Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


R: 0-8, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


R: al, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


R: CdM, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


R: memória, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC


Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC

Outras exposições actuais:

DAYANA LUCAS

DIA-A-DIA


Galeria Lehmann + Silva, Porto
SANDRA SILVA

CHRISTIAN ROSA

TO PAINT IS TO LOVE AGAIN


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

MAFALDA SANTOS

COMO FAREMOS PARA DESAPARECER


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA – 50 ANOS: A DEMOCRATIZAÇÃO VIVIDA


Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto
CONSTANÇA BABO

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ARQUIVO:


PEDRO TUDELA

R!TM0




MUSEU INTERNACIONAL DE ESCULTURA CONTEMPORÂNEA DE SANTO TIRSO
Av. Unisco Godiniz 100
4780-368 Santo Tirso

27 OUT - 18 FEV 2024


 


Não nos deixemos enganar à primeira pelo título convencional - ritmo -, pois logo se percebe que está codificado linguística e visualmente. Em R!TM0, cada letra desdobra-se num símbolo que ultrapassa a semântica da palavra havendo, logo à partida, uma tentativa de conversão de linguagens. Também não nos deixemos enganar à segunda: talvez a construção do vocábulo tenha sido efeito e não causa.

Na folha de sala, são-nos apresentadas hipóteses para o significado de cada uma. Mas nem por isso o espetador deixa de ser livre de interpretar os seus vários sentidos consoante aquilo que vê e ouve nesta exposição que parte da repetição – tema que continua basilar na produção artística de Tudela e sobre a qual se expressa a partir da multiplicidade de meios que já lhe é comum numa carreira de mais de três décadas – a instalação, a escultura, o desenho, com a presença plástica e conceptual do som. Esta repetição na qual as obras perduram, é transversal aos múltiplos tempos que definem a nossa existência, a começar pelos dias marcados pela rotina, muitas vezes capaz de nos sugar o tempo necessário para a reflexão ou de nos manter alheados e acríticos face ao mundo em redor. Não obstante, ela própria pode ser alvo de contemplação se assim decidirmos.

 

R: 0-8 (2023), Pedro Tutela, MIEC. © MIEC

 

E Tudela decide. Com R começam todos os títulos das obras expostas (à exceção das que foram realizadas na residência artística em Siracusa, em 2019, aqui apresentadas noutro contexto e suscetíveis a outras leituras), manifestando o seu carácter serial, algumas ancoradas ao ready-made e outras sem hipótese de serem reproduzidas. O percurso começa com a (belíssima) peça R: 0-8 (2023) onde 8 esferas de ferro espelhado pousam em 8 mísulas de cerâmica em formato miniatura. Recuo ao espelho de Van Eyck e ao seu manifesto autoral no Retrato do Casal Arnolfini (1434) ou à Fonte (1917) de Duchamp. A distorção da nossa imagem e a do espaço em, pelo menos, 8 vezes (infinito), encapsula o nosso reflexo numa série de ciclos que pensamos controlar e nos mostra que estamos aqui e além. Esta métrica linear introduz a exposição para logo a seguir ser rematada por R: al (2023): uma gota de vidro soprado cristaliza esse movimento e esse tempo que não sabemos qual(ificar), e que está na origem das esferas anteriores. A transparência, a superfície refletora e o rigor formal fazem jus à acutilância do título: al(l), como possível tradução de tudo, ou até mesmo lendo RAL, a conhecida tabela de cores e, por isso, referindo a luz, o espectro. Se a exposição começa com obras sem a intervenção do som tão característica de Tudela, elas inauguram a tendencial da rotina nos seus dois antónimos: a regra e a exceção, a sequência e a pausa.

 

R: al (2023), Pedro Tutela, MIEC. © MIEC

 

O que primeiro me cativou nesta exposição foi simplesmente o ato (ou a vontade?) de contar e estar atento (assim também avisa o !) ao número das coisas e à sua frequência. Este contar numérico em voz alta, hoje uma ação quase obsoleta pela autonomização do número no controlo das nossas ações/movimentos, é o que marca a perceção humana de tempo. Não obstante, considerá-lo uma quantidade numérica que se gasta – consumível – é distorcido, havendo um conflito ou uma incompatibilidade (por vezes irresolúvel) entre desejo e ação, no que André Barata designou como “a ditadura do tempo”.

Visitar uma exposição de Tudela é também estarmos cientes do intercâmbio entre a simultaneidade da imagem e a sucessividade do som. Enquanto experiências conjuntas (nem sempre dependentes), a visual e a auditiva está associada a um espaço que reverbera sempre uma (im)possível troca. No piso 0, na cadência dos janelões e das namoradeiras da nave monástica, a peça R:C-E_Loop (2023) e Rastos (1997) (separadas por um intervalo temporal de 26 anos) convivem nessa coincidência. Vários objetos sucedem-se pelo espaço que, pela sua extensão, faz de pauta musical: uma casota de madeira sem entrada ou saída, uma corneta, uma escada de ferro seccionada sem começo ou fim, interligados por três canais de som que fluem pelo pavimento, e intercalados por um poste (deitado), isoladores de vidro e porcelana, e olhos cuja íris é substituída por um alto-falante. A aparente deslocação destes objetos, e o contraste de sensações e matérias reportam a várias paisagens; e o som parece acumulativo, um ruído em que não importa muito que se distinga quais os emissores, mas a sua reverberação nos objetos. (Entretanto, os sinos do mosteiro tocam as badaladas das horas, reclamando o seu lugar na exposição). Os objetos capturam a memória e a pergunta que me ocorre é: Como se ouve uma imagem? / Como se lembra um som?

 

Vista da exposição R!™0, Pedro Tutela, 2023, MIEC. © MIEC

 

O elo entre memória e esquecimento torna-se evidente, sendo que a repetição tem essa capacidade reversível de tanto recordar o que julgámos olvidar, ou esquecer o que é presente constantemente. Este encadeamento manifesta-se nas obras distribuídas pelo piso -1 do museu, ao qual a peça R: CdM (2023) convida e apresenta algumas pistas. Tudela revisita GT_S – Orecchio del Suono (2019), apresentada no âmbito da sua residência artística em Siracusa. A apropriação das Teste di Moro sicilianas, aqui desfiguradas, sinistras na sua brancura e coroadas com pinhas pretas, altera o tom da exposição. Sem dúvida mais sombrio. Na peça R: memória (2023), é a vez da cabeça de uma águia petrificar uma expressão de agonia ou rejubilo ao lado de um delicado sino de vidro que emite som (e não só).

A última sala está entregue ao desenho na sua vertente mais clássica. Um pentagrama percorre 30 folhas de papel desencontradas simulando um espetro sonoro, povoado por círculos e circunferências (0) de diferentes dimensões. Na parede oposta, onze círculos espelhados refletem esta pauta gráfica como discos riscados. A rotatividade versus a linearidade do som é assumida num equilíbrio simultâneo, que encontra na passagem do tempo do fazer desenho a fisicalidade do movimento.
Em suma, uma desafiante exposição com muitas nuances para repensarmos (ou apenas revermos) o ritmo, os padrões e as quebras que definem os vários campos da nossa vida e daí contemplarmos o que é belo e/ou terrível.

 

 
 
 

Cláudia Handem
(n. 1992, Murtosa) Licenciada e mestre em Arquitetura pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, e licenciada em Artes Plásticas - Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolve prática artística no campo do desenho e da pintura, e escreve, de forma independente, sobre exposições de arte.



CLÁUDIA HANDEM