Exposições anteriores:

2022-04-05


AIRES | Uma performance em três actos




2021-11-17


WE LOVE UGO RONDINONE




2021-09-20


PROF. DR. ARTIST E XAMÃ BEATRIZ ALBUQUERQUE




2021-06-07


ANA HATHERLY: ROTURA




2020-10-27


ANTÓNIO OLAIO: GRAÇAS À LUZ ELÉCTRICA




2017-11-09


WE DON’T KNOW EACH OTHER




2017-09-21


PODCASTS FOR PARENTS: Space Adventures and Social Activism




2015-11-11


I STOOD UP AND... NEVER SAT DOWN AGAIN




2015-09-08


ISSO - IN ONE WAY OR ANOTHER




2015-05-15


INSIDE OUTSIDE




2014-09-03


O MANIFESTO DA GRUTA




2014-05-05


ESTADO DE SÍTIO




2014-02-20


se não me engano, faz Angola




2013-11-05


DEAR STORIES




2013-09-06


ALÉM MARGEM(S)




2013-05-30


M.A. AND FRIENDS – Sete Artistas Ulissiponenses




2013-03-07


LES DAMES CHINOISES #3




2012-11-05


I WOULD PREFER NOT TO




2012-09-30


O SONHO DE WAGNER




2012-06-05


OS CULTUROFAGISTAS




2012-04-12


OBJET TROUVÉ




2011-11-24


URBSCAPES: Espacios de hibridación




2011-09-29


FOTÓGRAFOS-VIAJANTES & VIAGENS DE FOTÓGRAFOS




2011-06-30


QUINZE ENSAIOS




2011-05-12


LA BELLE ALLIANCE




2011-03-24


EXPLORAÇÃO DO PROCESSO DO IMAGINÁRIO




  
share |

AIRES | Uma performance em três actos


 

 


AIRES | UMA PERFORMANCE EM TRÊS ACTOS


9 de Abril 18:00

 

A Plataforma Revólver apresenta o ciclo Sound and Future - Four Tools to Unblock the Present, uma curadoria de Isabel Costa e Joana Kramer Horta.


"Uma performance em três actos, numa colisão entre citação, inspiração e remistura. Um breve lamento analógico vai desaguar num mar de suspiros digitais, um jogo de espelhos e assombrações, onde as referências são horizontais e nunca hierarquizadas. Alquimia, portanto. A fechar, uma construção a partir de um dos grandes temas dos nossos dias - Love means Taking Action, de Croation Amor, um paladino de fantologia.", Aires.

Partindo da última obra de Mark Fisher, "Fantasmas da Minha vida", os artistas multidisciplinares Aires, Diana Policarpo, João Pimenta Gomes e Odete, foram convidados a reflectir sobre os conceitos de loop, pastiche, mixagem e sampling. Esta investigação pretende reunir ferramentas que contribuam para desbloquear o presente e encontrar novas narrativas de futuro.

 

 

 

>>Folha de sala

 

 

 

 

Biografia

 

Aires Músico madeirense no activo sob diferentes pseudónimos e um dos cabecilhas do Colectivo Casa Amarela. Como Aires, a sua estreia nos discos deu-se em 2014 com o lançamento do álbum homónimo pela editora portuguesa Enough Records. Desde então colaborou com várias editoras, como a Genot Centre e a Bad Panda Records, até se focar na sua Casa Amarela, que partilha com a artista Mafalda Melim, com quem faz a curadoria do ciclo Jejum na Rua das Gaivotas6. Actualmente, o seu trabalho reflecte um tema que se tornou central em todo o projecto: a efemeridade e a qualidade espectral das relações na era digital. Em 2021 editou o EP 'Daylight Fireworks, pela ZABRA. Este é um trabalho sobre a aceitação inevitável da efemeridade, sobre o anseio etéreo por algo que nunca vivemos plenamente. É também sobre a distância e as ilusões modernas que usamos para escondê-la.

 

 


Registe-se para receber os convites das nossas exposições:

Nome:

Email:

Telefone:

Morada:

Localidade:

Código Postal:


Insira os caracteres: