Links

share |

MÚSICA


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC

RICARDO ESCARDUÇA

2018-03-17



"É a sua maldita barriga que causa terríveis aborrecimentos aos homens (…)". As suas lendas e mitos têm milhares de anos, mas o verso de Homero podia ter sido escrito hoje em referência à relação antipodal em que a corporalidade e imediatismo do material se sobrepõe à intangibilidade e intemporalidade do espectral. É precisamente esta ofuscação do primordial e poderoso, o desvanecimento da essência da condição humana, que está na origem do quarto LP da sueca Anna von Hausswolff.

Dead Magic é o título do álbum que foi apresentado pela artista com recurso a uma citação do poeta conterrâneo Walter Ljungquist: "Take the fate of a human being, a thin pathetic line that contours and encircles an infinite and unknown silence. It is in this very silence, in an only imagined and unknown centre, that legends are born. Alas! That is why there are no legends in our time. Our time is a time deprived of silence and secrets; in their absence no legends can grow."

Dead Magic é um álbum violento e exigente, exactamente o que torna notável. Mais do que Singing from the Grave, de 2010, são Ceremony, de 2013, e The Miraculous, de 2015, que exibem a capacidade notável de Anna von Hausswolff para criar verdadeiras experiências estéticas de sublimação do âmago mais capital da natureza humana. Dead Magic não só não lhes fica atrás como intensifica a experiência de imersão e introspecção, desde a ideia ou sentimento transformada em obra musical experimentada pelos sentidos até às emoções e imagens que faz despertar.

A faixa de menor duração supera os cinco minutos e a mais longa atinge os dezasseis. Em nenhuma delas há monotonia ou aborrecimento. Moldando um volume sonoro inconfundível e memorável com uma mestria que evita o experimentalismo descaracterizado ao mesmo tempo que deita por terra as fronteiras entre o progressive, o gothic, o ambient, o drone, o folk, o metal, o rock, von Hausswolff cria, acima de tudo, um cenário conceptual volátil entre complementaridades enigmáticas. Por vezes, convoca o horror asfixiante das trevas, o ambiente é abrasivo e perturbante, é claustrofóbico e angustiante, em outras surge a harmonia celestial da luz, o ambiente é etéreo e delicado, é belo e cristalino. Se não outras, são incontornáveis ideias de morte e nascimento, de esquecimento e memória, de espírito e carne, de macabro e puro, de tormenta e alívio. Dead Magic é uma catarse e exaltação das intimidades humanas mais profundas e essenciais, que atinge cada um que se atravesse no seu caminho diferentemente e, para quem seja para lá transportado na viagem sonora, reduz a pó os aborrecimentos causados pela barriga.

O órgão de igreja e a sua conotação com o sagrado e o ritual contribuem decisivamente para o dramatismo majestoso e imponente da música de von Hausswolff, que explora a versatilidade do instrumento em toda a amplitude de fúria ou quietude. Colher-lhe todo o potencial obriga a cuidados redobrados com as condições acústicas. Desta vez, a escolha recaiu sobre uma das capelas da igreja Marmorkirken, em Copenhaga. Tanto quanto a presença do órgão impõem-se os vocais multifacetados de von Hausswolff em mutações tonais de estridentes cânticos operáticos ou de ténues sussurros pairadores que sobrecarregam o dramatismo e a espiritualidade do ambiente. A grandiosidade da música de von Hausswolff é também marcada pelo seu virtuosismo enquanto compositora, imprimindo uma dinâmica cinemática de contrastes das harmonias e ritmos e alternando a densidade e espessura dos arranjos musicais de cordas, guitarras, sintetizadores e bateria. Este bem-conseguido dinamismo faz-se sentir quer à entrada do álbum, ao longo da progressão das várias secções e distintas secções ambientais da faixa "The Truth, The Glow, The Fall", quer entre as cinco faixas do álbum, por exemplo entre a opressão de "Ugly and Vengeful", a faixa mais marcante de todo o trabalho, e a pausa de "The Marble Eye".

 

A música experimental e progressiva de instrumentações estendidas e faixas de longa duração é exigente e requer o momento certo para ser disfrutada. Porém, sendo-lhe proporcionado o tempo certo para revelar a sua magnitude e intensidade, recompensa. É o caso de Dead Magic, cuja experiência, à semelhança dos seus dois predecessores, vai muito além da experiência musical e que, entre o poder sugestivo de imaginários que vão desde a tragédia à constrição, desempenha uma superior função de desligar-se da banalidade do quotidiano para evocar o mais ancestral e primordial.



Dead Magic tracklist

1. The Truth, The Glow, The Fall
2. The Mysterious Vanishing of Electra
3. Ugly and Vengeful
4. The Marble Eye
5. Källans återuppståndelse

 

 

 




Outros artigos:

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS