Links

PERSPETIVA ATUAL


Hong Kong Convention and Exhibition Centre, Wan-Chai. Foto: Sandra Lourenço


Cartaz de divulgação da feira. Zhang Ding, “Great Era”, 2007, fotografia. Foto: Sandra Lourenço


Vista parcial da feira. Foto: Sandra Lourenço


Projecto específico: Crossing The Persian Gulf. Foto: Sandra Lourenço


Scai The Bathhouse (Tóquio). Kowei Nawa, “Pixcell Model-Leopard”, 2008, mixed media. Foto: Sandra Lourenço


Chi-Wen (Taipé). Wei-Li Yeh, “Emperor Go in the City-The Dreamer # 2/7”, 2005. Cortesia Chi-Wen Gallery


Chi-Wen (Taipé). Wei-Li Yeh, “Emperor Go in the City-Rose Hill # 3/7”, 2007. Cortesia Chi-Wen Gallery


Hanart TZ (Hong Kong). Qiu Jie, Gopfudammi, 2008. Foto: Sandra Lourenço


Kukje (Seoul). Ki-Bong Rhee, “Wet Psyche Forest”, 2008. Foto: Sandra Lourenço


Green Cardamom (Londres). Nasgol Ansarinia, “Untitled 1 - Patterns series”, 2007. Cortesia Green Cardamom


Backroom Conversations_Museum Focus: Participation, Collaboration and the Everyday. Foto: Sandra Lourenço


Backroom Conversations_Heritage Sites: the answer to Hong Kong`s arts needs. Foto: Sandra Lourenço

Outros artigos:

2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



UMA PERSPECTIVA SOBRE ART HONG KONG 09



SANDRA LOURENÇO

2009-06-11




O Hong Kong Convention and Exhibition Centre, um edifício multifuncional onde se realizou a cerimónia da passagem para a China, acolheu entre os dias 13 e 17 de Maio o segundo ano da feira internacional de arte contemporânea. Após uma primeira edição mais conservadora no que diz respeito à qualidade das obras e com um menor número de galerias – um ano experimental que seguramente não incentivou a organização da feira a arriscar mais – a segunda edição está longe de ter sido um evento local e conservador. O reforço em termos de qualidade e diversidade produziram mudanças significativas no evento. Art Hong Kong 09 correspondeu, em certa medida, às expectativas locais relativamente ao seu internacionalismo pela presença de coleccionadores e de um maior número de galerias internacionais, mas, sobretudo, pela qualidade da sua organização, satisfazendo assim muitos intervenientes culturais que acreditaram nessa capacidade de afirmação internacional.


Nas vésperas da abertura, o director da feira, Maguns Renfrew comunicava à imprensa que, com a vinda de mais galerias e coleccionadores, o evento poderá funcionar como um catalisador do panorama artístico local. Primando por uma excelente organização, a inauguração da feira teve o seu ponto alto entre as 19 e as 21h, com uma multidão entusiasta, coleccionadores, curadores, artistas e galeristas que especulavam como seriam os próximos dias. A maioria dos visitantes concentrou-se durante o fim-de-semana, e a sua diversidade indiciava a presença de pessoas que não estavam necessariamente ligadas ao mundo da arte. Tal como acontece noutras cidades, ocorreram vários eventos paralelos, inaugurações simultâneas e dois leilões de arte organizados pelas leiloeiras asiáticas Seoul Auction e Asian Auction Week.


Mesmo sob o espectro da crise global, segundo o South China Morning Post do dia 20 de Maio, houve um aumento de público e as vendas superaram as do ano passado, lideradas por algumas galerias ocidentais, de Hong Kong e japonesas – embora os resultados tenham ficado aquém das expectativas dos galeristas. Esta notícia sobre as escassas vendas das galerias chinesas não deixa de surpreender; é, no entanto, reveladora da saturação quanto à especulação comercial dos últimos anos. Por outro lado, exceptuando a Grotto Fine Art, as galerias de Hong Kong não representam apenas artistas locais, incluem também outros artistas asiáticos, nomeadamente chineses, o que suscita duvidas quanto à precisão dessas vendas. Dos artistas ocidentais que melhor venderam destacam-se Tracey Emin, Damien Hirst e Gilbert and George (White Cube) – os últimos adquiridos por um coleccionador asiático. Entre os artistas asiáticos, contam-se o japonês Kowei Nawa e o chinês Fang Shao Hua.


