Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição de Oscar Murillo, Together in Our Spirits, 2023, Museu de Arte Contemporânea de Serralves. © @nvstudio


Vista da exposição de Oscar Murillo, Together in Our Spirits, 2023, Museu de Arte Contemporânea de Serralves. © @nvstudio


Vista da exposição de Oscar Murillo, Together in Our Spirits, 2023, Museu de Arte Contemporânea de Serralves. © @nvstudio


Vista da exposição de Oscar Murillo, Together in Our Spirits, 2023, Museu de Arte Contemporânea de Serralves. © @nvstudio


Vista da exposição de Oscar Murillo, Together in Our Spirits, 2023, Museu de Arte Contemporânea de Serralves. © @nvstudio


Vista da exposição de Oscar Murillo, Together in Our Spirits, 2023, Museu de Arte Contemporânea de Serralves. © @nvstudio


Oscar Murillo, manifestation, 2023 (detalhe). © Tim Bowditch e Reinis Lismanis / Cortesia do artista.

Outras exposições actuais:

MARIA LAMAS

AS MULHERES DE MARIA LAMAS


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
FÁTIMA LOPES CARDOSO

PEDRO TUDELA

R!TM0


Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

COLIBRI EM CHAMAS


ZARATAN - Arte Contemporânea , Lisboa
FILIPA ALMEIDA

MARTÍN LA ROCHE

MAGIC BOX


Printed Matter / St Marks, Nova Iorque
CATARINA REAL

ANDRÉ ROMÃO

CALOR


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
SANDRA SILVA

WIM WENDERS

ANSELM - O SOM DO TEMPO


Cinemas Portugueses,
RICHARD LAURENT

ALEXANDRE ESTRELA

FLAT BELLS


MoMA - The Museum of Modern Art, Nova Iorque
CATARINA REAL

COLECTIVA

COLISOR


Museu Municipal de Faro, Faro
SUSANA RODRIGUES

SUSANA CHIOCCA

SOLUÇOS SUSSURROS LABAREDAS


Espaço MIRA, Porto
CLÁUDIA HANDEM

IRENE M. BORREGO

A VISITA E UM JARDIM SECRETO


Cinemas Portugueses,
RICHARD LAURENT

ARQUIVO:


OSCAR MURILLO

TOGETHER IN OUR SPIRITS




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto

30 NOV - 26 MAI 2024

Em coletivo, com Oscar Murillo

 


Oscar Murillo (Colômbia, 1986) é autor de uma obra notável, onde arte e vida se intersectam e na qual diversos materiais confluem, através de um ato criativo exploratório e arrojado embora, simultaneamente, sensível e atento. Daí emergem peças esteticamente valiosas preciosas e complexas, com várias layers e dimensões, que desafiam o olhar e a recepção e proporcionam uma experiência que, embora individual a cada espectador, será, sempre, marcante.

Com o título Together in Our Spirits, Murillo inaugurou, no dia 29 de novembro, no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, a sua primeira exposição individual em Portugal, com curadoria de Inês Grosso e coordenação de Filipa Loureiro. Trata-se de uma relevante ocasião, sobretudo considerando o percurso do artista, definido por um crescimento assertivo que lhe tem vindo a conferir notoriedade e um elevado reconhecimento a escala internacional. Destaco o seu projeto Frequencies, iniciado há dez anos, que propõe a criação artística como ferramenta de comunicação a jovens estudantes entre os dez e os dezasseis anos. Como o artista explica, trata-se de um projeto tão intelectual e psicológico quanto físico e material.

Integrando inúmeras escolas de diversos países, Frequencies materializa-se enquanto retrato das comunidades de diferentes contextos e, recorrendo às palavras do artista, “um mapeamento” das suas experiências, similitudes e diferenças. Murillo refere-se ao seu projeto como uma “biblioteca” onde se reúnem “arquivos” com os quais “percorre o mundo”. Esta ideia de transversalidade é também convocada pela predominante utilização da cor azul, representativa da água, elemento comum a todos os povos, e, como a curadora refere, dotado de uma particular permeabilidade. Com efeito, a água, sobretudo a do mar, penetra e trespassa além-fronteiras.

É, justamente, em Frequencies que se inscreve a atual exposição. O convite feito ao artista foi motivado, em parte, pelo intuito de trazer a Serralves e a Portugal [1] o que se considera constituir um contributo significativo para o desenvolvimento educativo das artes, e para nutrir o valor do coletivo e da empatia, pelo outro e pelo mundo.

