Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

O Lago


Maria Condado
Espaço Amoreiras, Lisboa

Contrato (a tempo indeterminado)


Ângela Ferreira e Fernando José Pereira
Museu Internacional de Escultura Contemporânea, Santo Tirso

Pure Emulsion


José Luís Neto
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

Pós-Pop. Fora do lugar-comum


Colectiva
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Chama-ficção


Ana Mata e Catarina Domingues
Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa

A Gregos e a Troianos


Isaque Pinheiro
Caroline Pagès Gallery, Lisboa

SUSPENSÃO E DEPENDÊNCIA


RUI MATOS
Salão Belas Artes, Lisboa

Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de um livro


Victor Palla e Costa Martins
Museu da Cidade - Pavilhão Preto, Lisboa

A Hora do Diabo


Joanna Latka
Galeria das Salgadeiras (Atalaia), Lisboa

The city in my mind or the fear of my sky


Flávio Andrade
A Pequena Galeria, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 

share |

JOANNA LATKA

A Hora do Diabo




GALERIA DAS SALGADEIRAS (ATALAIA)
Rua da Atalaia nº 12 a 16 Bairro Alto


14 ABR - 14 ABR 2018


Inauguração dia 14 de Abril, às 19h na Galeria das Salgadeiras


O olhar sempre atento e irónico de Joanna Latka propõe-nos, nesta sua nova exposição, uma reflexão sobre algumas catástrofes extremas, perenes na nossa memória colectiva, que provocaram perdas de vida e de património, e que deveriam constituir um instrumento para uma consciência global do papel de cada um, indivíduos, instituições, Estado, neste complexo Mundo que é o nosso.

Água e fogo nos seus mais intensos cromatismos, figuras numa simbiose entre a fábula e a sátira, o Eu e o Outro, Deus e o Diabo, são elementos que nos poderão permitir descobrir se chegámos a um ponto de ruptura com a Natureza connosco mesmo, enquanto espécie. Será esta a Hora do Diabo, título este que remete para a obra homónima de Fernando Pessoa? E, afinal, onde reinará este espírito diabólico, esta Serpente que, em sua própria defesa, reclama: “Sou o Deus da Imaginação, perdido porque não crio.” Levados pela mão deste Diabo de Fernando Pessoa, indagamos-lhe “Que coisa tão pavorosa e tão bonita! O que é aquilo tudo ali em baixo?”, ao que nos responde “Aquilo, minha senhora, é o mundo!”.