Uma das novidades introduzidas este ano foi a criação de uma secção designada de SCMP/ART FUTURES, que subsidiou a participação de galerias com menos de 5 anos que operem segundo uma programação mais experimental. O projecto pretendia garantir a participação de galerias que trabalham com artistas emergentes que ainda não têm sustentabilidade económica e cujo valor das obras é mais acessível, atraindo dessa forma novos compradores que procuram precisamente essas condições. O South China Morning Post, parceiro da feira neste projecto, financiou o prémio do artista seleccionado. Uma outra vantagem relativamente às galerias participantes consistiu no facto de não terem pago qualquer imposto (tax free) – o mesmo aconteceu na Art Dubai, em Março último. Estas decisões em benefício das galerias permitem, sem dúvida, a rentabilização da sua participação e são também uma forma de firmar o evento a nível local e internacional.


Um dos projectos específicos sob o título, Crossing The Persian Gulf, focou-se, tal como o nome indica, nos países do Golfo Pérsico – Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Irão, Iraque, Kuwait, Oman e Qatar. No texto de introdução, o curador Charles Merewether contextualiza cada panorama sobre a sua posição em relação ao desenvolvimento da cultura contemporânea, realçando as diferenças que sobressaem entre cada um deles. Nesta abordagem menciona especificamente os contextos conturbados do Iraque e do Irão que, por razões políticas e sociais, têm negligenciado a produção artística contemporânea. Com uma maior abertura e actuando como mediador neutral entre os países daquela região, os Emirados Árabes Unidos têm tido um papel relevante no desenvolvimento de um ambiente propício à difusão da arte contemporânea através de galerias e de eventos como a Art Dubai e a bienal de Sharjah. Alguns desses estados árabes apresentam-se mesmo como uma opção para os artistas trabalharem, dadas as condições internas do seu país de origem. Apesar dessa contribuição, a atmosfera continua tendencialmente comercial e prevalece claramente face à actividade cultural.


Segundo Merewether, os artistas presentes destacam-se pela capacidade de experimentação que ultrapassa questões nacionais ou realidades opressoras que condicionam o futuro de muitas vidas. São artistas que nos proporcionam uma oportunidade para reflectirmos sobre os mundos em que vivem e a que aspiram. Assim, estiveram presentes três galerias neste evento, a XVA, Third Line e B21, e obras dos iranianos Farideh Lashai, Mahmoud Hamadani e Rokni Haerizadeh, dos Emirados Árabes Unidos o artista Ebtisam Abdul Aziz, e ainda o palestiniano Tarek Al-Ghoussein e o iraquiano Halim al Karim, ambos a viverem também nos Emirados Árabes.


Houve realmente um aumento de galerias ocidentais (principalmente do Centro e Norte da Europa), galerias do Golfo Pérsico, Paquistão, Síria, mas a maioria veio sobretudo do Sudeste Asiático e da Ásia-Pacífico, com um núcleo forte de galerias chinesas, coreanas e japonesas. As galerias japonesas e coreanas apresentaram obras que assentam nitidamente em duas vertentes estéticas: uma vertente conceptual, minimalista e depurada à qual se contrapõe uma outra vertente pop (por vezes kitsch) que, no caso do Japão, está profundamente enraizada no imaginário da banda-desenhada e da manga. A Scai The Bathhouse de Tóquio mostrou um conjunto de obras conceptuais de artistas japoneses, entre os quais se destacam, Kowei Nawa, Lee Ufan, Tatsuo Miyajima, e ainda obras de Apichatpong Weerasethakul, Daniel Buren e Jenny Holzer. A Hyundai e a Kukje, ambas de Seul, mostraram obras de artistas coreanos, sendo que a segunda não prescindiu também de nomes ocidentais como Candida Höfer, Bill Viola, Anish Kapoor. Entre os artistas coreanos que apresentou, destacam-se Kwang-Ho Lee, Yeondoo Jung e Ki-Bong Rhee.


