Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


A PINTURA ROUBADA MAIS VALIOSA DO MUNDO

2024-06-19




“O Concerto” foi pintado por Johannes Vermeer por volta de 1665 e mostra três figuras da classe alta: uma mulher sentada ao cravo, um homem tocando alaúde de costas para o espectador e uma segunda figura feminina em pé a cantar. Duas pinturas estão penduradas na parede (uma delas uma cópia de “The Procuress”, de Dirck van Baburen, que pertencia à sogra de Vermeer) e a tampa do cravo também revela uma paisagem pintada. As roupas luxuosas e o interior elegante denotam a classe das figuras, e o cinto e a espada do homem indicam que ele é membro da milícia civil.

Embora as cenas de produção musical de Vermeer tenham sido frequentemente interpretadas como eufemísticas (e grandes instrumentos de cordas colocados no chão podem ser vistos como distintamente fálicos), o elemento moral que alerta contra a sedução extraconjugal não parece presente em “O Concerto”. Todos parecem bastante focados nos seus instrumentos.

A pintura foi documentada pela primeira vez mais de 100 anos após a sua criação, em 1780. Foi adquirida pela colecionadora e filantropa Isabella Stewart Gardner em 1892 num leilão parisiense do espólio do crítico Théophile Thoré por US$ 5.000. Apropriadamente, Thoré desempenhou um papel importante na revitalização da reputação de Vermeer no século XIX. “O Concerto” foi a primeira grande compra do jovem colecionador. Estava em exibição no museu de Boston que leva o nome de Gardner desde o momento da compra até ser roubado.

Nas primeiras horas de 18 de março de 1990 (um dia após o Dia de São Patrício, quando muitos bostonianos estariam a dormir profundamente após uma noite de festa), intrusos passando-se por polícias locais conseguiram entrar no museu. “O Concerto” estava entre as 13 obras de arte que eles levaram no que hoje é considerado o maior roubo de arte do mundo.

Apenas um dos dois guardas do museu de serviço na altura estava no balcão de segurança quando os ladrões entraram no edifício, alegando que estavam a responder a uma perturbação no pátio. O segurança deixou-os entrar e foi prontamente algemado pelos ladrões que solicitaram que ele mostrasse a sua identidade e disse que havia um mandado contra ele. Eles então revelaram que se tratava de um assalto, aparentemente dizendo ao jovem guarda que se ele mantivesse a calma não se magoaria. O guarda respondeu: “Eles não me pagam o suficiente para me magoar”, antes que ele e o outro guarda fossem amarrados com fita adesiva e amarrados a canos no porão do museu. Mais tarde, os guardas diriam à imprensa que eram pouco treinados e inexperientes.

Os ladrões passaram 81 minutos dentro do museu, roubando 13 obras estimadas na época num valor total de US$ 500 milhões. As obras de arte roubadas incluíam peças de Edouard Manet, Edgar Degas e Rembrandt van Rijn. Algumas foram danificadas no processo. Os ladrões cortaram algumas das pinturas das suas molduras, que o museu exibe vazias desde então.

Uma placa que diz "O Concerto, Jan Vermeer. Roubado" exibida numa galeria escura.

O principal suspeito do Departamento de Polícia de Boston era James “Whitey” Bulger, que já estava na lista dos mais procurados do FBI como chefe violento da máfia. Bulger – então com 81 anos – foi preso em 22 de junho de 2011, após uma caçada humana de 16 anos, mas nunca confessou qualquer envolvimento no crime. Dois anos depois, o FBI anunciou que havia descoberto o crime, mas não divulgou nomes.

Comunicados de imprensa subsequentes sugerem que o crime foi perpetrado por membros de uma organização criminosa, e Christopher Marinello, CEO e fundador da Art Recovery International, referiu-se a isso como “apenas uma questão de tempo” antes que “alguém denuncie outra pessoa”. Outro suspeito, Robert “Bobby” Gentile, morreu em 2021.

Os roubos de Gardner são um dos roubos mais famosos da história da arte e foram explorados em 2021 numa série de quatro partes da Netflix, “This Is a Robbery”. Em 2015, a pintura foi estimada em US$ 250 milhões, tornando-a o objeto roubado mais valioso do mundo. O museu está a oferecer uma recompensa de US$ 10 milhões por informações que levem à recuperação das obras roubadas.


Fonte: Artnet News