Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA

Outras recomendações:

Prémio Navigator Arte em Papel


COLECTIVA
Chiado 8 Arte Contemporânea, Lisboa

Narrativas Fotográficas no Intendente


COLECTIVA
Casa Independente, Lisboa

Inflammatio


António Barros
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

289


Colectiva
Associação 289, Faro

Building Stories


Ricardo Bak Gordon / MAIO / de vilder vink taillieu
Garagem Sul, León

A Mão na Coisa, A Coisa na Boca, A Boca na Coisa, A Coisa na Mão


João Pedro Vale + Nuno Alexandre Ferreira
Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Dark Forces 2004 / V 2018


Nuno Cera
Museu Nacional Grão Vasco, Viseu

Um crime que urge reparar


João Penalva
Culturgest (Porto), Porto

Contra a Abstracção – Obras da Coleção da Caixa Geral de Depósitos


Colectiva
Culturgest, Lisboa

A Light Home


Bárbara Bulhão e Elena Koycheva
OTOCO, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RUI MATOS

SUSPENSÃO E DEPENDÊNCIA




SALÃO BELAS ARTES
Rua do Embaixador, 126A | Belém
1300-218

14 ABR - 14 ABR 2018


Inauguração dia 14 de Abril, às 18h no Salão Belas Artes

Em Suspensão e dependência, o escultor Rui Matos apresenta várias séries de esculturas que percorrem o espaço, como uma subtil linguagem ou palavras do Universo. Esta nova série de obras escultóricas compostas por linhas e traços depurados e minimais, com ou ausência de cor, esboça diferentes formas poéticas da linguagem abstracta. Reporta-nos à natureza e às leis do universo. Como actos de sensibilidade estética, em delicadas linhas de metal e em pequenos apontamentos de formas geométricas, formam a linguagem e a palavra. Como palavras suspensas que compõem o cosmos. No silêncio e no vazio, numa viagem às origens, retornamos à criação. (JC)