Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição de Sandim Mendes, Viúva Branca, Galeria Municipal de Almada. © António Jorge Silva


Vista da exposição de Sandim Mendes, Viúva Branca, Galeria Municipal de Almada. © António Jorge Silva


Vista da exposição de Sandim Mendes, Viúva Branca, Galeria Municipal de Almada. © António Jorge Silva


Vista da exposição de Sandim Mendes, Viúva Branca, Galeria Municipal de Almada. © António Jorge Silva


Vista da exposição de Sandim Mendes, Viúva Branca, Galeria Municipal de Almada. © António Jorge Silva


Vista da exposição de Sandim Mendes, Viúva Branca, Galeria Municipal de Almada. © António Jorge Silva

Outras exposições actuais:

MARIA LAMAS

AS MULHERES DE MARIA LAMAS


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
FÁTIMA LOPES CARDOSO

PEDRO TUDELA

R!TM0


Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

COLIBRI EM CHAMAS


ZARATAN - Arte Contemporânea , Lisboa
FILIPA ALMEIDA

MARTÍN LA ROCHE

MAGIC BOX


Printed Matter / St Marks, Nova Iorque
CATARINA REAL

ANDRÉ ROMÃO

CALOR


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
SANDRA SILVA

WIM WENDERS

ANSELM - O SOM DO TEMPO


Cinemas Portugueses,
RICHARD LAURENT

ALEXANDRE ESTRELA

FLAT BELLS


MoMA - The Museum of Modern Art, Nova Iorque
CATARINA REAL

COLECTIVA

COLISOR


Museu Municipal de Faro, Faro
SUSANA RODRIGUES

OSCAR MURILLO

TOGETHER IN OUR SPIRITS


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

SUSANA CHIOCCA

SOLUÇOS SUSSURROS LABAREDAS


Espaço MIRA, Porto
CLÁUDIA HANDEM

ARQUIVO:


SANDIM MENDES

VIÚVA BRANCA




GALERIA MUNICIPAL DE ARTE DE ALMADA
Av. D. Nuno Álvares Pereira, 74 - A
2800-177 Almada

04 NOV - 24 FEV 2024


 

 

Sandim Mendes é uma artista cabo-verdiana, residente em Roterdão, Países Baixos.

A sua obra encontra-se, neste momento, exposta na Galeria Municipal de Almada, naquela que é a primeira exposição individual da artista em Portugal: “Viúva Branca”.

Na exposição, a artista procura completar um puzzle, um puzzle de memórias e acontecimentos da família. Duas figuras centrais masculinas, os seus avós, já falecidos, embora implícitos na exposição, parecem condicionar, ou configurar, toda uma narrativa em torno do passado e história da família da artista em Cabo Verde.

Porém, é nas mulheres que a exposição mais se reveste, e se torna visível.

Mulheres de costas, vestidas de modo tradicional, contemplam as montanhas da ilha. Surgem representadas em desenho e colagem, e na tela maior, centrada numa das alas da galeria, as mesmas mulheres repetem-se, como padrão sobre tecido, até se fundirem na civilização ocidental, onde homens ao monte, em navios com velas, desembocam por fim em Lisboa. Por meio da técnica de colagens, a artista funde as referências de Cabo Verde com as do ocidente.

A silhueta, da figura matriarca feminina, a contemplar a paisagem montanhosa das ilhas de Cabo Verde, surge repetida em diversas ocasiões na exposição. Não se lhe vê o rosto, como em algumas das figuras presentes. Mantém-se em anonimato, a representar as Viúvas Brancas de Cabo Verde, mulheres negras que foram deixadas pelos colonos, aquando do seu regresso a Portugal, após a revolução, e que esperaram em agonia, e longamente pelo seu retorno, ou por uma notícia, que nunca chegou.

A silhueta da mulher de costas, prefigura a espera, e a capacidade de resiliência que estas mulheres, que foram deixadas, tiveram que desenvolver, para continuar a viver e a trabalhar para sustentar os seus descendentes.

A artista instalou um altar, com flores perfumadas e velas acesas, a adornar a imagem da viúva branca. Provérbios em crioulo, escritos também sobre as paredes, revelam frases que a sua mãe lhe contou ao longo da vida e que constituem mensagens de coragem e resignação.

Sandim Mendes pretende, com esta exposição, homenagear estas mulheres, honrar a sua resiliência face a tanto sofrimento, a uma espera alongada sem cessar no tempo, ao estado de abandono. Conforme invocado nas diferentes peças expostas.

Existem outros retratos sem rosto, como a fotografia “rapazinho”, alusivo ao avô paterno de Mendes, que a artista ouviu em histórias contadas pela mãe, mas que nunca teve oportunidade de conhecer. A artista deixou-se fotografar, vestindo as roupas masculinas, imaginando a figura do avô. O mesmo aconteceu com o retrato Genoveva, 2009, outra fotografia em que a artista, cria uma figura imaginária da sua mãe quando jovem, usando o seu próprio corpo e rosto, numa tentativa de a reconstituir, com os artifícios da fotografia da época. Mendes recorre-se a técnicas fotográficas específicas para gerar efeitos do antigo, e para realizar réplicas de fotografias que nunca existiram.

A exposição gravita em torno de um arquivo imaginário, fictício [1]. Onde, de forma perseverante, a artista vai procurando preencher as fendas, os vazios das histórias fragmentadas, das partes que ainda não fazem sentido no fio da meada. É um modo de conhecer a sua história, e como diz a curadora da exposição Filipa Oliveira: “um recurso” da artista “à memória pessoal, às histórias transmitidas entre gerações, à importância da oralidade na construção das narrativas pessoais e históricas que tentam desmantelar uma herança colonial opressora” [2].

Perorações, epílogos [3]. A reescrita de passados tem vindo a ser uma constante na arte contemporânea.

A linearidade histórica [4] dá lugar antes a uma reescrita que torna possível ajustar, reconfigurar e recuperar a realidade dos factos históricos dolorosos, constitutivos do etnocentrismo e do colonialismo, e até, como realçado na exposição, do próprio machismo. Urge reposicioná-los no devido lugar, e clarificar os efeitos nocivos que deixaram para as gerações vindouras.

 

 

Carla Carbone
Estudou Desenho no Ar.co e Design de Equipamento na Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Completou o Mestrado em Ensino das Artes Visuais. Escreve sobre Design desde 1999, primeiro no Semanário O Independente, depois em edições como o Anuário de Design, revista arq.a, DIF, Parq. Algumas participações em edições como a FRAME, Diário Digital, Wrongwrong, e na coleção de designers portugueses, editada pelo jornal Público. Colaborou com ilustrações para o Fanzine Flanzine e revista Gerador.


:::


Notas

[1] Termo usado por Priscila Arantes (2015) Arquivo na Arte Contemporânea. Pág. 33
[2] Folha de sala da Exposição Sandim Mendes - Viúva Branca, 04/11/2023 - 24/02/2023, texto da curadora Filipa Oliveira, Galeria Municipal de Arte, pág. 2.
[3] Nas palavras de Priscila Arantes.
[4] Ibidem.



CARLA CARBONE