Nesta mostra, a par de algumas das mais relevantes obras de Murillo dos últimos anos, encontram-se outras, novas, concebidas para o Museu de Serralves, mais especificamente, para o Hall e a Galeria Contemporânea. Sublinhe-se estes últimos consistirem em dois espaços de livre acesso, o que agradou ao artista na medida em que considera que a sua arte deve ser aberta e acessível a todos.

No Hall, distribuem-se bustos de vestuário onde se unem escultura e pintura e um grupo de mesas em torno das quais se expõem óleos da série Disrupted Frequencies. Todas as peças foram concebidas a partir do trabalho desenvolvido pelas escolas, do qual Murillo se apropria para nele intervir com pinceladas largas e expressivas, em formas livres e em movimentos que evocam o que apela de “força obliteradora da água”. Paralelamente, esta ação sobre os objetos subverte o processo do arquivo, pois ao invés de os preservar, propõe a sua transformação e a sua reapresentação enquanto algo de novo.

Sobre a Galeria Contemporânea, “em torno da qual tudo se desdobra”, citando Inês Grosso, apresentam-se três corpos de trabalho nos quais se reúnem a pintura, a escultura e o vídeo. Nas paredes, três cortinas pintadas, da série Surge, com o subtítulo Social Catarats, e, no centro, pequenas pinturas em tela integram uma instalação intitulada Mesmerizing Beauty. Murillo remete para os nenúfares de Monet e, a partir daí, para o declínio da visão do artista francês. O seu intuito é denunciar uma cegueira social coletiva ou, recorrendo às palavras de Inês Grosso, “uma sociedade incapaz de ver”.

A última peça exibida neste espaço da exposição é um filme gravado de modo quase rudimentar ou, como o artista descreve, “hesitante”. Realizado no centro Rockefeller, em Manhattan, um lugar histórico e sucessivamente eleito para manifestações e protestos, incita à reflexão sobre os conceitos de liberdade, disparidade e justiça social, não somente no quadro dos Estados Unidos da América, mas de toda a cultura ocidental. Ainda, e a nível transversal, a obra do artista questiona o que representam as noções de coletivo e comunidade, instigando a discussão sobre diversas problemáticas sociais e tensões geopolíticas.

Contudo, o que Murillo sublinha enquanto “conceito geral” ou “estrutura da exposição” é uma contínua preocupação com o desenho, quer na pintura, quer na instalação e nos objetos escultóricos. O desenho tende a surgir como mecanismo de recolha de informação e de comunicação, tal como se observa na arrebatadora pintura que se expõe na Capela de Serralves. Nesta, que consiste numa das maiores obras da recente série do artista Manifestation, a tela é utilizada e manuseada como instrumento linguístico e meio de comunicação, como objeto de coletividade e partilha, para “todas as possibilidades que estejam por vir”.

Para finalizar, recorro, uma vez mais, às palavras de Oscar Murillo: a exposição Together in Our Spirits é "um gesto poético em prol do coletivo”. Com efeito, é através de um modo profundamente sensorial, de notável e sui generis qualidade estética, que a exposição apela à consciencialização do campo social, provando, de forma notável, a inextrincável relação entre a arte e a vida.

 


Constança Babo
É doutorada em Arte dos Media e Comunicação pela Universidade Lusófona. Tem como área de investigação as artes dos novos media e a curadoria. É mestre em Estudos Artísticos - Teoria e Crítica de Arte, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, e licenciada em Artes Visuais – Fotografia, pela Escola Superior Artística do Porto. Tem publicado artigos científicos e textos críticos. Foi research fellow no projeto internacional Beyond Matter, no Zentrum für Kunst und Medien Karlsruhe, e esteve como investigadora na Tallinn University, no projeto MODINA.


:::


Notas

[1] Em Portugal, o projeto contou com a colaboração das seguintes escolas: Escola Secundária da Boa Nova (Matosinhos), Escola Secundária Fontes Pereira de Melo (Porto), Escola Secundária João Gonçalves Zarco (Matosinhos), Agrupamento de Escolas de Alfena (Valongo), Escola Básica e Secundária Gomes Teixeira (Armamar), Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite (São João da Madeira), Colégio D. José (Aveiro), Escola Secundária José Régio (Vila do Conde), Escola Secundária de Barcelinhos (Barcelos), Escola Básica Maria Manuela de Sá (Matosinhos), Escola Secundária Miguel Torga (Bragança).

 



CONSTANÇA BABO