Links

ENTREVISTA



MANOEL BARBOSA


Esta é a primeira de uma série de entrevistas que acompanham o Ciclo de Reenactments - Performance Arte Portuguesa que será apresentado na Plataforma Revólver, em Lisboa. Este ciclo tem por objectivo partilhar episódios da história da performance portuguesa. No dia 17 de novembro, pelas 19h00, será transmitido em live streaming a performance TROUMT, de Manoel Barbosa. Publicamos esta entrevista sobre o percurso do artista, o seu papel enquanto divulgador da história da performance arte em Portugal, e sobre o momento e as circunstâncias da apresentação da performance TROUMT, na Fond’Action Boris Vian, em Paris, em 1982. Manoel Barbosa é artista plástico e performer. É um dos pioneiros da performance arte em Portugal e hoje é também um dos responsáveis pela partilha desta história.
LER MAIS

O ESTADO DA ARTE



CONSTANÇA BABO


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
A mais recente exposição no ZKM resulta, em grande parte, das pesquisas desenvolvidas no âmbito do projeto internacional e interdisciplinar de investigação CZO - Critical Zone Observatories, iniciado em 2007 e atualmente desenvolvido por nove instituições, cujo propósito é analisar os vários processos químicos, físicos e biológicos que compõem a superfície terrestre e nela suportam toda a forma de vida. Na medida em que se tratam de inúmeros e distintos domínios, um grupo de cientistas criou o conceito Critical Zone para nele reunir os vários campos das ciências da Terra e os respetivos elementos desta, ar, água, solo, flora, fauna, etc. A este complexo e extenso objeto correspondeu, inevitavelmente, uma igualmente intrincada concepção expositiva.
LER MAIS

PERSPETIVA ATUAL

BRUNO MARQUES


REVISITAR OS REIS DE COSTA PINHEIRO NO MOMENTO EM QUE QUESTIONAMOS OS MONUMENTOS AOS HERÓIS NACIONAIS
Num contexto em que, recentemente, se assistiu a uma onda de contestação (e questionamento) dos monumentos erigidos aos heróis da História de Portugal, impõem-se revisitar Os Reis. Série pictórica que, exposta pela primeira vez em 1966 na Galeria Leonhart, em Munique, com o título Die Könige, valeu a António Costa Pinheiro (1932-2015) o prestigiado Prémio Burda na Haus der Kunst de Munique (1966) e o Prémio de Pintura (Förderpreis) da cidade de Munique (1967). Com um lúdico cortejo de retratos imaginários, concebidos entre 1964 e 1966 à distância do exílio pátrio, o artista confrontou a grandeza histórica de um Império outrora cantado por poetas com a imagem desanimadora de um país à época visto externamente como espaço serôdio e profundamente medíocre, resultado de uma ensimesmada ditadura há muito fora da hora internacional.
LER MAIS


OPINIÃO

VICTOR PINTO DA FONSECA


O SENTIMENTO É TUDO
O novo Centro de Arte Contemporânea de Coimbra apresenta desde Julho passado a exposição "De que é feita uma colecção? Corpo e Matéria", que reúne 30 obras de arte que um dia pertenceram à coleção do extinto Banco Português de Negócios. Ao longo das últimas décadas, o extinto Banco Português de Negócios, foi um poderoso motor de crimes de corrupção, fraude fiscal, burla qualificada, gestão criminosa, etc., profundamente ligado ao agravamento do défice de Estado e ao enriquecimento ilícito de Oliveira e Costa e da comunidade de amigos que ele construiu ao seu redor. A curadoria da exposição "De que é feita uma coleção? Corpo e Matéria" simplesmente ignora a história sombria desta colecção. (E ignorar não é o mesmo que ignorância, exige esforço da nossa parte) Razão pela qual a exposição está em evidente contradição com a curadoria, se queremos saber de que é feita uma colecção.
LER MAIS

ARQUITETURA E DESIGN

DANIEL MADEIRA E MAFALDA RUÃO


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO
É hoje indiscutível a constante questionação dos objetos que nos rodeiam. Se pudéssemos, perguntaríamos “De onde vens?” ou “Com quem estiveste?” – reflexo deste clima de tensão invulgar na relação com o outro corpo, seja ele inanimado ou não. E neste duelo intermitente de relações, dar a ver os objetos que compõem a ação espacialista é também elevar cada um dos objetos na galeria a um patamar quase sagrado: a estes objetos perguntamos outra coisa, questionamos de outra forma. Não nos interessa de onde vêm, mas sim para onde nos levam.
LER MAIS