A 140sqm de Xangai e a Chi-Wen de Taipé são duas das galerias presentes que trabalham com fotografia. Da última destaca-se um conjunto de fotografias de Wei-Li Yeh da série “Emperor Go in the City”. Baseando-se numa história de folclore local (Taiwan), o fotógrafo encena uma outra história a partir do quadro do Imperador Go Jian, encontrado num campo militar e transferido pelo próprio artista para um complexo de casas em Taipé que será destruído. Wei-Li Yeh justapõe histórias reais e ficcionadas para reflectir sobre o tempo e a degradação dos lugares.


A 10 chancery Lane (Hong Kong e Xangai) mostrou um leque de artistas chineses, italianos e vietnamitas, a Osage (Hong Kong, China, Singapura) apostou em artistas de Hong Kong, chineses e tailandeses, e a Grotto mostrou exclusivamente artistas de HK. A Green Cardamom (Londres) trabalha exclusivamente com artistas iranianos, indianos e paquistaneses, tendo dado especial destaque à obra de Nasgol Ansarinia, cujo processo de trabalho explora os sistemas e padrões de certos ambientes e a forma como o subconsciente é anestesiado pelas rotinas do quotidiano.


Os eventos da feira incluíram workshops, visitas guiadas, filmes e uma série de conversas com artistas, curadores e outros agentes culturais asiáticos e ocidentais. As visitas guiadas estiveram a cargo do espaço alternativo Parasite, enquanto que a organização dos restantes eventos foi da responsabilidade do Asia Art Archive de Hong Kong (AAA), uma instituição sem fins lucrativos que vive de apoios privados. Como centro de pesquisa, o AAA tem desenvolvido um excelente trabalho de investigação e divulgação da arte asiática um pouco por todo o mundo, estabelecendo uma ponte com instituições asiáticas e internacionais. Para além de se centrar na área da pesquisa artística, outras áreas do AAA incluem a organização de conferências, eventos e de residências artísticas – um dos últimos colectivos de artistas em residência foram os Raqs Media Colective de Nova Delhi.


Os painéis das conversas organizados pelo AAA centraram-se em 4 temas. O primeiro painel, Reinvesting in Contemporary Chinese Art reuniu o escritor e director artístico Hu Fang, Johnson Chang, curador e director da Hanart TZ, o artista Qiu Anxiong, a curadora independente Pauline J. Yao e o coleccionador Uli Sigg, com a moderação de Philip Tinari, crítico, curador, fundador da artforum.com.cn e profundo conhecedor do panorama artístico chinês. Os efeitos da actual recessão global no mercado artístico e as estratégias que se procuram para repensar essa situação foram os temas debatidos neste painel. Muitos acreditam que este é o momento oportuno para reflectir e contribuir com ideias que possam atenuar a voracidade comercial.


Destacam-se as intervenções de Hu Fang e Qiu Anxiong que se fixaram precisamente nesse lado alternativo, com uma posição mais crítica face ao mercado artístico. Hu Fang questionou a excessiva preocupação com esse sector e tudo o que isso implica, frisando que a arte tem uma energia própria e não deve estar totalmente dependente dessas questões. Qiu Anxiong comentou sobretudo a tendência para o facilitismo despertado justamente pelo mercado, como algo que terá certamente de ser repensado. Pauline Yao sublinhou que a valorização da arte contemporânea chinesa pelo mercado teve alguns aspectos positivos, nomeadamente chamar a atenção do sistema político chinês para o panorama interno da arte contemporânea, acrescentando que essa especulação foi praticamente construída no Ocidente porque o mercado interno é ainda relativamente pequeno. Na realidade, todos os intervenientes concentraram-se apenas nos efeitos do mercado na arte contemporânea chinesa do continente, furtando-se às observações desses efeitos noutras regiões como Hong Kong e Taiwan. Tal questão só foi aflorada quando se interveio publicamente, questionando, precisamente, qual a posição das outras comunidades chinesas face a esse sucesso.


