Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Sexo, Escondidas e uma Parede


Rodrigo Oliveira
Galeria Filomena Soares, Lisboa

Stray Gods


Colectiva
Galeria Graça Brandão (Lisboa), Lisboa

The Architecture of Life. Environments, Sculptures, Paintings and Films


CARLOS BUNGA
MAAT, Lisboa

Da História das Imagens


Manuel Casimiro
Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

Nem tudo no navio se deteriora no porão


DALILA GONÇALVES
Galeria Lehmann + Silva, Porto

Humor


ISABEL SIMÕES
Bruno Múrias,

WHILE THEY SLEEP THEY DREAM


LEONOR HIPÓLITO
Espaço AZ, Lisboa

O Quase Nada


CHRISTINE HENRY
Museu Municipal de Faro, Faro

Corpo + Acção = Performance


Beatriz Albuquerque
Quase Galeria, Porto

Las Golondrinas


Maya Saravia
Balcony, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


VICTOR PALLA E COSTA MARTINS

Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de um livro




MUSEU DA CIDADE - PAVILHÃO PRETO
Campo Grande, 245
1700-091 LISBOA

12 ABR - 12 ABR 2018


Inaugura, no dia 12 de abril, quinta-feira, às 18h30, no Pavilhão Preto do Museu de Lisboa, a exposição Lisboa, Cidade Triste e Alegre: Arquitetura de um Livro. Esta exposição, comissariada por Rita Palla Aragão, traz um olhar aprofundado sobre o mais importante livro de fotografia do século XX em Portugal, editado em 1959 por Victor Palla (1922-2006) e Costa Martins (1922-1996).

Durante três anos, na década de 1950, esta dupla de arquitetos percorreu as ruas de Lisboa, retratando-a e aos seus habitantes, a preto-e-branco, revelando uma cidade escondida simultaneamente triste e alegre. Das seis mil fotografias realizadas, os autores escolheram cerca de 200 para integrar o livro, às quais acrescentaram poemas e um índice longo e singular (que explica grande parte do processo criativo) e uma série de poemas que convertem a obra num verdadeiro poema gráfico.

Livro de culto sobre Lisboa, considerou-se fundamental dedicar-lhe uma exposição na cidade que o inspirou e à qual os autores consagraram esta obra, que assim descreveram na apresentação:

(...) o retrato da Lisboa humana e viva através dos seus habitantes – de dia, de noite, nos seus bairros, na Baixa, no Tejo – revelação ora alegre ora triste, mas sempre terna e sentida, da vida de uma cidade. Talvez por isso fosse mais adequado chamar-lhe «poema gráfico» - até porque o arranjo das imagens e a própria composição do livro têm, no seu grafismo, o fluir, a alternância de ritmos, as ressonâncias de uma obra poética.

Numa exposição que tem por base o espólio dos autores, mas que se alargou a outros elementos, podemos encontrar todo o percurso da construção de Lisboa, “Cidade Triste e Alegre” até aos dias de hoje.

Além de maquetas, cartazes, ou matrizes de imposição, estão expostas, em versão integral, 50 fotografias, 20 das quais são inéditas, impressas a partir dos negativos originais, também alguns expostos.

É também oportunidade de dar a conhecer todas as edições do livro, pretendendo explicar o intrincado conjunto que resultou da existência inicial de múltiplas opções de encadernação.

Dada a diversidade de características da obra - que ultrapassam largamente o domínio da fotografia – o Museu de Lisboa convidou, para prestar testemunho, um conjunto de personalidades provenientes de áreas distintas. Assim, participam no catálogo e no ciclo de conversas: Alexandre Pomar, André Príncipe, Mário Moura, Michel Toussaint, Luís Camanho, Paulo Catrica, Pedro Mexia e Teresa Siza.

Uma exposição única sobre um livro contemporâneo, com um vincado carácter histórico de grande significado, não só para a fotografia portuguesa, como também para a cidade de Lisboa.