MÚSICA

ANDRÉ FONTES


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
Dylan foi muitas pessoas, significou muitas coisas, e foi por isso reinterpretado vezes sem conta. Mas a interpretação política foi subsistindo. A política marcou aquele nosso primeiro amor por Bob Dylan, e porque o amor se volta para trás quando tem dúvidas, é natural que cada novo Dylan seja interpretado à luz do primeiro – se forçarmos muito a vista, até conseguimos ver no Dylan evangélico, e na sua igualdade dos homens perante Deus, uma censura da verticalidade social.
LER MAIS




:: 2ª Edição Festival Emergente | 29 de Novembro, das 16h às 22h, Capitólio + Online

:: 12ª edição InShadow – Lisbon ScreenDance Festival | 20 de novembro a 13 de dezembro 2020



PREVIEW

Festival Porto/Post/Doc | 20 - 29 Nov, vários locais, Porto


Arranca esta sexta a edição 2020 do Porto/Post/Doc que, até dia 28 de novembro, vai levar a quatro salas portuenses mais de 60 filmes nacionais e internacionais.
LER MAIS

EXPOSIÇÕES ATUAIS

KORAKRIT ARUNANONDCHAI & ALEX GVOJIC

NO HISTORY IN A ROOM FILLED WITH PEOPLE WITH FUNNY NAMES 5


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

Tal como Dante, descemos para um lugar desconhecido e obscuro com destino aos 3 ecrãs de vídeo. Acompanhados do som latejante e intenso, das máquinas de fumo, dos lasers verdes chegamos até um espaço de paragem e observação. Esta é uma experiência sonora, visual e quase táctil.
LER MAIS MAURO SANTOS GONÇALVES

THIERRY FERREIRA

HABITAR O LUGAR


Vários locais / Leiria, Leiria
Thierry viveu em muitas casas e participou na construção de todas, são nítidas as lembranças dos espaços da sua primeira casa em França, bem como de todas as outras. As casas em que viveu tinham todas uma característica, estavam sempre inacabadas. Serão estas estruturas espaciais algo que se está a edificar? ou pelo contrário, a desmontar? Permanece a dúvida.
LER MAIS SAMUEL RAMA

ISAKI LACUESTA

ISAKI LACUESTA


Solar - Galeria de Arte Cinemática, Vila do Conde
Cineastas começaram a explorar os espaços dos museus e os videoartistas passaram a fazer filmes para o grande ecrã. A nova exposição na Solar é dedicada à prática de vídeo do cineasta espanhol Isaki Lacuesta, que não é uma excepção a esta tendência e se concentra também em remodelar arquitectonicamente a visão cinemática e em jogar com a semântica e as sensações nas suas obras.
LER MAIS DASHA BIRUKOVA

COLECTIVA

GLOBAL(E) RESISTANCE


Centre Pompidou, Paris
O que é a resistência do Sul e como se expressa ela? Se excluirmos alguns artistas sobre cujo trabalho nos interrogamos o que faz lá, navegamos, pelo curso da exposição entre resistência subtil, discreta, alusiva e resistência mais assertiva, mais política, com obras mais ativistas, legíveis mais facilmente de acordo com uma grelha política, por vezes os artistas eles mesmos envolvidos na luta.
LER MAIS MARC LENOT

MAJA ESCHER

UM DIA CHOVEU TERRA


Galeria Municipal de Arte de Almada, Almada
É a curadora que nos relata, no texto disponível na folha de sala virtual, que foi com a adivinha “Qual é a coisa qual é ela que quanto mais alto está melhor se lhe chega” que a investigação de Maja sobre a água e sobre a chuva começou.
LER MAIS CATARINA REAL

COMPETIÇÃO EXPERIMENTAL

CURTAS VILA DO CONDE IFF 2020


Teatro Municipal de Vila do Conde, Vila do Conde
Este ano o programa da “Competição Experimental” reexplora diferentes aspectos da “natureza”, que não precisam ser propriamente florais, podem ser a natureza dos problemas ecológicos, a auto-identificação, a discriminação ou as diferentes variações de especulação ou exploração que correspondem constantemente à natureza da imagem cinemática.
LER MAIS DASHA BIRUKOVA

ANGELO GONÇALVES

ESTANQUE


Galeria TREM, Faro
Angelo Gonçalves atua sobre o real, sobre a materialidade dos objetos que são, quase sempre, restos e sobras da sociedade de consumo. Estanque é uma exposição e uma proposição – estancar é conter o curso dos líquidos, e é também esgotar-se, chegar a um ponto fixo, do qual não se consegue sair.
LER MAIS MIRIAN TAVARES