Dos 3 restantes painéis, Museum Focus (I): Art + Design, Museum Focus (cont.): Participation, Collaboration and the Everyday e Heritage Sites: the answer to Hong Kong’s arts needs, destacamos o segundo painel que reuniu Daravuth Ly, director do Reyum Institute of Arts and Culture, Phnom Penh (Cambodja), Frances Morris que está à frente das colecções da Tate Modern (Londres), Hammad Nasar, curador, escritor e co-fundador do espaço Green Cardamom (Londres), Leung Mee-ping, artista de Hong Kong cujo trabalho se centra no espaço urbano e o artista Rirkrit Tiravanija que trabalha entre Nova Iorque, Berlim e Chiang Mai, com a moderação de Vasif Kortun, curador e director da Plataforma Garanti Contemporary Art Center (Istambul). Na conversa em torno do tema Museum Focus (cont.): Participation, Collaboration and the Everyday, abordou-se a importância de projectos e curadorias que se realizam fora do contexto museológico, quer como eventos complementares, quer como alternativos àquele – neste último caso, se as estruturas são inexistentes ou não se harmonizam com as perspectivas das comunidades artísticas. Segundo as palavras de Daravuth Ly, o contexto artístico de Phonm Penh, por exemplo, enquadra-se nesta situação de negligência das estruturas estatais. A instituição não-governamental da qual é director subsiste apenas graças aos apoios privados e as actividades artísticas centram-se muito no trabalho de pesquisa, arquivo e ligação com a comunidade. Francis Morris realçou algumas obras adquiridas pela Tate Modern cujo processo ocorreu no espaço público, realçando que a fruição destas obras se faz através de um arquivo de documentação e da memória.


Uma feira de arte é sempre mais uma entre muitas. O que as distingue do sucesso ou fracasso, para além da conjuntura, é a capacidade de organização e mobilização de intervenientes culturais que contribuam para a dinâmica do evento. A posição, o panorama cultural e as condições estruturais da cidade são, obviamente, outro factor importante, que deverá ser levado em conta. A feira de Hong Kong reuniu condições para se estabelecer como a principal feira de arte asiática, uma alternativa ao conservadorismo da feira de arte de Pequim localmente criticada. Terá de competir, no entanto, com a feira de Xangai que este ano investe numa nova organização. Esta competição acaba por funcionar como um estímulo à melhoria de cada evento.


Sandra Lourenço
Hong Kong




LINKS

ART HK 09: Hong Kong International Art Fair
www.hongkongartfair.com

ASIA ART ARCHIVE, Hong Kong (AAA)
www.aaa.org.hk

40mg canada cialis levitra discount cialis vs viagra india cialis vs viagra sales price cialis tadalafil 20mg ed drugs best ed meds, online from viagra india generic viagra buy.
Buy viagra philippines release generic viagra date cialis vs viagra strength cialis vs viagra price online viagra cheap buy uk order ed drugs erectile dysfunction pills online, levitra vardenafil generic tadalafil online 10mg.
Viagra difference sildenafil online cheap pills for sale levitra http://www.socgeografialisboa.pt/levitra-or-viagra-best/ viagra on line, viagra interactions vs of action viagra cialis onset.
Buy viagra ireland in to where canada viagra from order buy cheap cialis how much does viagra cost in india, viagra super australia buy propecia online.
Price india finasteride tadalafila 10 mg how at walmart cost viagra pharmacy much does levitra pill buy, levitra between difference and cialis viagra cream.
20mg tadalafil buy levitra 20mg side reviews levitra effects http://www.socgeografialisboa.pt/cialis-uk-suppliers-online/ generic cialis tadalafil 20 mg, levitra viagra online viagra sampler.