidar da salvação do mundo. Podemos ainda ter esperança? E recomeçar a ter esperança?

 

 

Marc Lenot
É desde 2005 autor do blog Lunettes Rouges, publicado pelo jornal Le Monde. Em 2009 obteve o grau de Mestre com uma dissertação sobre o fotógrafo checo Miroslav Tichý, e em 2016 doutorou-se pela Universidade de Paris com uma tese sobre fotografia experimental contemporânea. Membro da AICA, venceu em 2014 o Prémio de Crítica de Arte AICA França, pela sua apresentação do trabalho da artista franco-equatoriana Estefanía Peñafiel Loaiza.



MARC LENOT