Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Sexo, Escondidas e uma Parede


Rodrigo Oliveira
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Stray Gods


Colectiva
Galeria Graça Brandão (Lisboa), Lisboa

The Architecture of Life. Environments, Sculptures, Paintings and Films


CARLOS BUNGA
MAAT, Lisboa

Da História das Imagens


Manuel Casimiro
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Nem tudo no navio se deteriora no porão


DALILA GONÇALVES
Galeria Lehmann + Silva, Porto

Humor


ISABEL SIMÕES
Bruno Múrias,

WHILE THEY SLEEP THEY DREAM


LEONOR HIPÓLITO
Espaço AZ, Lisboa

O Quase Nada


CHRISTINE HENRY
Museu Municipal de Faro, Faro

Corpo + Acção = Performance


Beatriz Albuquerque
Quase Galeria, Porto

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


JOANNA LATKA

A Hora do Diabo




GALERIA DAS SALGADEIRAS (ATALAIA)
Rua da Atalaia nº 12 a 16 Bairro Alto


14 ABR - 14 ABR 2018


Inauguração dia 14 de Abril, às 19h na Galeria das Salgadeiras


O olhar sempre atento e irónico de Joanna Latka propõe-nos, nesta sua nova exposição, uma reflexão sobre algumas catástrofes extremas, perenes na nossa memória colectiva, que provocaram perdas de vida e de património, e que deveriam constituir um instrumento para uma consciência global do papel de cada um, indivíduos, instituições, Estado, neste complexo Mundo que é o nosso.

Água e fogo nos seus mais intensos cromatismos, figuras numa simbiose entre a fábula e a sátira, o Eu e o Outro, Deus e o Diabo, são elementos que nos poderão permitir descobrir se chegámos a um ponto de ruptura com a Natureza connosco mesmo, enquanto espécie. Será esta a Hora do Diabo, título este que remete para a obra homónima de Fernando Pessoa? E, afinal, onde reinará este espírito diabólico, esta Serpente que, em sua própria defesa, reclama: “Sou o Deus da Imaginação, perdido porque não crio.” Levados pela mão deste Diabo de Fernando Pessoa, indagamos-lhe “Que coisa tão pavorosa e tão bonita! O que é aquilo tudo ali em baixo?”, ao que nos responde “Aquilo, minha senhora, é o mundo!”.