Links


MÚSICA


SRSQ – “UNREALITY”

RICARDO ESCARDUÇA

2018-10-29



 

 

“Unreality” servirá, entre outros, o propósito pertinente e oportuno de fazer recordar o contraste entre a ilusão idealista de garantia e controlo e a realidade inescapável da fragilidade e vulnerabilidade da condição humana.

SRSQ, o projecto a solo da vocalista e teclista californiana Kennedy Ashlyn, talvez não existisse sequer, ou porventura existiria em outra dimensão que não aquela da qual afinal emerge, a de acertar contas com o passado. O álbum de estreia encorpa o trauma e a purga do luto pela amiga e guitarrista Cash Askew, uma de entre as dezenas de vítimas de um incêndio urbano no decurso de um concerto num armazém em Oakland convertido em espaço artístico, assim extinguindo o duo dreamwave e shoegaze Them Are Us Too da baía de S. Francisco a que ambas davam a face. O que este contexto íntimo, exposto nu e cru às custas da coragem para o enfrentar, imprime em “Unreality” é a agregação da dimensão sublime desta esfera pessoal e trágica à da beleza da obra lírica e musical.

 

 

Na sua maioria lúgubre, melancólico e desconsolado, “Unreality” biografa os cacos do passado, as angústias do presente e os receios do futuro. Porém, não arrasta consigo e tão-pouco induz a depressão da morte; antes exalta a experiência e percepção emocionais, transformadoras do trágico em belo. O conjunto das oito faixas instala um vórtice de sentimentos que, entre o lamento da memória e a exultação da ilusão, fazem ainda colidir a angústia da desorientação, o desespero da dor, a reconciliação da resignação, a celebração da gratidão e a resiliência da sobrevivência. E é, acima de tudo, na empatia que reside a distinção de “Unreality”.

Em posição de destaque, em muito construindo a sonoridade tão sombria quão espectral de todo o álbum, a distinta performance da voz dinâmica e dramática de Ashlyn, tão sedutora quão assombradora, ecoa e faz reverberar versos amargurados e carpidos, mas comoventes, que reflectem aquela turbulência de emoções variadas, não só através da exploração da amplitude vocal, que ascende desde suaves e subtis murmúrios a operáticas e majestosas projecções mas também por via da poesia em si mesma. Se em “Cherish”, é “Now you are sans life, and I’d give anything to be us”, em “The Martyr” é “I struggle just to keep from going under”, e em “Procession” é “I’ll see your face each rose that blooms”. No refrão de “Mixed Style” surge “In the night I find I know euphoria / Soon the tide will fall to my dystopia / In this place we can defy mortality / Lead me to survive this unreality”.

 

 

Por entre os meandros dos vocais, tão encantadores quão desconcertantes, ilustrando esta mesma intensidade ambígua da nostalgia e da catarse, Ashlyn convoca estilos musicais que concorrem entre si tanto quanto se complementam, e que resultam numa unidade coerente e singular. Às várias facetas da voz juntam-se melodias arejadas e esvoaçantes de sintetizadores que, à primeira vista, evocam o dreamwave dos anos ’80 e levam à precipitada aderência de SRSQ a Cocteau Twins, como em “Cherish” ou “Procession. Mera falácia que, assim mesmo, não chega a oferecer a resolução para a perda sepulcral. “Only One”, ainda que remotamente anexo a essa tal atmosfera dreamy, rapidamente se distancia ao adensar e obscurecer as harmonias vocais e instrumentais dessa substância etérea apenas na aparência, em resultado das camadas adicionais de sintetizadores e efeitos sonoros noise mais glaciais e obscuras, complementadas pelo minimalismo metálico dos beats e da percussão electrónica, resultando num ambiente espessamente texturado que se afasta daquela origem. “The Martyr” ou “Mixed Style” dão continuidade a essa carga quando se condensam e adensam num darkwave e synth-goth que, em “No Reason” se torna disforme e abstracto e, em “Permission”, se agrega ao industrial e techno.

 

 

Além da pungência da sua música, a notabilidade de Ashlyn e desta estreia a solo advém da sua imediata e compulsiva capacidade para entrelaçar som e emoção e aderir ao âmago mais íntimo, e nesse encontro sofrer sem sucumbir e curar-se da sua história, a sua ou aquela de com quem ela se cruzar. “Unreality” comove, é o que a arte faz.


“Unreality” tracklist
1. Prelude
2. The Martyr
3. Cherish
4. Procession
5. Mixed Tide
6. No Reason
7. Permission
8. Only One

 




Outros artigos:

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS