Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


ANA ROCHA DE SOUSA VENCE PRÉMIO LEÃO DE FUTURO E PRÉMIO ESPECIAL DO JÚRI NO FESTIVAL DE CINEMA DE VENEZA

2020-09-12




A realizadora portuguesa Ana Rocha de Sousa venceu este sábado o prémio Leão de Futuro, de primeira obra, e o prémio especial do júri Horizontes no Festival de Cinema de Veneza, em Itália, pela longa-metragem "Listen".

De acordo com o festival italiano, que termina este sábado, "Listen" foi distinguido com o prémio Leão do Futuro - Luigi De Laurentiis, no valor de 100 mil dólares (84,4 mil euros), e Ana Rocha de Sousa recebeu ainda o prémio especial do júri da secção competitiva Horizontes.

"Listen" é a primeira longa-metragem da atriz e realizadora Ana Rocha de Sousa e a narrativa inspira-se em factos reais. É um drama familiar de uma família portuguesa emigrada no Reino Unido, a quem os serviços sociais lhe retiram os três filhos menores, por suspeita de maus tratos.

Em entrevista à agência Lusa dias antes da estreia mundial do filme em Veneza, a realizadora recuava a 2016 para falar da criação deste filme, depois de ter vivido e estudado em Londres, de ter sido mãe e de ter tomado conhecimento de casos de emigrantes que viveram aquele drama, retratado em "Listen".

"Não é de todo um filme contra ninguém em específico, mas pretende levantar questões; se não haverá outras formas de salvaguardar o superior interesse destas crianças e destas famílias para lá da adoção. (...) A grande dificuldade do tema são algumas definições demasiado subjetivas em termos legais que tornam o sistema [social] muito falível", contou.

Sobre a presença em Veneza, Ana Rocha de Sousa recordou a importância do festival: "Estar em Veneza trouxe muito visibilidade ao filme. Existirá um 'antes de Veneza' e um 'depois de Veneza'. Sou absolutamente grata ao facto de Veneza ter coragem de seguir e, de uma forma adaptada e nova, não deixar cair as coisas."

"Listen" tem coprodução luso-britânica, foi rodado nos arredores de Londres com elenco português e inglês, encabeçado por Lúcia Moniz, Ruben Garcia e Sophia Myles. Chegará aos cinemas portugueses em 2021.

Na sexta-feira, o filme da realizadora portuguesa foi distinguido com o prémio Bisato d'Oro de melhor realização e o prémio Sorriso Diverso Venezia, pela "abordagem às questões sociais", ambos galardões paralelos do festival.

O secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, felicitou este sábado a realizadora pelos prémios no Festival de Cinema de Veneza, sublinhando que "é uma revelação absoluta mesmo para Portugal".

"É um prémio muito importante e sobretudo muito auspicioso, é um prémio de futuro e, para uma primeira obra, este sinal num importante festival é muito animador. É um prémio para ela e para a equipa, mas é também uma forma de reconhecimento do cinema português e numa situação de coprodução. É uma revelação absoluta mesmo para Portugal", afirmou Nuno Artur Silva à agência Lusa.

Nuno Artur Silva sublinhou a "boa surpresa" de todos aqueles prémios serem atribuídos a uma primeira obra, de uma realizadora que descreveu como uma "corredora".

"O que é muito animador é que é numa primeira obra e é uma corredora, ela corre com uma produtora, com a Bando À Parte, nem sequer é uma pessoa do circuito habitual dos realizadores de cinema, tem essa alegre, essa novidade. Há boa surpresa, quando menos esperamos temos boas notícias", afirmou.

Também o produtor português Rodrigo Areias considerou este sábado "absolutamente incrível e fora do normal" a atribuição de quatro prémios pelo Festival de Cinema de Veneza à realizadora Ana Rocha de Sousa, pela longa-metragem "Listen".

"Para uma realizadora que faz um primeiro filme e ganhar um grande prémio, o prémio especial do júri é um privilégio grande, como é óbvio. Estes prémios todos juntos acaba por ser uma coisa absolutamente incrível. Ganha dois 'leões' oficiais e dois prémios paralelos", afirmou o produtor à agência Lusa.

Rodrigo Areias recordou este sábado à Lusa que decidiu produzir o filme por causa do argumento e "pela energia" da realizadora, e partiram depois à procura de financiamento e coprodução internacional no Reino Unido, onde Ana Rocha de Sousa estudou cinema.

"Por isso, na carreira de alguém que está a fazer uma primeira obra, [o reconhecimento de Veneza] marca claramente o percurso que ela irá fazer, sem dúvida nenhuma", disse o produtor português.

Ana Rocha de Sousa, 41 anos, entrou no cinema pela porta da representação, sobretudo em ficção televisiva, como "Riscos", "A Raia dos Medos", "Morangos com Açúcar" e "Jura", e passou para o outro lado da câmara a realizar curtas-metragens. Atualmente prepara uma nova longa-metragem.

"Listen" tinha sido selecionado para a secção competitiva Horizontes do festival, na qual estava também a curta-metragem "The Shift", de Laura Carreira.

Nesta secção, o prémio de melhor curta foi para "Entre tú y milagros", de Mariana Saffon.

A 77.ª edição do Festival de Cinema de Veneza foi apresentada como um dos primeiros eventos internacionais a decorrer nos moldes tradicionais em tempos de pandemia da covid-19, depois de meses de paralisação da atividade cinematográfica, que levou muitos festivais a decidirem pelo adiamento, cancelamento ou exibição online.






FONTE: Expresso